(443) – EMANUEL

EMANUEL

 

Jesus disse aos discípulos: “Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto” (Jo. 14:7).

“Disse-lhe Felipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta” (Jo. 14:8).

“Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Felipe? quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras” (Jo. 14:9-10).

Já que Deus, o Pai, é quem falava em Cristo, e que fazia as obras, usemos de ousadia, tirando a palavra Jesus Cristo e colocando a palavra Pai.

  1.  O Pai disse: “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas” (Mt. 11:29).
  2. O Pai é tão humilde, que ao habitar entre os homens pela carne de Cristo (Jo. 1:14), escolheu nascer numa estrebaria, e não num palácio e em berço de ouro (Lc. 2:6-7).
  3. O Pai é tão humilde e desprovido de vaidade, que percorria as cidades com vestimenta de carpinteiro e dos andarilhos que visitavam Jerusalém. “E aconteceu que, completando-se os dias para a sua assunção, manifestou o firme propósito de ir até Jerusalém. E mandou mensageiros diante de sua face; e, indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos, para lhe prepararem pousada, mas não o receberam, porque o seu aspecto era como de quem ia a Jerusalém. E os seus discípulos Tiago e João, disseram: Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu, e os consuma, como Elias também fez? Voltando-se porém, repreendeu-os, e disse: Vós não sabeis de que espírito sois? Porque Deus, o Pai, não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las” (Lc. 9:51-56).
  4.  Se Deus estava em Cristo, por que Cristo era desfigurado? Isaías disse: “Como pasmaram muitos à vista dele, pois o seu parecer estava tão desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua figura mais do que a dos outros filhos dos homens” (Is. 52:14). A explicação está na carne. No evangelho de João lemos: “E o verbo se fez carne, e habitou entre nós” (Jo. 1:14). É que a carne é pecado, e o germe do pecado é tão forte que tornou enferma a lei (Rm. 8:3). A lei de Jeová, enferma pela carne, opera na carne as paixões pecaminosas que levam à morte (Rm. 7:5). Pedro diz: “Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia do juízo, para serem castigados; mas principalmente aqueles que segundo a carne andam em concupiscências de imundícias, e desprezam as dominações; atrevidos, obstinados, não receando blasfemar das dignidades” (II Pd. 2:9-10). E Pedro diz mais: “Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais que combatem contra a alma” (I Pd. 2:11). A carne é tão podre que os discípulos de Jesus aborreciam a roupa manchada de carne (Jd. 23). Os deleites carnais são tão venenosos que matam; o único remédio capaz de anular o veneno da concupiscência carnal é o Espírito Santo, em doses diárias (Rm. 8:13). É por isso que Paulo diz: “A inclinação da carne é morte, mas a inclinação do Espírito é vida e paz” (Rm. 8:6). E Paulo conclui, dizendo: “A carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herda a incorrupção” (I Co. 15:50).
  5. Pois o verbo se fez carne e habitou entre nós (Jo. 1:14). A aparência desfigurada de Jesus era a radiografia da carne, que Paulo, cheio do Espírito Santo descreveu em Gl. 5:19-21.
  6. Na pessoa de Jesus, O VERBO, isto é, Deus, se fez carne, ou melhor, se vestiu da nossa roupagem podre e contaminada para nos salvar, arrancando-nos da carne pelo novo nascimento (Jo. 3:3-6).
  7. Paulo disse: “Já estou crucificado com Cristo, e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim” (Gl. 2:20).O velho Saulo, perseguidor da Igreja, não existia mais. Morreu na cruz. O que ressuscitou agora era Cristo. O verbo se fez carne em Paulo. Por isso Paulo teve a revelação dos mistérios ocultos em Deus(Ef. 3:1-5).

Da mesma maneira, Deus estava em Cristo, pois disse a Felipe: “Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim?” (Jo. 14:10). Neste mesmo verso Jesus diz: “O Pai, que está em mim, é quem faz as obras”. Isto é, o que quer dizer “EMANUEL”, que traduzido é: ‘Deus conosco’.

Paulo declarou na primeira epistola a Timóteo: “Aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver: ao qual seja a honra e poder sempiterno. Amém” (I Tm. 6:16). Na mesma epístola, o grande apóstolo disse: “Ora ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus seja honra e glória para todo o sempre. Amém” (I Tm. 1:17). E disse mais: “Cristo é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação” (Cl. 1:15). Isto quer dizer que Deus só pode ser visto em Jesus Cristo, por isto disse: “Quem me vê a mim vê o Pai” (Jo. 14:9). Em Cristo Deus é EMANUEL – DEUS CONOSCO.

Deus conosco não é só salvação, mas união total. Quando Cristo está conosco, Deus está conosco; Quando Cristo habita em nós, Deus habita em nós; quando o amor de Deus está em nós, Deus está em nós. Quando o Espírito Santo de Deus está em nós, Deus, o Pai, está em nós (Ef. 2:20-22). João declara:“Ninguém jamais viu a Deus; se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeita a sua caridade” (I Jo. 4:12). EMANUEL!

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta