(536) – DOIS MINISTÉRIOS – IX

DOIS   MINISTÉRIOS   9

Nas Escrituras Sagradas encontramos dois Todo-poderosos. Um no Velho Testamento, cujo nome é Jeová ou Javé. O outro Todo-poderoso é Jesus Cristo. Os teólogos tentam convencer a cristandade que esses dois Todo-poderosos são a mesma pessoa, isto é, que Jeová e Jesus são a mesma pessoa. Existem alguns pontos obscuros a serem analisados sobre este assunto:

1.     Dois mil anos antes de Cristo nascer, Jeová apareceu a Abraão, e disse: “Eu sou o Todo-poderoso” (Gn.17:1). O caso de Jesus foi diferente: Ele nasceu pobre, numa estrebaria, viveu pobre e era extremamente humilde. Diz a Bíblia que primeiro ele foi aprovado por Deus pelas obras que realizou(At.2:22). E o apóstolo Paulo assim descreve a sua exaltação: “Haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até a morte, e morte de cruz, pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, na terra e debaixo da terra. E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Fp.2:5-11). Por este texto ficamos sabendo que Jesus Cristo foi feito por Deus Pai Todo-poderoso após a ressurreição. Ele mesmo declara isso, depois da ressurreição: “É ME DADO TODO O PODER NO CÉU E NA TERRA” (Mt.28:18). Antes da ressurreição Jesus não era Todo-poderoso. Paulo nos diz na carta aos Hebreus: “O qual, nos dias da sua carne, oferecendo, com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que o podia livrar da morte, foi ouvido quanto ao que temia. Ainda que era filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu. E, sendo ele consumado, veio a ser o causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem” (Hb.5:7-9). Quando, pregado na cruz, lhe deram vinagre para beber, Jesus disse: “…ESTÁ CONSUMADO…” (Jo.19:30). O apóstolo Pedro declara que Jesus Cristo, após a ressurreição, subiu aos céus, se colocou à destra de Deus e submeteu os anjos, as autoridades, e as potências (I Pd.3:21-22). Se Cristo só se tornou salvador depois de consumada a sua obra, está claro que antes disso, os anjos, as autoridades, e as potências nos céus, não lhe eram sujeitas, logo não era Todo-poderoso. Mas Jeová era o Todo-poderoso, logo são dois: O do Velho Testamento e um do Novo Testamento.

2.     Como começou Jeová como Todo-poderoso? Começou matando toda a humanidade através do pecado de Adão: “Assim como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos são pecadores” (Rm.5:12).

3.      E como começou Jesus como Todo-poderoso? “A graça de Deus se há manifestada, trazendo salvação a todos os homens” (Tt.2:11). A graça de Deus nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos, e foi manifestada pela aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte, e trouxe à luz a vida e a incorrupção pelo evangelho (II Tm.1:9-10).

4.     O Todo-poderoso Jeová, o El Shaday do Velho Testamento, lançou tantas maldições sobre o seu povo e tão terríveis, só para destruí-lo da face da terra (Dt.28:47-48; 58-63). Deus, o Pai, enviou o seu Filho unigênito, que nasceu em carne e este, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado(Hb.4:15). Deus, na ressurreição, lhe deu todo o poder (Mt.28:18). Jesus, o Todo-poderoso, recebeu todas as maldições de Jeová. Diz Paulo que ele se fez maldição por nós, e nos resgatou de tal maneira das maldições de Jeová, que todos os que cremos temos entrada no reino de Deus (Gl.3:13).

São, portanto, dois ministérios: O da morte e das maldições de Jeová e o da vida e da libertação total das maldições, o de Jesus Cristo. Eu fico com Cristo, que me amou, me curou, me libertou, e me deu paz eterna.

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

 

Deixe uma resposta