(103) – O REI SALOMÃO

Salomão, por direito, não devia se assentar no trono de Davi. Como aconteceu isso? Pela lei de Jeová, o primogênito herdava o trono: “Quando um homem tiver mulheres, uma a quem ama, e outra a quem não ama, e a amada e a aborrecida lhe derem filhos, e o filho primogênito for da aborrecida, será que, no dia em que fizer herdar a seus filhos o que tiver, não poderá dar a primogenitura ao filho da amada, adiante do filho da aborrecida que é o primogênito; mas ao filho da aborrecida reconhecerá por primogênito, dando-lhe dobrada porção de tudo quanto tiver porquanto aquele é o primogênito da sua força, o direito da primogenitura seu é” (Dt. 21:15-17).

Davi teve dez filhos, a saber: Amnom, Daniel, Absalão, Adonias, Sefatias, Itreão, Simeia e Sobabe, e Natã e Salomão. Estes últimos quatro foram os filhos de Bat-Seba, mulher de Urias, o Heteu, com que Davi cometeu adultério e homicídio, pois para se livrar de Urias, marido de Bat-Seba, mandou matá-lo. Davi teve mais nove filhos, afora os filhos das concubinas. Esta genealogia se acha em 1 Cr.3:1-9.

Os três primeiros filhos de Davi haviam morrido (Amnom, Daniel e Absalão). O quarto, Adonias, pela lei de Jeová, era o legítimo sucessor de Davi para subir ao trono. Salomão era o décimo da linhagem, e não tinha chance nenhuma de se tornar rei. Como Davi estava já velho e próximo da morte, Adonias, o legítimo herdeiro do trono, começou a reinar. Lemos isto em 1 Rs. 1:1-11. Bat-Seba, mãe de Salomão, apoiada por Natã, o profeta, compareceu diante de Davi, e disse: “Senhor meu, tu juraste à tua serva, por Jeová teu deus, dizendo: Salomão, teu filho, reinará depois de mim, e ele se assentará no meu trono” (1 Rs.1:17-18). Então Davi, para cumprir o seu juramento em nome de Jeová, mas em desobediência à lei, coloca injustamente Salomão no trono, e este, com a sabedoria de Jeová, para garantir o trono, mata seu irmão Adonias (1 Rs. 2:24-25). Se foi Jeová quem predestinou Salomão para ser o rei, não havia necessidade de assassinar o próprio irmão para se garantir. A eleição divina de Salomão se deu assim: “Quando teus dias forem completos; e vierem a dormir com teus pais, então farei levantar depois de ti a tua semente, que sair das tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino. Este edificará uma casa ao meu nome, e confirmarei o trono do seu reino para sempre” (2 Sm. 7:12-13). “Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho; e a minha benignidade não desviarei dele, como a tirei daquele que foi antes de ti” (1 Cr. 17:13). “Teu filho Salomão, ele edificará a minha casa e os meus átrios, porque o escolhi para filho, e eu lhe serei por pai” (1 Cr. 28:6). O nome SALOMÃO, que se traduz por “pacífico”, foi colocado por Jeová: “Eis que o filho que te há de nascer será homem de repouso; porque repouso lhe hei de dar de todos os seus inimigos em redor. PORTANTO SALOMÃO SERÁ O SEU NOME, e paz e descanso darei a Israel nos seus dias” (1 Cr. 22:9). É evidente que, sendo estas predições feitas por Jeová antes do nascimento de Salomão, o adultério com Bat-Seba foi programado por Jeová, inclusive o assassinato de Urias, o heteu. O fato de Davi não ter subido à guerra contra os filhos de Amom, e o fato de o grande rei estar distraído pelo terraço da casa real, e o fato de Bat-Seba estar se exibindo nua perto do terraço, tudo isto somado à predestinação antecipada de Salomão, evidenciam uma manobra sobrenatural para o adultério de Davi. Ora, Jeová se declara deus, e como tal, onisciente, isto é, conhecia todas as coisas antes que acontecessem. São três os maiores atributos de Deus: onipotência, onipresença e onisciência. Deus pode tudo, Deus está presente em todos os acontecimentos do seu povo, e Deus sabe todas as coisas antes que aconteçam. Ler Is. 14:27; 43:13 e Jr. 23:23-24. Foi Jeová que declarou: “Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou deus, e não há outro deus, não há outro semelhante a mim; que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam” (Is. 46:9-10).

Três coisas fantásticas aconteceram envolvendo o rei Salomão:

1- O juramento de Davi. Qualquer leitor da Bíblia percebe que o adultério foi armado pela própria Bat-Seba, exibindo-se nua diante do rei. É fácil perceber que ela, ao se entregar ao rei exigiu o juramento. O preço que Davi pagou antes do pecado foi alto, pois quebrou a lei de Jeová despojando o primogênito de seus direitos, e se submeteu aos caprichos de uma mulher ambiciosa e carnal.

2- Em caso de impedimento ou morte de Adonias, Sefotias deveria reinar; depois dele Itreão; em seguida os filhos de Bat-Seba; Simeia, Sobabe, Natã, e por fim Salomão, o mais novo e décimo da linhagem.

3- Salomão, o predestinado, cheio da sabedoria de Jeová, saqueou o povo com impostos extorsivos. Após sua morte, o povo compareceu diante de seu filho Roboão, que reinava, com o seguinte clamor: “Teu pai agravou o nosso jugo; agora, pois, alivia tu a dura servidão de teu pai, e o seu pesado jugo que nos impôs, e nós te serviremos” (1 Rs. 12:4). Roboão, perverso e corrupto, pois não recebeu nenhuma educação de Salomão, seu pai, ocupado demais com suas mil mulheres e com a exploração do povo, deu a seguinte resposta ao povo oprimido: “Meu pai vos carregou dum jugo pesado, ainda eu aumentarei o vosso jugo; meu pai vos castigou com açoites, porem eu vos castigarei com escorpiões” (1 Rs. 12:11; 1 Rs. 14:20-24).

Para evitar a divisão do reino de Israel, sua corrupção e destruição, Jeová, o todo poderoso (El Shaday), só tinha que fazer uma coisa: colocar como rei em lugar de Davi, Adonias, que detinha o lugar de primogênito. Mas elegeu a Salomão, sabendo que o mesmo ia se corromper na velhice. O autor portanto, da divisão do reino em dois, e da destruição de ambos é Jeová; e foi quem deu o nome a Salomão (1 Cr. 22:9). A tradução desse nome é “pacífico”. Jeová profetizou que Salomão teria paz e repouso, mas Salomão nunca teve paz. O próprio Jeová levantou adversários a Israel e a Salomão. O primeiro foi Hadade, o edomeu  (1 Rs. 11:14-22). O segundo foi Rezom, que foi inimigo de Israel por todos os dias de Salomão (1 Rs. 11:23-25). Jeroboão foi o terceiro (1 Rs. 11:26). Jeremias revela o plano secreto de Jeová para destruir Israel — “Fez Jeová o que intentou; cumpriu a sua palavra que ordenou desde os dias da antiguidade; derrubou e não se apiedou; fez que o inimigo se alegrasse por tua causa, exaltou o poder dos teus adversários” (Lm. 2:17).   

 

Autoria: Pr. Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta