(040) – OS ANJOS DE DEUS

Os anjos todos obedecem ao comando de Jeová: “Vi Jeová assentado sobre o seu trono, e todo o exército do céu estava junto a ele, à sua mão direita e à sua esquerda” (1 Rs.22:19). O texto é claro. Todos os anjos estavam submetidos a Jeová em obediência. “Bendizei a Jeová, anjos seus, magníficos em poder, que cumpris as suas ordens, obedecendo a voz da sua palavra. Bendizei a Jeová, todos os seus exércitos, vós, ministros seus, que executais o seu beneplácito.” Sl. 103: 20-21. Os anjos são ministros de Jeová, e compõem os exércitos dos céus, louvando-o nas alturas permanentemente (Sl.148:1-2).

O diabo tentou Jesus para se atirar do pináculo do templo, para que os anjos de Jeová O guardassem, conforme o Sl.91:11-12 que diz: “Está escrito: Mandará os seus anjos, acerca de ti, que te guardem, e que te sustentem nas mãos, para que nunca tropeces com o teu pé em pedra”. Se Jesus pulasse e a profecia se cumprisse sobre os anjos, Jesus não seria o autor da salvação (Hb.12:2). Por outro lado, Jeová estaria colaborando com o diabo ao socorrer Jesus, pois o diabo queria que Jesus saltasse, e assim se tornaria submisso ao diabo. Seria uma situação cômica. Jeová guardando quem o diabo derrubou. Mas mudemos o assunto.

Os anjos de Jeová governam este mundo, governando as nações. O anjo de Israel chama-se Miguel. “Naquele tempo  se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta pelos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até aquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que se achar escrito no livro” (Dn.12:1). Estas palavras foram ditas a Daniel por um homem vestido de linho (Dn.10:5-6). Aquele homem, cujo rosto parecia relâmpago, disse mais: “O príncipe do reino da Pérsia se pôs defronte  de mim vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu fiquei ali com os reis da Pérsia” (Dn.10:13). Este príncipe do reino da Pérsia era o anjo que governava a Pérsia. Na Grécia havia outro príncipe (Dn.10:20). Estes príncipes, com os das outras nações formam os principados e potestades que governam este  mundo tenebroso sob as ordens de Jeová, conforme Sl.103:20-21. E Paulo diz: “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século” (Ef.6:12). Quem governa por traz dos anjos é o próprio Jeová, pois disse Jó:  “Na verdade, Deus não procede impiamente, nem o Todo-Poderoso perverte o juízo. Quem lhe entregou o governo da Terra?” (Jó 34:12-13). E nos Salmos: “Jeová Altíssimo é tremendo, e rei grande sobre toda a Terra” (Sl.47:2). “Porque o reino é de Jeová; e ele domina entre as nações” (Sl.22:28). “Quem te não temeria a ti, ó rei das nações?” (Jr.10:7).

Com estes textos podemos afirmar que Jeová tem seu reino neste mundo tenebroso também, mas Jesus não reina com Jeová neste mundo, conforme Jo.18:36. Os anjos reinam com Jeová e Jesus não, logo, Jesus não está com os anjos, e os anjos não estão com Jesus, pois foram submetidos após a ressurreição. “Pela ressurreição de Jesus Cristo; o qual está à destra de Deus, tendo subido aos céus;havendo-se-lhe sujeitado os anjos, as autoridades e as potências” (Ef.1:20-21; 1 Pe.3:21-22).

Os anjos que governavam com Jeová sobre este mundo não comunicavam mansidão, mas pavor. A mulher de Manoá, pai de Sansão, viu um anjo, e contou que a visão foi terribilíssima (Jz.13:6). Davi viu um anjo com uma espada na mão e ficou aterrorizado (1 Cr.21:30). Os anjos de Jeová não são mensageiros da paz, mas da guerra, pois são todos guerreiros (2 Rs.6:12-17). E o próprio Jeová se auto denomina: ‘Senhor dos Exércitos’ pois Jeová é homem de guerra e não de paz (Ex.15:3). Davi declara que a guerra é de Jeová (1 Sm.17:45-47). Jeová e seus anjos governavam por meio da atrocidade das guerras fratricidas.

