(476) – OS DOIS JUGOS – I

OS  DOIS  JUGOS  1

As Escrituras Sagradas se compõem de dois testamentos, o velho e o novo. O Velho Testamento tinha como cabeça Jeová, o deus do povo hebreu, e o Novo Testamento tem como cabeça Jesus Cristo. Sobre o cabeça do Velho Testamento, ele mesmo testemunhou de si próprio dizendo: “Eu sou deus” (Is. 43:12). Ele também disse: “Fora de mim não há deus” (Is. 44:6). E também declarou: “Eu sou Jeová, e fora de mim não há salvador” (Is. 43:11). E Jeová, tendo Moisés como mediador, fez um concerto com o povo de Israel no monte Sinai: “E Moisés tomou o livro do concerto, e o leu aos ouvidos do povo, e eles disseram: Tudo o que Jeová tem falado faremos, e obedeceremos” (Ex. 24:7).

Moisés foi, como dissemos, o mediador do concerto do Velho Testamento feito com Jeová (Gl. 3:19).Jesus é o mediador de um novo concerto, feito com o Pai: “Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de melhor concerto, que está confirmado em melhores promessas, porque se aquele primeiro fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para o segundo” (Hb. 8:6-7). Vejamos quais as diferenças entre os dois concertos: O velho concerto de Jeová exige menos do que o novo concerto de Jesus, portanto foi mais suave. Provemos:

  1. No velho concerto Jeová enriquecia os seus servos. O rei Davi declara: “Riquezas e glória vêem de diante de ti, e tu dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; e na tua mão está o engrandecer e dar força a tudo” (I Cr. 29:12). E Davi morreu cheio de riquezas e glória (I Cr. 29:27-28). No segundo concerto, Jesus não aceita riquezas. Ele declara: “Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam. Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça e nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam” (Mt. 6:19-20). Textos paralelos: I Tm. 6:17-19; Lc. 14:33; Tg. 2:5.
  2. No concerto de Jeová, o servo era obrigado a dar o dízimo (Ml. 3:10). No novo concerto de Jesus, o servo tem que dar tudo, pois Jesus mesmo disse: “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me” (Mt. 19:21). A um outro, muito rico, que construiu mais celeiros para guardar sua safra, Jesus disse: “Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado para quem será?” (Lc. 12:20). E a outro disse: “Qualquer de vós, que não renuncia a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo” (Lc. 14:33).
  3. No velho concerto Jeová obrigava seus servos a guardar a lei e observar os seus estatutos. Jeová declarou: “Atendei-me, povo meu; nação minha, inclinai os ouvidos para mim; porque de mim sairá a lei, e o meu juízo se estabelecerá como luz dos povos” (Is. 51:4). “Não se humilharam até o dia de hoje, nem temeram, nem andaram na minha lei, nem nos meus estatutos, que pus diante de vós” (Jr. 44:10). Jesus no seu concerto diz: “Então disse Jesus: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me” (Mt. 16:24). E Paulo completa, dizendo: “Os que são de Cristo crucificaram a carne com suas paixões e concupiscências” (Gl. 5:24). Jesus exige muito mais no seu concerto.
  4. Jeová mata quem peca: “A alma que pecar, essa morrerá” (Ez. 18:20). Pecar é praticar o mal. Jesus Cristo diz no seu concerto: “Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; porque tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; sendo estrangeiro, não me hospedastes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, e não me visitastes. Então eles também me responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos não o fizestes, não o fizestes a mim. E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna” (Mt. 25:41-46). No concerto de Jeová, quem mata, quem rouba, quem pratica o mal, apenas morre. No concerto de Jesus, quem não praticar o bem, vai sofrer as penas do fogo eterno junto com Satanás e os demônios.
  5. Jeová concede o divórcio quando um homem não se agrada da mulher (Dt. 24:1-4). Jesus é contra. Ele diz: “Eu, porém, vos digo: Qualquer que repudiar a sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada, comete adultério também” (Mt. 19:9). Jesus só aceita o divórcio no caso em que a mulher é prostituta e imunda, e isso para proteger os filhos.
  6. Jeová permitia aos homens terem diversas mulheres. Abraão teve três mulheres e muitas concubinas (Gl. 4:22). Da terceira esposa, de nome Quetura, teve seis filhos (Gn. 25:1-7). Davi teve sete mulheres (I Cr. 3:1-5). E teve dez concubinas (II Sm. 15:16). Ao todo dezessete. Salomão teve mil mulheres (I Rs. 11:1-3). No concerto de Jeová havia muitas regalias. No concerto de Jesus Cristo, cada homem tem somente uma mulher. Argüido pelos fariseus sobre o divórcio, Jesus disse: “Não haveis lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez? E disse: Portanto deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher, e serão os dois numa só carne? Assim não serão mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mt. 19:4-6). Paulo também segue na mesma linha, dizendo: “Convém que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher” (I Tm. 3:2). “Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e governem bem seus filhos e suas próprias casas” (I Tm. 3:12).

Por que o concerto de Jeová é mais obsequioso e menos exigente com as pessoas, e por que Jesus é tão intransigente? A resposta é simples. Os do Velho Testamento eram todos imperfeitos (Hb. 7:18-19). Cristo cria homens perfeitos (II Co. 5:17). “O mistério que esteve oculto desde todos os séculos, e em todas as gerações, e que agora foi manifestado aos seus santos; aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória; a quem anunciamos, admoestando a todo o homem, e ensinando a todo o homem em toda a sabedoria, para que apresentemos todo o homem perfeito em Jesus Cristo” (Cl. 1:26-28).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta