(318) – GLÓRIA DO ESPÍRITO SANTO – III

GLÓRIA  DO  ESPÍRITO  SANTO  3

            Todo cristão genuíno e fiel está revestido da glória de Deus. E essa glória resplandece mais nos padecimentos e tribulações. Um pastor foi convidado a fazer uma série de pregações em uma igreja do norte. Essa igreja o levou a pregar num leprosário. Isso aconteceu lá pelos anos de 1960. O pastor pregou numa sala cheia de leprosos. Depois foi levado a um quarto, onde, numa cama, se achava uma mulher, de certa idade, em estado terminal. Os cabelos quase todos caídos. O corpo coberto de manchas escuras e chagas. As extremidades dos dedos e das orelhas já desfeitos pela lepra. O pastor, vendo o horror daquele quadro, hesitou, e pensou: “Que é que vou pregar? Eu, cheio de saúde…” A mulher percebeu, e tirando uma Bíblia debaixo do travesseiro, assim falou: —Pastor, não sinta pena de mim, e não fique perturbado. O meu corpo está apodrecendo por fora, mas a minha alma está plena de saúde, e o meu espírito renova a cada instante. Sou uma mulher feliz porque sou de Jesus. Em breve deixarei esta casa em ruínas para viver eternamente na glória com Jesus. O Espírito Santo me consola com sonhos e visões celestiais, e eu me deleito lendo a palavra de Deus. — Esse pastor me disse: — Fui lá para pregar, mas quem deu a mensagem de Deus foi a paciente leprosa. — É por isso que Pedro disse: “Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória de Deus” (I Pd. 4:14). O cristão pode sofrer vitupérios, isto é, ultrajes, insultos, agravos, ofensas, acusações infamantes e ignominiosas, aviltamento injurioso. Pode sofrer tudo isto pelo nome de Cristo, que a sua glória mais aumenta diante de Deus (Hb. 13:12-13).

Referindo-se à glória de Deus que está em nós, os cristãos, Pedro faz a seguinte advertência:“Porque, que glória é essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis?” (I Pd. 2:20). Como pode um cristão ser esbofeteado por Satanás se está revestido da glória de Deus? Pois Pedro está declarando que, se o cristão peca, será esbofeteado por Satanás, mesmo estando cheio da glória. Lá pelos anos de 1950, eu ia com o meu violão pregar o Evangelho em uma praça da cidade de São Paulo. Um jovem de uns vinte anos, se apaixonou pelo meu trabalho, e me pediu para pregar também. Cantei alguns hinos, e a roda se formou. Dei-lhe a palavra, e ele cheio de vigor começou a pregar. Nisto, duas moças se aproximaram, puseram o dedo na cara dele e disseram: — Quem é você para falar de Jesus, seu sem vergonha? — Ele abaixou a cabeça esbofeteado por Satanás. Conheço muitos casos piores do que esse. Narrarei mais um. Um pastor, amigo meu, pregava no púlpito de sua Igreja, quando de repente uma outra voz começou a falar do auditório. Ele pensou: “Eu sou servo de Deus e estou qualificado, logo, essa voz deve ser do diabo”. Então gritou do púlpito: — Cala-te Satanás. — A voz respondeu, dizendo: — Está bem, mas saiba que o vice-presidente da Igreja é amante da mulher do Dr. Fulano. O diácono fulano de tal rouba as ofertas depositadas no gazofilácio. — E aquela voz do demônio que pegou a boca de uma visita, desmascarou diversos membros daquela Igreja. Foram todos esbofeteados por Satanás. Hoje em dia, os jornais e revistas têm, da parte de Satã, esbofeteado grandes líderes de grandes denominações.