Os anjos de Jeová são, portanto, destruidores das almas. Davi, por incitação de Jeová, mandou enumerar o povo, e Jeová, como castigo, mandou um anjo destruidor que matou setenta mil israelitas por meio de uma peste (2 Sm.24:15-16). Acasias, rei de Israel, caiu de uma janela e se feriu. Então mandou consultar Baal-Zebube, deus de Ecrom, sobre sua cura. Jeová mandou Elias dizer ao rei, que morreria, por castigo de não ter consultado Jeová. O rei mandou um capitão e mais cinqüenta soldados buscar o profeta, dizendo: “Homem de Deus, o rei te diz: Desce. Elias respondeu: Se sou homem de Deus desça fogo do céu e te consuma a ti e aos teus cinquenta. E desceu fogo do céu e os consumiu”. O rei mandou outro capitão e mais cinquenta, e novamente o fogo do céu os consumiu (2 Rs.1:1-12). Também o anjo de Jeová destruiu cento e oitenta mil soldados assírios de uma feita (2 Rs.19:35).

Os anjos de Jeová, além de destruidores, são também acusadores. “Nem ainda no teu pensamento amaldiçoes ao rei, nem tampouco no mais interior da tua recâmara amaldiçoes ao rico, porque as aves do céu levariam a voz, e o que tem asas daria notícia da palavra” (Ec.10:20).

Os anjos de Jeová são impiedosos e não perdoam ninguém. “Eis que eu envio um anjo diante de ti para que te guarde neste caminho, e te leve ao lugar que te tenho aparelhado. Guarda-te diante dele, e ouve a sua voz, e não o provoques a ira, porque não perdoará a vossa rebelião, porque o meu nome está nele” (Ex.23:20-21).

Os anjos de Jeová são mensageiros do mal. A palavra mensageiro no hebraico é anjo. São portanto anjos do mal (Sl.78:49).

O anjo de Jeová manda o povo amaldiçoar: “Amaldiçoai a Meroz, diz o anjo de Jeová, acremente amaldiçoai os seus moradores; porquanto não vieram em socorro de Jeová com os seus valorosos” (Jz.5:23).

Os anjos de Jeová se transformam em Satanás. “Então o anjo de Jeová disse: Porque já três vezes espancaste a tua jumenta? Eis que eu saí para ser o teu Satanás, porquanto o teu caminho é perverso” (Nm.22:32).

É por isso que Jesus disse: Meu reino não é deste mundo. Jesus não reina com anjos destruidores e matadores. Jesus só quer perdoar a todos. Jesus é meigo, é manso, e não terribilíssimo. Jesus não acusa ninguém (Jo.5:45). Jesus é o mensageiro da graça, da paz e da salvação para todos. Jesus não manda amaldiçoar, antes nos resgatou das maldições de Jeová. Jesus não pode reinar com anjos que se transformam em Satanás, e ao contrário, veio para libertar do diabo e das trevas (At.26:18).

Alguém dirá: Então porque os anjos anunciaram o nascimento de Cristo? (Lc.2:8-14). O verso 11 diz que nasceu o Cristo (Messias). O libertador de Israel. Aquele que ia despedaçar as nações como a um vaso de oleiro, e as ia esmigalhar com vara de ferro (Sl.2:8-9). Mas Jesus não abraçou o método de Jeová e seus anjos. Não aceitou reinar sobre este mundo tenebroso. O seu reino é de amor (Cl.1:12-13). O reino de Cristo é celestial e não terreno (2 Tm.4:18).

E tem mais: No livro de Hebreus lemos que Deus, o Pai, nunca usou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão, que é Cristo (Hb.2:16-17). Ora, se o Pai não tomou os anjos a seu serviço, e Jeová só usou os anjos, não são a mesma pessoa. E os anjos de Jeová não participarão do reino de Cristo (Hb.2:5).

Jesus rejeitou o reino de Jeová para reinar com a Igreja nas regiões celestiais, como Abraão (Hb.11:8-10).

Autoria: Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta