(384) – O REI DOS INFERNOS

O REI DOS INFERNOS

Na Grécia antiga, o monte Olimpo, com 2.885 metros, era a morada dos deuses. Júpiter ou Zeus era o soberano dos deuses do céu, que, segundo a fábula, matou seu próprio pai Saturno, e tomou o seu lugar. Marte, filho de Júpiter e Juno, era o deus da guerra. Mercúrio, seu irmão, era o mensageiro dos deuses, e o deus da eloqüência. Vulcano, também da família de Júpiter, era o deus do fogo e dos metais. Na Grécia, o deus do vinho e da alegria chamava-se Dionísio, correspondendo a Baco em Roma. Nemesis era a deusa da vingança. Plutão, irmão de Júpiter e filho de Saturno, era o deus dos infernos, com sua mulher Proserpina.

Será Plutão o deus dos infernos? Vejamos o que a Bíblia fala sobre o inferno. Na carta aos Hebreus lemos: “E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão” (Hb. 2:14-15). Se o império da morte é do diabo, ele é o rei dos infernos, e não Plutão. Diabo, Satanás, e Dragão são três nomes do mesmo personagem (Ap. 12:9). O próprio Satanás se declara dono de todos os reinos deste mundo, e com poderes para dar a quem quiser (Lc. 4:5-6).

Jesus declara que o reino de Satanás é este mundo, da seguinte maneira: “Trouxeram-lhe um endemoninhado cego e mudo; e, de tal modo o curou, que o cego e mudo falava e via. E toda a multidão se admirava e dizia: Não é este o Filho de Davi? Mas os farizeus ouvindo isto, diziam: Este não expulsa os demônios, senão por Belzebu, príncipe dos demônios. Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá. E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá o seu reino”? (Mt. 12:22-26).

Vamos localizar pela Bíblia, onde é o inferno, pois a Bíblia é a Palavra de Deus, de Gênesis a Apocalipse, e a Palavra de Deus é a verdade (Jo. 17:17; 8:32). A Bíblia revela que este mundo onde vivemos, é o abismo: “AINDA ELE NÃO TINHA FEITO A TERRA, NEM OS CAMPOS, NEM SEQUER O PRINCÍPIO DO PÓ DO MUNDO. QUANDO ELE PREPARAVA OS CÉUS, AÍ ESTAVA EU; QUANDO COMPASSAVA AO REDOR A FACE DO ABISMO” (Pv. 8:26-27). “LANÇOU OS FUNDAMENTOS DA TERRA, PARA QUE NÃO VACILE EM TEMPO ALGUM. TU A COBRES COM O ABISMO, COMO COM UM VESTIDO; AS ÁGUAS ESTAVAM SOBRE OS MONTES” (Sl. 104:5-6).

Paulo revela mais coisas sobre o abismo, dizendo: “Quem descerá ao abismo? (isto é, a tornar a trazer dentre os mortos a Cristo?)” (Rm. 10:7). Quando Cristo desceu do céu, mergulhou no abismo, isto é, a morada dos mortos. Este mundo é uma imensa sepultura esférica. O apóstolo João revela que a terra, isto é, o abismo, é a prisão de Satanás: “E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do poço do abismo, e uma enorme cadeia na mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. E lançou-o no abismo, e ali o encerrou” (Ap. 20:1-3). Daqui concluímos que o diabo não é o rei deste mundo, nem do abismo, mas condenado ao abismo com os homens. A terra, isto é, o abismo, é habitado por demônios, que também estão presos como Satanás.

O profeta Isaías fez ainda outra revelação mais tenebrosa sobre o abismo, isto é, a terra onde vivemos: “Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! como foste lançada por terra, tu que debilitava as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, das bandas dos lados do norte. Subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo” (Is. 14:12-15).

São Pedro diz: “Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo” (II Pd. 2:4). Sendo pois, a terra onde vivemos, o abismo, a morada dos mortos, a prisão de Satanás, o inferno onde estão também os anjos caídos, é também o lugar de condenação eterna para os perversos, os assassinos, os pederastas, os estupradores das pobres e inocentes crianças, os ladrões, e os crentes carnais e mundanos, etc. e etc., não é lugar para os santos.

O que me admira, é que os cristãos, que deveriam fugir deste mundo tenebroso e cheio de demônios, como faziam os primeiros crentes, são apegados ao abismo. Na carta aos hebreus lemos:“Muitos experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados. (Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra” (Hb. 11:36-38). Houve outros que depois de ressuscitados, e não aceitando voltar a este abismo, foram torturados; pois escolheram morrer para alcançar a ressurreição eterna em Cristo (Hb. 11:35). Como dizíamos, os crentes, ao contrário da igreja primitiva, buscam com todo fervor as honras deste mundo, e suas riquezas, e sua glória. Chegam a exigir de Jeová as riquezas, pois Jeová é o deus do ouro e da prata (Ag. 2:8). E Jeová declara que dá riquezas (Pv. 10:22). Parece que os cristãos de hoje querem fazer concerto com o inferno, e fixar residência no abismo.

Outra coisa que nos admira é ler nos salmos: “Levanta-te, Jeová, julga a terra, porque te pertencem todas as nações” (Sl. 82:8). “De Jeová é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam” (Sl. 24:1). Mas este mundo é habitado pelos anjos caídos, pelos demônios, por Satanás, e também pelos homens. Fantástico! É de admirar que Jeová tenha estabelecido o seu reino aqui na terra, isto é, no abismo, ou melhor, no inferno. No Sinai ele falou dizendo: “Vós me sereis reino sacerdotal” (Ex. 19:6). E Moisés declarou: “Jeová reinará eterna e perpetuamente, no santuário, no lugar que as tuas mãos prepararam” (Ex. 15:17-18). Jeová se mudou do céu para o inferno. E Jeová é que lança as pessoas e reinos no inferno (Ez. 31:15-18). E Jeová destrói e mata seu povo com furor do inferno (Dt. 32:22-25).

Mas há um escape em Jesus Cristo: “Dando graças ao Pai, que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz. O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Cl. 1:12-13).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta