(054) – DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS

      Jeová proibiu diversas vezes que seu povo usasse dois pesos e duas medidas. “Na tua bolsa não terás diversos pesos, um grande e um pequeno. Na tua casa não terás duas sortes de efa, uma grande e uma pequena. Peso inteiro e justo terás; efa inteira e justa terás; para que se prolonguem os teus dias na terra que te dará Jeová teu deus” (Dt.25:13-15). “Balança enganosa é abominação para Jeová; mas o peso justo é o seu prazer” (Pv.11:1). “Duas espécies de peso, e duas espécies de medida, são abominação para Jeová, tanto uma coisa como outra” (Pv.20:10, 23).

Jeová foi exigente com o seu povo. “Ouvi agora isto, vós, chefes da casa de Jacó, e vós, maiorais  da casa de Israel, que abominais o juízo e perverteis tudo o que é direito, edificando a Sião com sangue, e a Jerusalém com injustiça. Os seus chefes dão as sentenças por presentes, e os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam em Jeová, dizendo: Não está Jeová no meio de nós?” (Mq.3: 9-11)“Ouvi agora isto, vós que anelais o abatimento do necessitado, e destruis os miseráveis da terra, dizendo: Quando passará a lua nova, para vendermos o grão? E o sábado para abrirmos os celeiros de trigo, diminuindo a efa, e aumentando o siclo, e procedendo dolosamente com balanças enganadoras, para comprarmos o pobre por dinheiro, e os necessitados por um par de sapatos? e depois venderemos a casca do trigo, Jurou Jeová pela glória de Jacó: Eu não me esquecerei de todas as suas obras para sempre!” (Am.8:4-7).

É assombroso que Jeová cobre a integridade de caráter do seu povo quando ele, que se declara deus justo, use dois pesos e duas medidas. Moisés definiu o caráter de Jeová com as seguintes palavras: “Ele é a rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos juízo são. Jeová é a verdade, e não há nele injustiça, justo e reto é” (Dt.32:4). “O tempo e a sorte pertencem a todos” (Ec.9:11).

“O rico e o pobre se encontraram; a todos os fez Jeová” (Pv.22:2). Se o tempo e a sorte pertencem a todos, porque Jeová fez um rico e outro pobre? Usou duas medidas diferentes a dois homens iguais. Falando de riqueza, leiamos mais dois versos: “Quanto ao homem, a quem Deus deu riquezas e fazenda, e lhe deu poder para delas comer, e tomar a sua porção, e gozar do seu trabalho; isto é dom de deus” (Ec.5:19)“Um homem a quem deus deu riquezas, fazenda e honra, e nada lhe falta de tudo quanto a sua alma deseja, mas Deus não lhe dá poder para daí comer, antes o estranho lho come; também isto é vaidade e má enfermidade” (Ec.6:2). Jeová usou dois pesos e duas medidas para com estes ricos.

Um caso flagrante em que Jeová usa dois pesos e duas medidas é o de Salomão. Leiamos o mandamento de Jeová em primeiro lugar: “Não oprimirás o teu próximo, nem o roubarás” (Lv.19:13). Pois bem, as riquezas de Salomão foram arrancadas da pele do pobre povo. E eram 666 talentos de ouro. Quando Salomão morreu, o povo, cansado de ser oprimido e saqueado por Salomão, suplica ao novo rei, filho de Salomão, que aliviasse a dura servidão de impostos: “Teu pai agravou o nosso jugo; agora, pois, alivia a dura servidão de teu pai, e o seu pesado jugo que nos impôs, e nós te serviremos” (1 Rs.12:4). É estarrecedor! Jeová proíbe oprimir e roubar o pobre, mas ensinou Salomão esse método abominável (1 Rs.3:13).

Falando de Salomão, falemos de idolatria. Na lei, Jeová ordena apedrejar até a morte a pessoa que incita o irmão a servir outros deuses. A recomendação de Jeová é para não ter piedade do tal (Dt.13:6-11). Pois bem: Maior idólatra do que Salomão não existiu, mas não foi apedrejado, por amor a Davi. Francamente! Jeová usa dois pesos e duas medidas (1 Rs.11:1-12).

Falemos de adultério. “O homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera” (Lv. 20:10). Davi, o ungido de Jeová, foi tomado de paixão carnal por Bate-Seba, mulher de Urias, o heteu, um de seus trinta valentes. Mandou buscá-la e praticou adultério. Ela engravidou e Davi mandou matar a Urias. Crime hediondo. Pois é de pasmar. Jeová perdoou, pois Davi era seu predileto (2 Sm.11:1-17; 2 Sm.12:13). Como pode um Deus fazer isso? E depois castiga o povo que segue a sua escola?

Vamos registrar o pior caso, que  desclassifica Jeová como Deus. Paulo, o apóstolo, declara pelo Espírito Santo: “PORQUE TODOS PECARAM E DESTITUÍDOS ESTÃO DA GLÓRIA DE DEUS” (Rm.3:23). Todos, são todos: assírios, caldeus, persas, gregos, romanos, hebreus; todos são iguais e debaixo da mesma condenação desde Adão. “Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação” (Rm.5:18). Ora, se todos estão condenados e todos são pecadores (Rm.5:12), é absurdo que Jeová tenha escolhido Israel e rejeitado o Egito. E ainda declara que fez distinção entre os dois povos. “É para que saibais que Jeová fez diferença entre os egípcios e os israelitas” (Ex.11:7). O cúmulo dos dois pesos e duas medidas é que Jeová predestina uns para a perdição e outros para a glória (Rm.9:21-24).

O Deus Pai de Jesus Cristo é diferente. Quer que todos se salvem (1 Tm.2:3-4). Ordenou a graça trazendo salvação a todos os homens (Tt.2:11). Reconciliou todos consigo (2 Co.5:19). Ama a todos, inclusive os pecadores e inimigos (Rm.5:8-10).

O apóstolo João assim testifica do Pai: “E a vida eterna é esta; que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (Jo. 17:3).

 

Autoria: Pr. Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta