(527) – DOIS MINISTÉRIOS – I

DOIS   MINISTÉRIOS   1

Que vem a ser ministério? É o exercício de um cargo, de uma função. O conjunto de ministros de estado que constituem um gabinete governativo. É o tempo que um ministro, ou corpo ministerial está encarregado de dirigir os negócios públicos de uma cidade, reino ou nação.

Até o tempo do nascimento de Jesus Cristo o reino de Israel, fundado por Jeová no Sinai, era considerado como reino de Deus, pois Jeová se intitulava Deus (Is.45:21). Jesus mudou esse conceito.

Trouxeram para Jesus um endemoninhado cego e mudo, e de tal modo o curou, que o cego e mudo via e falava. A multidão estava assombrada e dizia: “Não é este o Filho de Davi? Os fariseus, ouvindo isto, diziam: Este não expulsa os demônios senão por Belzebu, príncipe dos demônios. Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda cidade, ou casa, dividida contra si mesma, não subsistirá. E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá o seu reino? E se eu expulso os demônios por Belzebu, por quem os expulsam então os vossos filhos? Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, é conseguintemente chegado a vós o reino de Deus” (Mt.12:22-28). A pergunta que cabe sobre este assunto é a seguinte: O reino de Israel fazia parte do reino de Satanás ou não? É claro que fazia parte do reino de Satanás, pois o reino de Deus só chegou com Jesus, que chegou libertando o seu povo dos demônios. Só de um, Jesus expulsou dois mil (Mc.5:1-17). Ao começar o seu ministério, Jesus escolheu doze apóstolos, e os enviou, dizendo: “Não ireis pelos caminhos das gentes (outras raças), nem entrareis em cidades de samaritanos. Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel; e, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus. Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai” (Mt.10:5-8).

Só no evangelho de João, Jesus declara duas vezes que não é deste mundo (Jo.17:14-16). E emJo.18:36, Jesus também declara que o seu reino não é deste mundo. Sendo assim Jesus não tinha ministros neste mundo. O ministério de Cristo só foi formado depois do capítulo dois do livro de Atos, quando foi formada a Igreja (Ef.4:11-12). E os ministros de Cristo não se embaraçam com os negócios desta vida (II Tm.2:4). Quem participa dos negócios desta vida perde a coroa incorruptível (I Co.9:25). Há uma virtude que aproveita para esta vida e para a futura: ‘A piedade’ (I Tm.4:8).

Vejamos se o ministério de Jeová é o mesmo de Cristo. Leiamos Jeremias: “Eu fiz a terra, o homem, e os animais que estão sobre a face da terra, pelo meu grande poder, e com o meu braço estendido, e a dou àquele que me agrada em meus olhos. E agora eu entreguei todas estas nações na mão de Nabucodonosor, rei de Babilônia, meu servo; e ainda até os animais do campo lhe dei, para que o sirvam. Todas as nações o servirão a ele, e a seu filho, e ao filho de seu filho, até que também venha o tempo da sua própria terra, quando muitas nações e grandes reis se servirão dele. E acontecerá que, se alguma nação ou reino não servirem a Nabucodonosor, rei de Babilônia, e não puserem o seu pescoço debaixo do jugo do rei de Babilônia, visitarei com espada, e com fome, e com peste essa nação, até que a consuma pela sua mão” (Jr.27:5-8). Fica assim provado que Jeová participa dos negócios e guerras deste mundo, que é o reino de Satanás, conforme as palavras de Jesus em Mt.12:22-28. É ele que tira reis e coloca reis (Dn.4:17). No caso do rei Belsazar, Jeová participou diretamente dos negócios e guerras deste mundo (Dn.5:23-31). No caso da invasão do reino de Judá por Senaqueribe, rei dos Assírios, Jeová, enviou o seu anjo que matou 185 mil assírios numa noite (II Rs.19:35-37). Quando Jeová decidiu destruir o reino de Judá, ele enviou os exércitos de muitas nações até destruí-la totalmente (II Rs.24:1-3). E nós perguntamos: Os reinos deste mundo pertencem a Satanás ou Jeová? A grande verdade é a seguinte: Se você é de Jeová, você cai nas mãos de Satanás, pois Jeová é quem manda para o inferno (Ez.31:16). Qual é a única forma de escapar? É crer em Jesus Cristo. João diz: “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado” (Jo.3:18). Os reinos que Jeová enviou para destruir Israel, fazem parte do ministério de Jeová. Nabucodonozor fez parte do ministério de Jeová, pois todos o serviam.

 

OS   REJEITADOS   3

Jeová, o deus de Israel, declara nas Escrituras Sagradas que não rejeita a seu povo: “Jeová não rejeitará o seu povo; nem desamparará a sua herança” (Sl.94:14). A pergunta que fazemos é: Por que Jeová não pode rejeitar o seu povo Israel? Porque o Velho Testamento foi feito com o povo de Israel no monte Sinai. Rejeitar Israel seria uma confissão pública de que Jeová não é onisciente nem onipotente. Rejeitar Israel seria anular a promessa feita a Abraão, que diz: “E te darei a ti, e à tua semente depois de ti, a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão, e ser-lhes-ei o seu deus” (Gn.17:8). Rejeitar Israel seria não cumprir o concerto que fez com Abraão, quebrar o juramento feito a Isaque, o qual também a Jacó ratificou por estatuto, e a Israel, por concerto eterno (I Cr.16:16-17). Rejeitar a Israel seria desfazer o concerto que fez com Davi, seu escolhido; seria rejeitar a descendência de Davi, e jogar por terra o trono eterno de Davi (Sl.89:3-4).

Acontece que Jeová rejeitou o reino de Israel depois que o reino foi dividido em dois. A Escritura registra essa rejeição: “Pelo que Jeová rejeitou a toda a semente de Israel, e os oprimiu, e os deu nas mãos dos despojadores, até que os tirou de diante da sua presença” (II Rs.17:20). O fim do reino de Israel se deu no ano 722 antes de Cristo. Ficou só no reino de Judá, onde estava Jerusalém, o templo de Jeová e o sacerdócio levítico. No ano 587 acabou também o reino de Judá. Tudo foi rejeitado por Jeová, com estas palavras: “E disse Jeová: Também a Judá hei de tirar de diante da minha face, como tirei a Israel, e rejeitarei esta cidade de Jerusalém que elegi, como também a casa de que disse: Estará ali o meu nome” (II Rs.23:17). O profeta Amós relata as intenções de Jeová sobre o seu reino, dizendo: “E Jeová me disse: Que vês tu, Amós? E eu disse: Um prumo. Então disse Jeová: Eis que eu porei um prumo no meio do meu povo Israel; nunca mais passarei por ele” (Am.7:8). “O Senhor Jeová assim me fez ver: e eis aqui um cesto de frutos do verão. E disse: Que vês, Amós? E eu disse: Um cesto de frutos do verão. Então Jeová me disse: Chegou o fim sobre o meu povo Israel; daqui por diante nunca mais passarei por ele” (Am.8:1). O fato é que o trono de Davi está caído há 2.595 anos, e a linhagem de Davi se extinguiu.

Está escrito que Jeová rejeitou o seu povo, e rejeitando-o, Jeová rejeitou também:

  1. O salmista diz: “Lembra-te da tua congregação, que compraste desde a antiguidade, da tua herança que remiste, desde o monte de Sião, em que habitaste” (Sl.74:2). “Também elegeu a Davi, seu servo, e o tirou dos apriscos das ovelhas. De após as ovelhas pejadas o trouxe, para apascentar a Jacó, seu povo, e a Israel sua herança” (Sl.78:70-71). Jeová rejeitou a sua herança. Vamos supor que Jeová, daqui a mais cinco mil anos restaure o reino de Davi. Bem, esta seria uma outra história, formada com novas pessoas, pois as dos tempos bíblicos foram rejeitadas, condenadas e mortas.
  2. Está escrito nas Escrituras sagradas que Jeová criou o povo de Israel para a sua glória, com as seguintes palavras: “A todos os que são chamados pelo meu nome, e os que criei para minha glória; eu os formei, sim, eu os fiz” (Is.43:7). O profeta Jeremias diz: “Porque, como o cinto está ligado aos lombos do homem, assim eu liguei a mim toda a casa de Israel, e toda a casa de Judá, diz Jeová, para me serem por povo, e por nome, e por louvor, e por glória, mas não deram ouvidos” (Jr.13:11). Se Jeová criou a Israel, e o povo se corrompeu, o Todo poderoso El Shaday, deveria mudar seus corações, ou ensiná-los com amor, e não com chicote. Ao rejeitar o seu povo, Jeová rejeitou a sua glória. Jesus, através do amor tem conseguido uma multidão inumerável de fiéis incorruptíveis. Jeová está despido de glória pelas guerras e matanças que executa com o maior prazer (Dt.28:63).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

 

2 thoughts on “(527) – DOIS MINISTÉRIOS – I

  1. Jeová não conhece Jesus. Jeová é homem de guerra e todos os homens israelitas de vinte anos acima também são guerreiros. Vamos às tribos? Rubem (são os nativos seminoles da Flórida e também os aborígenes australianos); Simeão e Levi (República Dominicana e Haiti); Judá (são homens negros vendidos como escravos por navios de propriedade dos judeus); Zebulom e Issacar (mexicanos e panamenhos); Dã (ìndia); Gad (nativos dos Estados Unidos); Aser (Toda América do Sul); Efraim e Manassés (Porto Rico e Cuba) e Benjamim (Jamaica).

  2. Muito bom o texto. Apenas gostaria de acrescentar que os verdadeiros hebreus israelitas bíblicos são de pele escura, negros. Os antigos egípcios eram todos negros e Yisrael foi formado dentro do Egito. Quando José foi sepultar seu pai Jacó os cananeus confundiram os hebreus com os egípcios (Gn. 50: 11). Em Ex. 2: 19 as filhas de Reuel confundiram Moisés com os egípcios:… “um homem egípcio nos livrou da mão dos pastores;” Jeová deixou um sinal segundo o qual identificamos as tribos, hoje(Dt. 28: 44-46). As pessoas que sofrem as maldições são chamados negros, índios, nativos, aborígenes.

Deixe uma resposta