Mas Satanás dá tapa na cara dos crentes de diversas maneiras. Uns são assaltados nas ruas, e não têm autoridade para amarrar o demônio. Outros estão morrendo de câncer como se Jesus não curasse mais. Outros vêem o filho se entregar ao uso de drogas para vergonha sua. Outros ainda assistem impotentes a prostituição da filha querida. Como se Jesus não guardasse. Quantas desgraças dentro dos lares cristãos. E Pedro continua dizendo: “Que glória é essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis?” (I Pd. 2:20). E quais os pecados tão letais que trazem conseqüências tão graves? Pode ser pecado de comissão, isto é, fazer coisas que o cristão não deve fazer. Ou pode ser pecado de omissão, isto é, deixar de fazer aquilo que todo cristão está obrigado a fazer, isto é, testemunhar fora da Igreja; perdoar ao devedor; repartir com os pobres; cuidar dos órfãos e das viúvas; visitar os enfermos e também orar pelos inimigos, se os tem. Há um terceiro pecado que abre a porta à Satanás. É o pecado de intenção, isto é, aquele que só nós sabemos, pois está encerrado no nosso pensamento e no nosso coração. Pois saibam que Satanás sabe, e nos esbofeteia publicamente. Mas não fiquem tristes, os cristãos. Paulo, o maior de todos os apóstolos, o maior dos cristãos, que dizia: Sede meus imitadores, como eu sou de Cristo” (I Co. 11:1), também era esbofeteado por Satanás. Ouçamos as suas próprias palavras: “Para que me não exaltasse pelas excelências das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, afim de me não exaltar” (II Co. 12:7). Uns pensam que o espinho era o problema que Paulo tinha nos olhos (Gl. 6:11). Outros pensam que era o fato de não ter uma companheira, isto é, a esposa (I Co. 9:5). O fato é que Paulo tinha um espinho na carne. E fez uma confissão: “E vós sabeis que primeiro vos anunciei o evangelho estando em fraqueza de carne; e não rejeitaste e nem desprezastes isso que era uma tentação na minha carne, antes me recebestes como um anjo de Deus, como Jesus Cristo mesmo” (Gl. 4:13-14). Paulo era vítima de uma tentação na carne. Esse era o espinho através do qual Satanás o esbofeteava. Paulo, entretanto, resistia àquela tentação, e dizia:“Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado” (I Co. 9:26-27).

Cristo, porém, conhece as nossas fraquezas, e foi esbofeteado em nosso lugar. Quando compareceu perante o sinédrio para ser julgado pelos sacerdotes. Quando confessou ser o Filho de Deus, foi condenado à morte. O sumo sacerdote rasgou os vestidos, e gritou: “Que vos parece? E eles, respondendo, disseram: É réu de morte. Então cuspiram-lhe no rosto e lhe davam punhadas, e outros o esbofeteavam” (Mt. 26:62-68).

Para terminar, conto mais um fato real: Um obreiro humilde e simples foi convidado a pregar em certa igreja. Durante a mensagem de poder, uma mulher se levantou, gritando e blasfemando, e saiu da Igreja batendo os pés. A igreja toda olhava para o pregador em silêncio. Ele então falou, dizendo: — Quero que vocês saibam que este caso é comigo. A mulher entrou na  igreja para ouvir a mensagem de Deus, e eu não admito que Satanás a arranque da Casa do Senhor, pois ela poderia ser salva. Agora, para que vocês saibam que eu sou um servo de Deus, vou dar uma ordem: Satanás, em nome de Jesus Cristo, onde você estiver, está repreendido, e vai trazer a mulher de volta para ouvir o evangelho. E para que todos saibam que eu sou servo de Deus, você vai se ajoelhar diante do púlpito”. O pregador cruzou os braços; e ficou em silêncio. Podia-se ouvir o barulho de uma mosca voando. Passaram-se uns cinco minutos, e a mulher entrou andando lentamente pelo corredor, foi até o púlpito, e se ajoelhou. Podia-se ver a glória de Deus sobre a cabeça daquele cristão cheio do Espírito Santo. E a mulher? A mulher foi libertada e salva.

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta