(486) – O VERBO – II

O   VERBO   2

 

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez” (Jo.1:1-3).João declarou que o Verbo era deus. Está no passado. Está ele querendo dizer, que o Verbo, ao encarnar, Jesus, isto é, o Verbo, deixou de ser Deus? Jesus disse: “O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens; e matá-lo-ão, e ao terceiro dia ressuscitará”      (Mt.17:22-23). Ora, Deus é imortal (I Tm.1:17). E o Verbo é Deus, e é imortal. Se Cristo, ao encarnar continuava sendo Verbo, não podia morrer. É por isso que João disse que o verbo era Deus, pois Cristo encarnado era o Filho do homem, predestinado para morrer pelos nossos pecados.

Se Cristo, encarnado, continuava sendo Verbo, continuava sendo Deus, e assim sua morte seria uma representação teatral, uma farsa, pois estaria fazendo de conta que estava morrendo na cruz. E também a sua ressurreição seria uma farsa. Ora, Paulo declara: “Se Cristo não ressuscitou é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E também os que dormiram em Cristo estão perdidos”                 (I Co.15:17-18). E Paulo diz mais: “O qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação” (Rm.4:25). E Paulo disse mais: “Quem descerá ao abismo? Isto é, a tornar a trazer dentre os mortos a Cristo?” (Rm.10:7). Na carta aos Hebreus, lemos: “Ora, o Deus da paz, que pelo sangue do concerto eterno, tornou a trazer dos mortos ao Senhor Jesus Cristo, o grande pastor das ovelhas” (Hb.13:20). Ora, se o Cristo encarnado fosse o Verbo, continuava sendo Deus, e Deus é impassível, e não é sujeito à morte.

Mas João declarou: “E o verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo.1:14). Quem viu a glória do Verbo encarnado? Pedro, Tiago e João (Mt.17:1). É preciso observar que João disse: “E o verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória”. A narração de Lucas diz outra coisa (Lc.9:28-32). Na transfiguração Jesus saiu da carne. O seu rosto resplandeceu como o sol. Os seus vestidos se tornaram brancos como a luz (Mt.17:2).

A glória do Verbo só foi vista uma vez por Pedro, Tiago e João, quando Cristo se transfigurou, e saiu da carne. Esse testemunho foi dado por Mateus 17:1-8; por Marcos 9:1-13; e por Lucas 9:28-36. Quando Jesus retornou a aparência carnal, voltou ser o Filho do homem descrito por Isaías: “Era desprezado, e o mais indigno entre os homens; homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum” (Is. 53:3).

Todos conheciam a Jesus e sua família, mas sem a glória do Verbo: “E partindo dali, chegou à sua pátria, e os seus discípulos o seguiram. E, chegando o sábado, começou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se admiravam, dizendo: Donde lhe vem estas coisas? e que sabedoria é esta que lhe foi dada? e como se fazem tais maravilhas por suas mãos? Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? e não estão aqui conosco suas irmãs? E escandalizavam-se nele. E Jesus lhes dizia: Não há profeta sem honra senão na sua pátria, entre seus parentes, e na sua casa” (Mc. 6:1-4).

O grande mistério que envolve a vida de Cristo, é que, segundo a carne, ele deveria ser glorificado, e não desmoralizado; e seria glorificado sentando no trono de Davi. Este mesmo profetizou. No livro dos Atos dos apóstolos, lemos: “Sendo pois ele profeta, e sabendo que Deus lhe havia prometido com juramento que do fruto de seus lombos, segundo a carne, levantaria o Cristo para o assentar sobre o seu trono” (At. 2:30).

A glória do Verbo não foi vista porque Jesus só foi rejeitado, perseguido, desonrado, humilhado, e por fim crucificado. Em segundo lugar, não foi visto, porque só seria glorificado sentando nom trono de Davi, o que não aconteceu. Quando ressuscitou não era mais carne como a nossa. Como fica?

A glória do Verbo foi vista em Pedro, depois que foi habitado pelo Espírito Santo (At. 5:14-20). A glória do Verbo foi vista no diácono Felipe (At. 8:5-17). A glória e a graça foram vistas em Paulo, após a conversão (At. 19:11-16). A glória do verbo será vista em nós, se fizermos as obras de Cristo (Jo. 14:12). O problema é que ninguém hoje vê a glória de Cristo. Só vê a glória dos homens.

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta