(226) – PARADOXOS – III

PARADOXOS III

 

Reino de paz e o de guerra, da luz e das trevas.

Jeová deu a Abraão a terra de Canaã por perpétua possessão, e naquela terra seria o deus da descendência de Abraão (Gn. 17:7-8). Abraão foi levado pelo próprio Jeová à terra prometida (Gn. 12:1-6). Abraão passou a morar em Canaã desde os 75 anos até a sua morte, aos 175 anos (Gn. 25:7). Foram cem anos morando em Canaã. Isaque, seu filho, nasceu quando Abraão tinha cem anos (Gn. 21:5). Isaque, seu filho, casou quando Abraão estava com 140 anos e vivendo a 54 anos na terra que Jeová lhe prometeu (Gn. 25:20). Para casar seu filho Isaque, Abraão mandou buscar uma mulher em Harã, dizendo a seu servo: “Põe tua mão debaixo da minha coxa, e jura por Jeová, deus dos céus e da terra, que não tomarás para meu filho mulher das filhas dos cananeus no meio dos quais eu habito, mas irás à minha terra e a minha parentela, e daí tomarás mulher para meu filho Isaque” (Gn. 24:1-4). Nesta declaração Abraão afirmou que a sua terra não era Canaã, que Jeová lhe dera por concerto perpétuo(Gn. 15:18). Na carta aos hebreus, ficamos sabendo porque Abraão não aceitou a dádiva de Jeová. Leiamos o texto: “Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que haveria de receber por herança; e saiu sem saber para onde ia. Pela fé habitou na terra da promessa, como em terra alheia, morando em cabanas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa, porque esperava a cidade que tem fundamentos, da qual o artífice e construtor é Deus” (Hb. 11:8-10). A verdade é que Jeová nunca prometeu à Abraão a cidade celestial, construída pelo próprio Deus. E Abraão com seus filhos não aceitaram a terra de Canaã. No mesmo capítulo da carta aos hebreus, continua: “Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de longe, e crendo-as, e abraçando-as, confessaram que eram peregrinos e forasteiros na terra. Porque, os que isto dizem, claramente mostram que buscam uma pátria. E se, na verdade, se lembrassem daquela donde haviam saído, teriam oportunidade de voltar. Mas agora desejam uma melhor, isto é, a celestial” (Hb. 11:13-16). Este texto da carta aos hebreus prova que Abraão não creu na promessa terrena de Jeová, e por isso é chamado o pai da fé em Gl. 3:7-9. Fica também provado que a promessa de Jeová não é a mesma de Jesus, nem foi figura. Os cristãos têm misturado as duas promessas, gerando confusão teológica. Para abrir os olhos aos que os têm, vamos registrar algumas contradições paradoxais entre o reino terreno de Jeová e o reino celestial de Jesus:

