(113) – O JOIO E O TRIGO – II

O JOIO E O TRIGO

Nº 2

            Jesus propôs-lhes uma parábola: “O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia boa semente no seu campo. Mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou o joio no meio do trigo, e retirou-se. E, quando a erva cresceu e frutificou, apareceu também o joio. E os servos do pai de Família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu no teu campo boa semente? Por que tem então joio? E ele lhes disse: Um inimigo é quem fez isso. E os servos lhe disseram: Queres pois que vamos arrancá-lo? Porém ele lhes disse: Não, para que ao colher o joio não arranqueis também o trigo com ele. Deixai crescer ambos juntos. Até a ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas o trigo ajuntai-o no meu celeiro” (Mt. 13:24-30).

Joio é uma gramínea de aspecto semelhante ao trigo, porém, sem fruto, e que danifica o trigo. Jesus explica que a boa semente são os filhos do reino de Deus, e o joio são os filhos do maligno (Mt. 13:38).

O homem é o que pensa, e assim o joio segue uma doutrina de vida e o trigo segue outra. Jesus disse: “Aquele que escuta as minhas palavras e as pratica” (Mt. 7:24). Os atos e as obras  dependem dos conceitos, logo os conceitos, ou melhor, as doutrinas, caracterizam o joio e o trigo. Nos dias de Jesus havia dois ensinamentos básicos, a saber: A lei e o Evangelho. A lei abrange o Velho Testamento e o Evangelho o Novo Testamento. Como a lei de Moisés não combinava com a graça do Evangelho, vamos considerar a lei como o JOIO.

1. A lei não salva ninguém, pois o apóstolo Paulo diz: “Nenhuma carne será justificada diante de Deus pelas obras da lei; porque pela lei vem o conhecimento do pecado” (Rm. 3:20). E disse mais o grande apóstolo: “Se Cristo não ressuscitou é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados, e também os que dormiram em Cristo estão perdidos” (I Co. 15:17-18). A salvação de todos dependeu da ressurreição de Cristo e não da obediência da lei; logo a lei não salva. Muitos pensam que obedecendo a lei serão salvos, mas estão enganados. LOGO, A LEI É JOIO, pois sem a ressurreição de Cristo, os fiéis à lei do Velho Testamento estão perdidos.

2. O trigo produz fruto para Deus, o joio não. Explicando a parábola do trigo e do joio, Jesus afirmou que o joio são os que causam escândalo e cometem iniquidade. Ora, a lei é a força do pecado, e não da santidade, logo a lei é joio (I Co. 15:56; Mt. 13:41).

3. A corrupção reside na carne (I Co. 15:50). A lei está ligada à carne, e o Evangelho está ligado ao Espírito Santo, como disse Paulo: “O que era impossível à lei, visto que estava enferma pela carne” (Rm. 8:3). “Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito Santo, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” (Rm. 8:9). “Jesus não foi feito segundo a lei do mandamento carnal, mas segundo a virtude da vida incorruptível” (Hb. 7:16). Se o mandamento é carnal, e a carne se opõe ao Espírito Santo, a lei é joio (Gl. 5:17).

4. O trigo foi plantado antes do joio (Mt. 13:24-25). E o Evangelho foi pregado antes da lei a Abraão.“Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o Evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti; de sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão” (Gl. 3:8-9). Sobre isto, Jesus disse: “Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o e alegrou-se” (Jo. 8:56). E Paulo fecha com chave de ouro dizendo: “Mas digo isto: Que tendo sido o testamento anteriormente confirmado por Deus, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não o invalida de forma a abolir a promessa” (Gl. 3:17). A lei não conseguiu abolir a promessa, mas Cristo aboliu os mandamentos do Velho Testamento na cruz (Cl. 2:14-15)“Por que o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê” (Rm. 10:4). Concluímos que a lei foi o joio lançado pelo inimigo para atrapalhar e confundir. Na carta aos Hebreus lemos que a lei de Moisés é fraca e inútil e não aperfeiçoa o homem para o reino de Deus (Hb. 7:18-19).

5. A lei promove a inimizade entre o homem e Deus. “Jesus na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo, dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades” (Ef. 2:15-16).  Ora, se a lei de Jeová forjou uma inimizade entre os homens e Deus, que Cristo teve de desfazer na cruz, a lei é joio.

6. Os homens são salvos pela fé, “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom  de Deus, não vem das obras para que ninguém se glorie” (Ef. 2:8-9). “Concluímos pois que o homem é justificado pela fé, sem as obras da lei (Rm. 3:28). As obras da lei são o joio que tornam o homem soberbo, como lemos na parábola do fariseu e o publicano em Lc. 18:9-14. Paulo declara que a lei não faz parte da fé, em Gal. 3:12, logo a lei é joio.

7. Cristo tira do homem o pecado, isto é, liberta do pecado (Rm. 6:18). Para deixar bem claro que o cristão salvo não peca, o apóstolo João diz: “E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. QUALQUER QUE PERMANECE NELE NÃO PECA, QUALQUER QUE PECA NÃO O VIU NEM O CONHECEU” (1 Jo. 3:5-6). Leiamos agora Paulo: “Porque quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, que são pela lei, obravam em nossos membros para darem fruto para a morte” (Rm. 7:5). E  continua dizendo: “O aguilhão da morte é o pecado, e a FORÇA DO PECADO É A LEI” (I Co. 15:56).Que joio terrível é a lei!

8. A lei fabrica escravos e medrosos. “Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei? Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava (Agar), o outro da livre (Sara). Todavia o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria? Porque estes são os dois concertos; UM DO MONTE SINAI, GERANDO FILHOS PARA A SERVIDÃO, QUE É AGAR” (Gl. 4:21-24). O filho de Agar, Ismael, é a figura dos gerados pela lei que são escravos. Paulo diz que esses têm o espírito de escravidão, falando aos crentes do Novo Testamento. “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos, Abba (PAI)” (Rm. 8:15). E Jesus afirma que os escravos não ficam para sempre em casa;  o filho fica (Jo. 8:35). Cristo quer libertar do joio da lei, para tornar-nos filhos, como ele é Filho. “E CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ” (Jo 8:32). “Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo. 8:36).

9. E terminamos citando as palavras de João novamente: “PORQUE A LEI FOI DADA POR MOISÉS, A GRAÇA E A VERDADE VIERAM POR JESUS CRISTO” (Jo. 1:17). Parece que João está revelando que não há verdade na lei; por isso que é joio; e que Jesus Cristo e Jeová têm ministérios diferentes.

 

Autoria Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta