(014) – O UNIGÊNITO DE DEUS

Jesus é chamado na Bíblia de Unigênito Filho de Deus, isto é, único Filho gerado por Deus, e é chamado também de primogênito, isto é, o primeiro de uma série de filhos de Deus. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo.3:16).

Deus, o Pai, só gerou um Filho, Jesus Cristo, e só tinha um Filho, através do qual poderia ser conhecido. “Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o fez conhecer” (Jo.1:18). Este verso do Evangelho de João revela que Deus, o Pai, nunca se deu a conhecer pessoalmente aos homens, e só através do seu Filho Unigênito seria conhecido. E não foi Moisés que tornou público e conhecido o nome de Deus Pai, mas Jesus Cristo, o Filho unigênito. “E eu lhes fiz conhecer o teu nome, e continuarei a dar-lhes a conhecer o teu nome, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu neles esteja” (Jo.17:26). Também a salvação só é  possível através da fé no Filho unigênito de Deus. “Quem crê nele não é condenado, mas quem não crê já está condenado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (Jo.3:18).

O apóstolo João declara que o homem só pode se tornar filho de Deus a partir da fé em Jesus Cristo, e quem crê recebe poder para se tornar filho de Deus, isto é, não é Deus que engendra os próprios filhos. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que crêem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo.1:12-13). João, neste texto, revela que os nascidos da carne e do sangue e da vontade do varão, não são nem podem ser filhos de Deus. A fé em Jesus leva o homem a nascer do Espírito e receber o poder de se tornar filho de Deus. “Jesus disse: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” ( Jo.3:3).

Se Jesus é o unigênito, não pode ser primogênito. Seria contradição. Por que o Apóstolo Paulo afirma que Jesus é o primogênito dos filhos de Deus? “Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, afim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos” (Rm.8:29). Como explicar o impasse? Paulo nos dá uma chave em Cl.1:18: “E ele é a cabeça do corpo da Igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos”. Jesus é o primogênito na Igreja, para os cristãos, mas para o universo e este mundo, para todos os homens é unigênito. Jesus é unigênito como Verbo encarnado. “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a gloria do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo.1:14). E Jesus é primogênito dentre os mortos, isto é, o primeiro a ressuscitar para a eternidade, como disse Paulo: “Isto é, que Cristo devia padecer, e, sendo o primeiro da ressurreição dos mortos, devia anunciar a luz a este povo e aos gentio” (At.26:23).

Fica assim esclarecido o mistério. Cristo é unigênito porque é o único gerado por Deus, e é primogênito na Igreja ressuscitando dos mortos, e nós só seremos seus irmãos se ressuscitarmos como ele ressuscitou, por isso diz Paulo: “Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos” (Cl.2:12).

Fica bem claro e provado no Novo Testamento que o Pai só teve um Filho semelhante aos homens, que é Jesus Cristo, e que os homens só se tornam filhos de Deus crendo em Jesus, recebendo-o como Salvador, sendo sepultados com ele para serem ressuscitados com ele e viverem uma nova vida, isto é, vida igual a que Jesus viveu (Rm.8:29). E João diz: “Aquele que está nele, também deve andar como ele andou” (1 Jo.2:6). “Porque qual ele é, somos nós também neste mundo” (1 Jo.4:17).

Se só a partir de Jesus Cristo os homens podem se tornar filhos de Deus, como explicar que Elohim (Deus), ou Jeová, tinham tantos filhos antes de Jesus vir a este mundo? Os filhos de Elohim e os filhos de Jeová do Velho Testamento não são os filhos de Deus do Novo Testamento. Se Jeová e Elohim são dois nomes do mesmo Deus permanece o dilema. O Deus que tinha filhos no Velho  Testamento não é o mesmo Deus do Novo Testamento que só teve um, por isso chamado de Unigênito. Aqueles filhos de Deus, antes de Cristo, não eram gerados pela palavra do Evangelho, mas pela lei de Jeová, que Pedro chama de semente corruptível. “Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre” (1 Pd.1:23). A lei é a palavra corruptível porque produz as paixões dos pecados (Rom.7:5).

Vamos transcrever textos do Velho Testamento que revelam que aquele Deus tinha filhos sem serem gerados por Jesus. “Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram” (Gn.6:2). Estes filhos de Deus eram corruptos e foram destruídos por seu pai no Dilúvio (Gn.6:7). Isto aconteceu antes da lei. Vejamos depois da lei. “Filhos sois de Jeová vosso Deus” (Dt.14:1). “Esqueceste-te da Rocha que te gerou, e em esquecimento puseste o Deus que te formou. O que, vendo Jeová, os desprezou, provocado a ira contra seus filhos e filhas” (Dt.32:18-19).  “Ouvi, ó céus, e presta ouvidos, tu ó terra, porque fala Jeová: Criei filhos, e exalcei-os, mas eles prevaricaram contra mim” (Is. 1:2).

O Velho Testamento está cheio de textos que revelam os filhos de Jeová, que não são os mesmos filhos de Deus que são gerados a partir de Jesus. Ora, pais diferentes têm filhos diferentes. Os filhos de Jeová, gerados na carne não são os filhos de Deus Pai, gerados pelo Espirito Santo. “Não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa” (Rm.9:8). E Jeová declara que é o Deus de toda a carne (Jr.32:27).

Amigo leitor, escolha o Pai certo, e não o Pai destruidor que é Jeová.

Autoria Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta