(089) – A ÁRVORE DA CIÊNCIA

 

“E Jeová Elohim (Elohim = Deuses) fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal” (Gn. 2:9). A palavra ciência ou conhecimento, no hebraico, é DAAT, conhecer sexualmente, ou ter relações sexuais. Jeová Elohim (Jeová Deuses) proibiu Adão de comer do fruto da árvore do conhecimento sexual, pois se comesse morreria (Gn. 2:17). Essa proibição foi feita antes de haver mulher, e assim fica provado que não é lícito ao homem conhecer sexo antes do matrimônio. Para Jeová Elohim, quem pratica sexo fora do casamento morre. No Novo Testamento, também, sexo fora do matrimônio mata (1 Co. 6:10; Mt. 19:10; Ap. 21:8; 22:15; Gl. 5:19-21).

Sendo assim, comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal são duas maneiras de praticar sexo.

1-    O bem é a virgindade juvenil e o mal é a fornicação, pois fornicação é sexo praticado entre solteiros. “Os incrédulos, os abomináveis, os homicidas, e os fornicários, etc., a sua parte será no lago de fogo e enxofre” (Ap. 21:8).

2-    O bem é a continência ou domínio próprio, o mal é a frouxidão de costumes. “Estes são os que causam divisões, sensuais, que não têm o Espírito” (Jd. 19; Gl. 5:22).

3-    O bem é o pudor e o recato; o mal é a falta de vergonha e o deboche amoral e escandaloso. “As mulheres se ataviem com traje honesto, com pudor e modestia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos” (1 Tm. 2:9). No tempo do apóstolo Paulo, as meretrizes usavam tranças.

4-    O bem é o homem dominar a fúria da carne, e o mal é ser escravo das paixões carnais desenfreadas. “Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo espírito mortificardes as obras da carne, vivereis” (Rm. 8:13). Paulo declarou: “Eu subjugo o meu corpo e a reduzo a servidão, para que pregando aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado” (1 Co. 9:27).

5-    O bem é o respeito ao próximo; o mal é a sedução corruptora. “Estes são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias, carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências” (2 Tm. 3:6). “Mas tenho contra ti, que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam” (Ap. 2:20).

6-    O bem é o respeito próprio, e o mal a masturbação e a lascívia. “Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo” (1 Co. 3:16-17).

7-    O bem são os bons costumes; o mal é a corrupção de costumes. “Não vos enganeis; as más conversações corrompem os bons costumes. Vigiai justamente e não pequeis; porque alguns de vós ainda não têm o conhecimento de Deus, digo-o para vergonha vossa” (1 Co. 15:33-34).

8-    O bem são os frutos do Espírito; o mal são as obras da carne. “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, bebedices, glutonarias, homicídios, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e domínio próprio (Gl. 5:19-23).

9-    O bem é o matrimônio santo; o mal o matrimônio imundo. “Venerado seja entre vós o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão a prostituição e aos adúlteros Deus os julgará” (Hb. 13:4).

10-   O bem é a prole; o mal é o aborto criminoso. “E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão. Salvar-se-á, porém, dando a luz filhos, se permanecer com modéstia na fé, na caridade e na santificação” (1 Tm. 2:14-15).

11-   O bem é o matrimônio; o mal é a prostituição e a fornicação. “Bom seria que o homem não tocasse em mulher, mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido” (1 Co. 7:1-2).

12-   O bem são os filhos recebendo instrução no lar; o mal são os bastardos largados na rua. “Disse Jeová a Oséias: Vai, toma uma mulher de prostituição, e filhos de prostituição, porque a terra se prostituiu, desviando-se de Jeová” (Os. 1:2).

13-   O bem é a castidade conjugal, e o mal é o divórcio. Que é castidade? Castidade é pureza. A mulher virgem está em estado de castidade. No matrimônio santo os cônjuges permanecem em estado de castidade. Essa castidade está simbolicamente nas alianças. O matrimônio santo é o casamento de virgens que permanecem em estado de castidade. Essa castidade conjugal é rompida pelo divórcio ou pelo adultério. Disse Jesus: “Qualquer que repudiar sua mulher, deixando de lado a prostituição (pornéia), e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada, comete adultério também” (Mt. 19:9). Existem duas virgindades: do corpo e do espírito. A verdadeira é a do espírito, que vem à luz na nova criatura pelo novo nascimento, através da fé em Jesus Cristo. “Se alguém está e  Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Co. 5:17).

14-  O  problema dos homens e das mulheres é que ninguém busca o bem e ninguém faz o bem, como está escrito: “Não há justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem  um só” (Rm. 3:10-12). Como Paulo poderia afirmar isso se todos buscassem o bem? O problema é que todos buscam o bem particular, que prejudica o próximo. O bem particular é egoísta. Não sofre com a dor alheia. Disse o pensador grego Aristóteles: “O bem comum é mais sublime que o bem particular”. O Bem que um homem faz, é para conquistar algo. Robespierre, advogado francês, era contra a pena de morte e defendia com unhas e dentes os infelizes condenados. Chegando ao poder, impôs o regime do terror e foi o maior matador de inocentes. Caiu do poder e morreu no cadafalso, onde enviava suas vítimas. O bem de todos só aparece quando alguém renuncia o particular. Isso fez Jesus, que sendo rico se fez pobre, para que, pela sua pobreza enriquecêssemos (2 Co. 8:9). Paulo entendeu o que é a salvação e disse: “Sede meus imitadores, como eu também sou de Cristo” (1 Co. 11:1). Um matrimônio só  é perfeito quando os cônjuges estão submetidos a Deus. Só existe respeito e pureza no coração onde Jesus habita.

Autoria: Pr. Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta