(375) – O ANJO DE JEOVÁ

O ANJO DE JEOVÁ

Estou, neste momento, lendo o livro TEOLOGIA ELEMENTAR, editado pela IMPRENSA BATISTA REGULAR, escrito por EMERY H. BANCROFT, traduzida para o português, edição de 1966. Nas páginas 27 e 28 temos uma explicação teológica sobre o Anjo de Jeová. Vamos descrever na íntegra a explicação, que começa assim: ‘O que é espírito é capaz de manifestar-se em forma visível, pois João testemunhou, dizendo: “Vi o Espírito descer do céu como uma pomba, e descer sobre ele” (Jo.1:32). E também em At. 2:1-4, o Espírito se manifestou em línguas de fogo, que pousaram sobre eles’.

O registro bíblico mostra que Deus se tem manifestado em forma visível. Neste caso Paulo mentiu quando afirmou que Deus nunca foi visto pelo homem em I Tm. 6:16, e João, o apóstolo, também mentiu em Jo. 1:18 e I Jo. 4:12, pois se foi visto numa teofania, ou numa pomba, ou num anjo, foi literalmente visto, e assim eles mentiram. Continuemos a leitura do livro de teologia:

‘O anjo de Jeová’, no Antigo Testamento, é uma manifestação da divindade. Clara distinção é traçada na Bíblia entre ‘um anjo de Jeová’, e ‘o anjo de Jeová’. Essa distinção, contudo, só é preservada em certas versões.

Notemos alguns exemplos nos quais ‘o anjo de Jeová’ é declarado manifestação da divindade:

1. Na experiência de Agar e Ismael (Gn. 16:7-13), ‘o anjo de Jeová’, no versículo 10, é claramente identificado no versículo 13 como Jeová. Mais a frente, no capítulo 21, quando Abraão despediu para sempre Agar com o menino, o texto bíblico diz: “E ouviu Deus a voz do menino, e bradou o Anjo de Deus a Agar, desde os céus, e disse-lhe: Que Tens Agar? não temas, porque Deus ouviu a voz do menino desde o lugar onde está. Ergue-te, levanta o moço, e pega-lhe pela mão, porque dele farei uma grande nação” (Gn. 21:17-18). Nestes versículos, também, Deus se manifesta como ‘o anjo de Jeová’. No episódio em que Abraão, tentado por Jeová, oferece seu filho Isaque para ser morto num altar: “Mas o Anjo de Jeová lhe bradou desde os céus, e disse: Abraão, Abraão! E ele disse: Eis-me aqui. Então disse: Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada; porquanto agora sei que teme a Deus e não me negaste o teu filho, o teu único” (Gn. 22:11-12).

2. No livro de juizes lemos: “E subiu o anjo de Jeová de Gilgal a Boquim, e disse: Do Egito vos fiz subir, e vos trouxe à terra que a vossos pais tinha jurado, e disse: Nunca invalidarei o meu concerto convosco. E, quanto a vós, não fareis concerto com os moradores desta terra, antes derrubareis os seus altares; mas vós não obedecestes a minha voz. Porque fizestes isto?” (Jz. 2:1-2). Aqui o anjo de Jeová diz distintamente: Eu fiz o que Jeová fez.

Pergunta-se: Qual das três pessoas da trindade se manifesta como o anjo de Jeová? Resposta: O anjo de Jeová é, claramente, no Velho Testamento, uma manifestação da divindade, e é identificado com a segunda pessoa da trindade, o Senhor Jesus Cristo. O anjo de Jeová era o Deus Filho antes da encarnação definitiva. Quando o anjo de Jeová apareceu para Manoá, pai de Sansão, disse-lhe Manoá: “Qual é o teu nome? O anjo respondeu: Meu nome é maravilhoso” (Jz. 13:18). E em Is. 9:6, lemos que é um dos nomes de Jesus.

Isto é o que está escrito na página 28 do livro “TEOLOGIA ELEMENTAR”, já mencionado acima, para provar que uma teofania, isto é, Cristo, que só nasceria 1.600 anos mais tarde, foi visto espiritualmente no anjo de Jeová, que não é outra pessoa senão Jeová (Gn. 22:15-16; Ex. 3:2-4).

