(399) – ACEPÇÃO DE PESSOAS – I

ACEPÇÃO DE PESSOAS 1

Que vem a ser acepção de pessoas? É dar a iguais tratamento desigual. Damos um exemplo chocante. A Bíblia é a palavra de Deus, e por isso é considerada ‘ESCRITURA SAGRADA’. E por que SAGRADA? Por que foi inspirada por Deus, isto é, o autor é Deus, usando os profetas. O apóstolo Pedro diz: “Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo” (II Pd. 1:21). Nas Escrituras Sagradas, lemos o seguinte sobre os homens: “Deus olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus. Desviaram-se todos, e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não há sequer um” (Sl. 53:2-3). No Novo Testamento lemos: “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (Rm. 5:12). E Paulo diz mais: “Porque todos pecaram e destituídos foram da glória de Deus” (Rm. 3:23).

A pergunta é: Se a partir de Adão todos são pecadores condenados à morte; se Deus procurou um homem que tivesse entendimento para buscá-lo, e não encontrou nenhum; se, portanto todos estão destituídos da glória de Deus porque são pecadores, porque Jeová tratou os egípcios como malditos, e a descendência de Jacó como benditos, se os dois povos eram iguais em essência? Jeová fez acepção de pessoas! Mas no livro da lei de Jeová está escrito: “Pois Jeová vosso Deus e o Deus dos deuses, e Senhor dos Senhores, o Deus grande, poderoso e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas” (Dt. 10:17). É difícil engolir! Como Jeová, que se autodenomina único deus, cometeu uma gafe dessas? Mas, poderia ser obra do acaso! Vejamos: Jeová escolheu, como filhos, a descendência de Jacó, e rejeitou outras raças. Mas como pôde tratar os outros como inimigos, se os seus eram piores? É de espantar! O tempo passou e Jeová chamou seus dois reinos de Sodoma e Gomorra (Is. 1:9-11).

Vejamos como o espírito de Jeová era espírito de acepção de pessoas:

1. Jeová mandou Moisés dizer a Faraó: Assim diz o deus dos hebreus: Deixa ir o meu povo para que me sirva. Se não deixares ir o meu povo, enviarei uma peste que mate todo o gado do campo, e todos os cavalos, e todos os jumentos, e também todos os camelos. E Jeová fará separação entre o gado dos egípcios e o gado dos israelitas, para que não morra nenhum do gado dos filhos de Israel (Ex. 9:1-6).Ficou configurada a acepção de pessoas e de animais. É preciso lembrar, que Faraó não deixou o povo ir livre porque Jeová endureceu o seu coração (Ex. 8:32).

2. Para amolecer o coração de Faraó, Jeová disse a Moisés: Estende a tua vara para os céus, e haverá saraiva em toda a terra do Egito, sobre os homens e sobre o gado, e sobre toda a erva do campo. E Moisés estendeu a sua vara para o céu, e Jeová mandou trovões e saraiva, e fogo corria pela terra, e destruía tudo o que havia no campo, desde os homens até os animais, e feriu a erva do campo, e quebrou todas as árvores do campo. Somente na terra de Gosen, onde estavam os filhos de Israel, não havia saraiva (Ex. 9:22-26). Mais uma vez fica configurado o espírito de acepção de Jeová. A saraiva foi tão violenta que Faraó mandou chamar Moisés disposto a entregar os pontos. Quando acalmou a tempestade, Jeová endureceu novamente o coração de Faraó (Ex. 9:27-28, 34).

3. Novamente Jeová envia a Moisés e Arão diante de Faraó, dizendo: “Assim diz Jeová, o Deus dos hebreus: Até quando recusas humilhar-te diante de mim? deixa ir o meu povo para que me sirva” (Ex. 10:3).Há uma incoerência em Jeová: Exige que Faraó deixe o povo ir, mas está sempre endurecendo o seu coração para que não os deixe sair. O que é que Jeová queria? Suspense? Porque endurecia o coração de Faraó e dos egípcios? Os fatos e acontecimentos não foram reais, mas provocados, e neste caso a história do Êxodo deixa de ser história para ser comédia, ou melhor, tragicomédia, pois tudo era feito por Jeová e não pelos homens, mas as mortes eram reais, mortes de inocentes. Jeová enviou uma nuvem de gafanhoto sobre toda a terra do Egito. O céu se enegreceu, e os gafanhotos devoraram toda a erva, e não ficou verdura alguma, nem fruto nas árvores. Faraó se humilha perante Moisés e pede perdão (Ex. 10:14-17). Jeová novamente endurece o coração de Faraó (Ex. 10:20). Na terra de Gosen nenhum gafanhoto apareceu.

4. Moisés, então, em obediência à ordem de Jeová, estendeu a mão para o céu, e houve trevas espessas em toda terra do Egito por três dias. Um não viu ao outro, e ninguém se levantou do seu lugar por três dias; mas todos os filhos de Israel tinham luz em suas habitações. Faraó chama Moisés, pois havia decidido se livrar dos israelitas. Jeová novamente endureceu o coração de Faraó, que desta vez ameaça a Moisés, dizendo: Se você voltar a ver a minha face, morre (Ex. 10:21-28). A leitura dos textos é cansativa, pois as pragas são diferentes, mas a história é sempre a mesma. Faraó querendo liberar os israelitas, e Jeová endurecendo o seu coração para reter o povo em escravidão.

5. Se o objetivo principal de Jeová fosse a libertação do povo, não havia a necessidade de endurecer o coração de Faraó. O objetivo principal era tornar notório o espetáculo para promover-se como deus aos olhos das nações. A prova está no livro de Josué, capítulo dois. Raabe, a meretriz fala aos espias de Israel em Jericó, dizendo: “Bem sei que Jeová vos deu esta terra, e que o pavor de vós caiu sobre nós, e que todos os moradores da terra estão desmaiados diante de vós. Porque ouvimos que Jeová secou as águas do Mar Vermelho diante de vós, quando saíeis do Egito, e o que fizestes aos dois reis dos amorreus, a Siom, e a Ogue, aos quais destruístes” (Js. 2:9-11). Estamos desmaiados de pavor.

Elegendo Abraão e sua descendência e rejeitando as nações da terra de Canaã, através das guerras e matanças, Jeová se promoveu como deus. A acepção foi a arma e o esquema para se fazer conhecido.

Ao anunciar a ultima praga, que foi a morte dos primogênitos, Jeová então revela o seu projeto principal, dizendo: Eu matarei todos os primogênitos da Egito, e haverá grande clamor em toda a terra do Egito, qual nunca houve semelhante e nunca haverá, para que saibais que Jeová fez diferença entre os egípcios e os israelitas (Ex. 11:5-7).

Mas Deus, o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo é Deus de todos, israelitas e gentios (Rm. 3:29). E Deus, o Pai, quer que todos se salvem (I Tm. 2:3-4).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta