(268) – O AMOR NÃO SUSPEITA MAL

O AMOR NÃO SUSPEITA MAL

     Que é suspeitar mal? É supor o mal sem dar provas. Suspeitar é desconfiar de alguém sem motivo aparente; o que tem olhos maus duvida da fidelidade da esposa fiel. Isso é suspeita. A suspeita não corresponde à verdade sobre um crime. São presos dois suspeitos por terem alguma ligação com o caso, mas depois da acareação descobre-se que não eram culpados. Era apenas suspeita.

As escrituras sagradas registram diversos casos de suspeita de Jeová com relação ao seu povo. Contrariando os escritos do apóstolo Paulo, que falando sobre o amor, diz: “O amor não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal” (I Co. 13:5).

Jeová livrou Israel do cativeiro egípcio, e o levou até o Monte Sinai, onde lhe deu os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra. Deu também estatutos e juízos para reger o povo. Depois disse: “Todos os mandamentos que hoje vos ordeno guardareis para os fazer, para que vivais, e vos multipliqueis, e entreis, e possuais a terra que Jeová jurou a vossos pais. E te lembrarás de todo o caminho, pelo qual Jeová teu deus te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar e tentar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos ou não” (Dt. 8:1-2). Vamos raciocinar um pouco. Jeová estava tentando seu povo para saber se ia guardar os mandamentos ou não? Para saber o que estava no coração? Então Jeová não sabia! Estava suspeitando do povo? Estava supondo que eles iam cair, e para ter provas tentou o povo durante quarenta anos no deserto, fazendo passar fome e sede. Estava forçando uma situação desfavorável por causa de uma suspeita (Dt. 8:3).

Jeová sabia que, se a fome produz o ladrão, produz o infiel também. Salomão, com a sabedoria de Jeová, disse: “Não se injuria o ladrão, quando furta para saciar a sua alma, tendo fome” (Pv. 6:30). O que Jeová esperava? Que o povo, vendo os filhinhos secos, cadavéricos e morrendo de fome e sede por quarenta anos, levantasse as mãos aos céus, dizendo: Jeová misericordioso e amoroso, nossos filhinhos estão mirrados e morrendo todos os dias de inanição. Glória ao teu nome. Manda mais quarenta anos de fome. Como é delicioso morrer de fome e sede. É claro que o povo ia se rebelar e pecar. Em conseqüência Jeová mandava pragas e pestes (Sl. 78:18-31).

Há mais casos das suspeitas de Jeová. Ezequias foi rei de Judá. Reinou vinte e nove anos em Jerusalém, e fez o que era reto aos olhos de Jeová. Este rei fiel tirou os altos, e quebrou as estátuas, e deitou abaixo os bosques; e fez em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera. Diz o texto bíblico que Ezequias confiou em Jeová, de tal modo, que depois dele não houve seu semelhante entre todos os reis de Judá, nem entre os que foram antes dele. Porque se chegou a Jeová, não se apartou de após ele, e guardou os mandamentos que Jeová tinha dado a Moises (II Rs. 18:1-6). O rei da Babilônia ouvira que Ezequias tinha estado doente, e lhe enviou um presente, e uma carta (II Rs. 20:1; 20:12). Ezequias, homem bom e fiel, que confiou em Jeová mais do que Davi, pois o texto declara que antes dele não houve seu igual (II Rs. 18:5-6). Como dissemos, Ezequias, na sua simplicidade, e num gesto de cortesia, levou os embaixadores do rei da Babilônia, à casa do tesouro, e lhes mostrou a prata, e o ouro, e as especiarias, e os seus ungüentos. Não houve coisa que não mostrasse (II Rs. 20:13). Por isso, a mente doentia de Jeová levantou suspeitas sobre a integridade do caráter de Ezequias, e o oprimiu, para sondar o seu coração. O texto diz o seguinte: “Contudo, no negócio dos embaixadores dos príncipes de Babilônia, que foram enviados a ele, a perguntarem acerca do prodígio que se fez naquela terra, Jeová o desamparou, para  tentá-lo, para saber tudo o que havia no seu coração” (II Cr. 32:31). Mas Jeová sabia que Ezequias era fiel, e está escrito que não houve rei em toda a história de Israel que confiasse em Jeová como ele. Jeová sabia que Ezequias era apegado a ele, e suspeitou mal? (II Rs. 18:5-6). Um homem que tem olhos maus, suspeita do melhor amigo, um marido que tem olhos maus, suspeita da esposa mais fiel que existe; e o deus que tem olhos maus suspeita do servo mais fiel e dedicado. O desamparo de Jeová fez tirar tudo de Ezequias. Até os filhos (II Rs. 20:16-18).

Temos um outro caso, nas páginas verdadeiras do Velho Testamento. E é um caso escandaloso de suspeita. “Houve um dia em que os filhos de deus vieram apresentar-se perante Jeová. E Satanás estava entre eles. Jeová disse a Satanás: Donde vens? E Satanás respondeu dizendo: De rodear a terra e passear por ela. Disse Jeová a Satanás: Observaste tu meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem sincero e reto, temente a deus, e desviando-se do mal” (Jó 1:6-8). Satanás suspeitou da retidão de Jó, alegando que sua sinceridade, santidade e perseverança eram falsas; e sugeriu ao deus Jeová que tirasse tudo o que Jó possuía, e assim ele blasfemaria de deus, isto é, Satanás semeou a suspeita no coração de Jeová. Jeová então falou: “Ele está na tua mão e tudo quanto tem; mas contra ele não estenderás a tua mão (Jó 1:9-12). E Satanás queimou a fogo as propriedades de Jó, dizimou os rebanhos e matou os filhos (Jó 1:12-19). Olhe o que uma suspeita maligna fez: Condenou à morte dez inocentes,e tornou Jó paupérrimo. Jeová aceitou a suspeita de Satã. Algum doutor vai explicar que Jeová quis provar para o diabo que Jó era sincero, reto e fiel. Desde quando um ladrão exige do rei que tire os bens do ministro fiel para provar que o ministro vai cair? E Jó depois da monstruosa desgraça aprovada por Jeová se manteve fiel (Jó 1:20-21).

Jeová confessa haver sido tentado pelo diabo sem causa, diante da sublime declaração de Jó. Satã volta a carga exigindo que Jeová tocasse no corpo de Jó na certeza de que ele blasfemaria. Pela segunda vez Jeová foi tentado pelo diabo que disse: “ele está nas suas mãos”. E o Diabo feriu Jó com uma chaga maligna (Jó 2:3-7). E Jó não blasfemou (Jó 2:8-10).

E Eu faço a seguinte pergunta: Pode um ladrão homicida, condenado e preso exigir do rei que lance na prisão o ministro fiel só por que ele suspeita do ministro sem causa? O diabo peca desde o princípio ( I Jo. 3:8). É mentiroso e homicida desde o princípio (I Jo. 8:44).Desde quando Deus dá satisfação a um anjo caído desde o princípio? Que prerrogativas tem o Diabo sobre Jeová  para exigir esses absurdos, e ser atendido? Graças a Deus Jesus repudiou as investidas do Diabo nos quarenta dias de tentação (Lc. 4:1-3). E Jesus veio ao mundo desfazer as obras do Diabo, não para apoiar o que Jeová fazia (I Jo. 3:8). E ainda dizem por aí que Jeová e Jesus são a mesma pessoa!

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta