(222) – TUDO DEBAIXO DOS PÉS

TUDO DEBAIXO DOS PÉS

 

Jeová fez um convite a Adonay: “Disse Jeová a Adonay: Assenta-te a minha direita até que ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés” (Sl. 110:1). Os tradutores puseram: “Disse o Senhor ao meu Senhor”, mas a palavra Jeová não se traduz por “senhor”. Adonay, no hebraico, é Senhor. Jesus explica aos discípulos o texto do Salmo 110:1 da seguinte forma: Os fariseus estavam reunidos. Jesus chegou, e lhes perguntou: “Que dizeis vós do Cristo? De quem é filho? Eles disseram-lhe: De Davi. Jesus disse- lhes: Como é então que Davi, em espírito lhe chama Senhor, dizendo: Disse Jeová ao meu Senhor: Assenta-te a minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés”. Este texto prova que Jeová não é Jesus; se Jeová fosse Jesus, estaria dizendo para ele mesmo: “Disse Jeová a Jeová, assenta-te a minha direita”, o que é absurdo.

Mas Jeová disse a Jesus que poria os inimigos de Jesus debaixo dos pés de Jesus, e neste caso, Jesus não seria autor e consumidor da fé (Hb. 12:2). Os inimigos de Jeová eram os homens. “Era pois que, partindo a arca, Moisés dizia: Levanta-te Jeová, e dissipados sejam os teus inimigos, e fujam diante de ti os teus aborrecedores” (Nm. 10:35). “Assim, ó Jeová, pereçam todos os teus inimigos” (Jz. 5:31;  Sl. 92:9).No Salmo dois lemos: “Os reis da terra se levantam, e os  príncipes juntos se mancomunam contra Jeová e contra o seu ungido, dizendo: Rompamos as suas ataduras, e sacudamos de nós as suas cordas” (Sl. 2:2-3).No mesmo Salmo, Jeová promete gerar o seu filho, isto é, o Messias, que é o ungido de Jeová, para reinar sobre as nações inimigas com vara e ferro. Leiamos e texto: “Aquele que habita nos céus se rirá; Jeová zombará deles. Então lhes falará na sua ira, e no seu furor os confundirá. Eu, porém, ungi o meu rei sobre o meu santo monte de Sião. Recitarei o decreto: Jeová me disse: Tu és meu filho, eu hoje te gerei. Pede-me e eu te darei as nações por herança, e os fins da terra por possessão. Tu os esmigalharás com uma vara de ferro; tu os despedaçarás como a um vaso de oleiro” (Sl. 2:4-9).

O texto é claro. Jeová se coloca contra as nações que se mancomunam contra ele, e na sua ira e furor vai levantar o Messias para reinar sobre os inimigos com vara de ferro. É isso que está no Salmo 110:1.

Se Jeová é o não é o Pai de Jesus não vem ao caso. O fato é que Jesus não aceitou reinar sobre este mundo, quando disse: “O meu reino não é deste mundo” (Jo. 18:36). Jesus não aceitou a oferta de Jeová, profetizada no Sl. 110:1 e cumprida quando Satanás lhe ofereceu os reinos deste mundo (Lc. 4:5-8). Deveria ser Jeová a oferecer e não Satanás. Se Jesus aceitasse sentar à mão direita de Jeová, não seria o autor e o consumador da fé, pois  quem submeteria os inimigos aos pés de Jesus seria Jeová. Como Jesus é o autor e consumador da fé, como lemos em Hebreus 12:2, é o próprio Jesus que vai submeter os inimigos debaixo de seus pés. Referindo-se a Jesus, Paulo escreveu: “Porque convém que reine até que haja posto todos os inimigos debaixo de seus pés” (I Co. 15:25). Quais inimigos? Os inimigos de Jeová e do seu ungido eram os reis e príncipes das nações que se mancomunaram contra Jeová (Sl. 2:1-9). Quais são os inimigos de Jesus? Não são os homens pecadores, pois Jesus morreu para salvá-los (I Tm. 1:15). Os inimigos de Jesus acham-se na esfera espiritual. Paulo escreveu: “Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte” (I Co. 15:26). O pecado era inimigo de Jesus, e tão forte, que Jesus várias vezes foi tentado (Lc. 22:28). E Jesus orava ao que o podia livrar da morte com grande clamor e lágrimas (Hb. 5:7).  Pois como nós em tudo foi tentado, mas sem pecado (Hb. 4:15).

O segundo inimigo que Jesus aniquilou foi o pecado. “Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo” (Hb. 9:26). A lei de Jeová não livra do pecado, pois é a força do pecado (I Co. 15:56). Por isso Paulo registrou o seguinte: “O que era impossível à lei; visto que estava enferma pela carne, Deus, enviando o se Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou  o pecado na carne” (Rm. 8:3). Só Jesus Cristo liberta o homem do pecado (Rm. 6:18). E João declara que quem não foi libertado do pecado não viu nem conheceu a Cristo (I Jo. 3:5-6).

Para aniquilar a morte, tem de aniquilar primeiro o pecado, pois o salário do pecado é a morte (Rm. 6:23; Hb. 9:26).

Outro inimigo de Jesus são as trevas, por isso disse: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida” (Jo. 8:12). No Velho Testamento não havia luz espiritual, pois sobre Israel lemos: “O povo que andava em trevas viu uma grande luz” (Mt. 4:16). Dizem os teólogos que Jeová é Jesus. Sendo assim, quando Jesus ditasse a lei no Sinai, não haveria trevas espessas (Dt. 4:11-12). É impossível a luz se ocultar nas trevas (Sl. 18:11). O fato é que Jeová falou do meio das trevas, e se ocultou nas trevas, e trevas são o mal (Jo. 3:19-21). Para complicar, as trevas fazem parte do reino de Satanás, pois a missão de Paulo foi: “Para lhes abrires os olhos, e das trevas os converteres a luz, e do poder de Satanás a Deus; a fim de que recebam a remissão dos pecados” (At. 26:18). Se Jeová se ocultava nas trevas, se ocultava no reino de Satanás, e com isso revela não ser luz.

O arqui-inimigo de Jesus é Satanás. Na parábola do trigo e do joio lemos que o reino dos céus é semelhante ao homem que semeou a boa semente no seu campo; mas dormindo os homens, veio o inimigo e semeou o joio no meio do trigo, e retirou-se (Mt. 13:24-25). Ao explicar a parábola, Jesus disse: “O campo é o mundo; e a boa semente são os filhos do reino; e o joio são os filhos do maligno. O inimigo que o semeou é o diabo” (Mt. 13:38-39). Este inimigo Jesus deixou para a Igreja vencer e pisar, pois Paulo nos revelou o seguinte: “E o Deus de paz esmagará em breve Satanás debaixo de vossos pés” (Rm. 16:20), e assim se cumpre Gn. 3:15, que diz: “E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”. A semente da mulher são os cristãos santos, gerados na igreja pelo Espírito Santo (I Co. 6:10-11). João nos exorta a vencer Satanás.“Mancebos, escrevo-vos, porque vencestes o maligno. Eu vos escrevi filhos, porque conhecestes o Pai. Eu vos escrevi, pois, porque já conhecestes aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevi, mancebos, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e  já vencestes o maligno” (I Jo. 2:13-14). Se nós não pregarmos o Evangelho, Jesus  não vai pregar em nosso lugar (Mc. 16:15-16). Se nós não pisarmos a cabeça de Satanás, ele não vai fazer o que é nossa missão. O resto ele já fez.

autoria: PASTOR OLAVO SILVEIRA PEREIRA

Deixe uma resposta