  1. Paulo nos diz: “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Rm. 14:17). Se o reino de Deus é um reino de paz e alegria, por que o reino estabelecido por Jeová no Velho Testamento era de guerra?  Pela boca de Jeremias, Jeová declarou a respeito de Israel: “Tu és meu martelo e minhas armas de guerra, e contigo despedaçarei nações e contigo destruirei reis. Contigo despedaçarei o cavalo e o seu cavaleiro, e contigo despedaçarei o carro e o que vai nele. Contigo despedaçarei o homem e a mulher: e contigo despedaçarei o velho e o moço; e contigo despedaçarei o mancebo e a virgem” (Jr. 51:20-23). 
  2. O Deus revelado em Jesus Cristo é o Deus da paz, e como Deus da paz, Jesus evangelizou a paz da parte de Deus (Ef. 2:17-18). O seu reino é o reino da paz (Rm. 14:17). Para evitar que o pecador não consiga se santificar, o Deus da paz os santifica (I Ts. 5:23). É por isso que a paz de Deus guarda nossos corações e nossos sentimentos (Fl. 4:7). E também por isso, a saudação cristã era:“Graça e paz de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo” (Rm. 1:7; I Co. 1:2; Gl. 1:3; Ef. 1:2). Se o Deus Pai de Jesus é só de paz, por que Jeová é o deus da guerra? (Ex. 15:3). E seu nome é Jeová dos exércitos (I Sm. 17:45). O nome de Jeová é Senhor dos exércitos (Is. 47:4; 48:2; 51:25; 54:5).
  3. Se o império de Satanás é o império da morte, isto é, Satã reina sobre os mortos e não sobre os vivos (Hb. 2:14), por  que Jeová era rei sobre os homens no Velho Testamento, já que todos estavam mortos, e formavam o império de Satanás? (Rm. 5:17; Mt. 8:21-22; Jo. 5:24-25).
  4. Se o império da morte é de Satanás, como vimos acima, e Jesus Cristo estabeleceu o reino dos vivos, e por isso arranca os homens da morte—(Jo. 5:24-25)“Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo” (Rm. 5:17), pelo primeiro Adão começou o reino da morte, e pelo último Adão começou o reino da vida (I Co. 15:45)—Jeová, se fosse o Pai, tiraria os homens da morte para formar o reino de Jesus e do Pai. Mas em contrário, Jeová só matava, e assim fortalecia o império de Satanás. Por que?
  5. Se o império da morte pertence a Satanás, conforme Hb. 2:14, o matador dos homens deveria ser o próprio Satanás. Mas o matador dos homens é sempre Jeová. É paradoxal. Condenou Adão e Eva à morte, e também todos os descendentes.  Paulo diz isso: “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram” (Rm. 5:12). Ao condenar Adão e a descendência, Jeová fundou o império de Satanás. Por que?
  6. Se no reino de Deus Pai não entram pecadores, conforme I Co. 6:10 e Gl. 5:19-21, por que o reino de Jeová é composto de pecadores? “Todos os pecadores do meu povo morrerão a espada” (Am. 9:10).Este texto de Amós nos dá a impressão que havia quem não pecasse, mas não é assim. O próprio Jeová afirma que não há quem não peque. “Na verdade, que não há homem justo sobre a terra, que faça o bem e nunca peque” (Ec. 7:20).
  7. Se Deus é luz (I Jo. 1:5), se Cristo é luz (Jo. 8:12; 12:46), e se o reino de Deus, o Pai, é um reino de luz, e por isso o salvo sai das trevas para a luz, conforme I Pd. 2:9, por que o povo de Jeová, que compunha o seu reino, vivia em trevas? O povo de Israel clamava, dizendo: “O juízo está longe de nós, e a justiça não nos alcança; esperamos pela luz, e eis que só há trevas; pelo resplendor, mas andamos em escuridão. Apalpamos as paredes como cegos; sim, como os que não têm olhos andamos apalpando; tropeçamos ao meio dia como nas trevas, e nos lugares escuros somos como mortos” (Is. 59:9-10).   
  8. Se o reino das trevas é o reino do diabo—pois Paulo recebeu de Jesus a incumbência seguinte:“Para lhes abrires os olhos, e das trevas os converteres a luz, e do poder de Satanás a Deus; afim de que recebam a remissão dos pecados” (At. 26:18)—por que o reino de Jeová andava em trevas? Jeová favorecia o diabo? Jeová cegou o seu povo, e os fez andar em trevas. Jó declara que Jeová pôs trevas no seu caminho (Jó 19:8). Jeremias confessa que Jeová o fez andar em trevas e não na luz (Lm. 3:21; Is. 6:10). Por que?
  9. Se a carne e o sangue não herdam o reino de Deus, nem a corrupção herda a incorrupção, conforme I Co. 15:50, por que Jeová declara que, no novo céu e na nova terra que vai criar,  toda a carne irá adorar perante a sua face? (Is. 66:22-24).
  10. Se no livro do Apocalipse 11:50 lemos que os reinos deste mundo só serão do Pai e de Jesus após o toque da última trombeta, por que os reinos deste mundo eram de Jeová, quem está errado, o Velho Testamento ou o Novo? “Por que o reino é de Jeová, e ele governa as nações?” (Sl. 22:28). “Jeová reina sobre as nações. Deus se assenta sobre o trono da sua santidade” (Sl. 47:8). “Dizei entre as nações: Jeová reina” (Sl. 96:10). Satanás falou a Jesus que ele é quem reina neste mundo, e sobre os reinos (Lc. 4:5-8). Quem tem olhos para ver veja.

autoria: PASTOR OLAVO SILVEIRA PEREIRA

Deixe uma resposta