Teologicamente, o livro explica que há grande diferença entre ‘um anjo’, e ‘o anjo’ de Jeová. Um anjo é um mensageiro de Deus, e o anjo é Jesus antes da encarnação. Analisemos biblicamente esta afirmação teológica. No livro de I Cr. 21:15, lemos: “E Jeová mandou UM ANJO a Jerusalém para a destruir; e, ao destruí-la ele, Jeová o viu, e se arrependeu daquele mal, e disse ao anjo destruidor: Basta; agora retira a tua mão. E O ANJO DE JEOVÁ estava junto à eira de Ornã, jebuseu. E, levantando Davi os seus olhos, viu O ANJO DE JEOVÁ; que estava entre a terra e o céu, com a espada desembainhada na sua mão estendida contra Jerusalém” (I Cr. 21:15-16). Vemos que, pelas Escrituras, UM ANJO, e, O ANJO de Jeová são a mesma coisa. Erra a teologia.

1. Em Ex. 23:20-21, lemos que o anjo de Jeová mata e não perdoa. Isto está em flagrante contradição com o Novo Testamento, que diz: “E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado, mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado” (Mt. 12:32). Logo, o anjo de Jeová não é Jesus Cristo. Errou a teologia.

2. O anjo de Jeová muda a promessa que faz: “Enviarei um anjo diante de ti, e lançarei fora os cananeus, e os amorreus, e os heteus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuzeus” (Ex. 33:2). A promessa é repetida emEx. 34:11. E no livro de juizes, o anjo diz que não lançará mais as nações. E diz isso por vingança (Jz. 2:1-3). Jesus age de outra forma: Quando um servo ou discípulo peca, ele intercede junto ao Pai (I Jo. 2:1). Jesus veio a este mundo para salvar, e não para condenar (Jo. 3:16-17).

3. O anjo de Jeová persegue o pecador (Sl. 35:4-6). Jesus, o bom pastor, vai em busca do perdido (Lc. 15:4-7). O anjo de Jeová nada tem a ver com Jesus.

4. O anjo de Jeová amaldiçoa: “Amaldiçoai a Meroz, diz o anjo de Jeová; acremente amaldiçoai aos seus moradores, porque não vieram em socorro de Jeová, em socorro de Jeová com os seus valorosos” (Jz. 5:23).Mas Jesus, com sua morte nos resgatou de todas as maldições (Gl. 3:13). E Paulo recomenda aos cristãos dizendo: “Abençoai aos que vos perseguem, abençoai e não amaldiçoeis” (Rm. 12:14). Se um cristão não amaldiçoa um perdido, porque precisa de salvação, por que o anjo de Jeová amaldiçoa? Porque não ama. E tem mais: O texto diz que Jeová necessitava o socorro dos homens de Meroz, e Paulo declara que Deus não precisa as ajuda dos homens (At. 17:24-25).

5. O anjo de Jeová se transforma em Satanás. Quando Balaão foi encontrar-se com Balaque, rei dos moabitas, com ordem de Jeová (Nm. 22:18-21), Balaão se foi, mas a ira de Jeová se acendeu, e “O ANJO DE JEOVÁ PÔS-SE-LHE NO CAMINHO POR SATANÁS” (Nm. 22:22). Na Bíblia está ‘adversário’, mas no hebraico está SHATÃ, isto é, Satanás. No verso 32 o anjo diz a Balaão: “E vim para ser teu Satanás”. E Jesus veio a este mundo para destruir as obras de Satanás (I Jo. 3:8).

6. No livro dos Salmos está escrito: “O anjo de Jeová acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra” (Sl. 34:7). Uzá temia a Jeová, e foi morto (II Sm. 6:6-7). O rei Josias, desde os oito anos de idade reinou, e temeu a Jeová, e andou nos seus caminhos, e purificou Jerusalém, e serviu a Jeová com todo o coração, mas o anjo de Jeová não o livrou das mãos do Faraó Neco que o matou (II Rs. 22:1-2; II Cr. 34:8). Josias celebrou a maior páscoa da história de Israel (II Cr. 35:18). Nunca antes, nem depois, algum rei de Israel se converteu a Jeová de todo o coração, como Josias (II Rs. 23:25). Pois o anjo de Jeová não se acampou ao redor dele para preservar a sua vida das mãos de Faraó Neco, que o matou (II Rs. 23:29).

Jesus, em contrario, salva os pecadores e perdidos. Salvou uma meretriz em Lc. 7:36-48. Salvou um ladrão, que estava crucificado com ele (Lc. 23:39-43). Jesus definitivamente não é o anjo de Jeová, mas é o Filho Unigênito do Pai, que desceu a este abismo para revelar o verdadeiro Deus, que é pai, que é amor, que quer salvar a todos.

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta