(216) – AS POTESTADES DAS TREVAS

AS POTESTADES DAS TREVAS

 

Quando Jeová deu a lei a seu povo Israel do alto do Monte Sinai, ordenou também que o povo erigisse um altar, ditando as normas: “Um altar de terra me farás, e sobre ele sacrificarás os teus holocaustos, e as tuas ofertas pacíficas, as tuas ovelhas, e as tuas vacas; em todo o lugar, onde eu fizer celebrar a memória do meu nome, virei a ti, e te abençoarei” (Ex. 20:24-26). Mil anos depois, pela boca do profeta Jeremias, Jeová nega o que ordenou por Moisés. “Assim diz Jeová dos exércitos, o deus de Israel: Ajuntai os vossos holocaustos aos vossos sacrifícios, e comei carne, porque nunca falei a vossos pais, no dia em que vos tirei da terra do Egito, nem lhes ordenei coisa alguma, acerca de holocaustos e sacrifícios” (Jr. 7:21-22).

Há um segundo ponto também inexplicável para o leitor da Bíblia. Foi Jeová quem falou dentro da nuvem escura no alto do Monte Sinai. “Jeová chamou Moisés, do monte, dizendo: Assim falarás a casa de Jacó” (Ex. 19:3). “E disse Jeová a Moisés: Eis que eu virei numa nuvem espessa, para que o povo ouça, falando eu contigo, e para que te creiam eternamente” (Ex. 19:9). “E estejam prontos para o terceiro dia, porquanto no terceiro dia Jeová descerá diante dos olhos de todo o povo sobre o Monte Sinai” (Ex. 19:11)“E Moisés levou o povo fora do arraial ao encontro de deus; e puseram-se ao pé do monte. E todo o Monte Sinai fumegava, porque Jeová descera sobre ele em fogo, e o seu fumo subia como o fumo de uma grande fornalha, e todo o monte tremia grandemente. E o som da buzina ia  crescendo em grande maneira; Moisés falava, e deus lhe respondia em voz alta” (Ex. 19:18-20). Fica, portanto, provado, que quem falou no Monte Sinai foi Jeová. “Então falou deus, dizendo: Eu sou Jeová teu deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão” (Ex. 20:1-2). “O dia em que estiveste perante Jeová teu deus em Horebe, quando Jeová me disse: “Ajunta-me este povo, e os farei ouvir as minhas palavras, e aprendê-las-ão, para me temerem todos os dias que na terra viverem, e as ensinarão a seus filhos. E vós vos chegastes, e vos pusestes ao pé do monte; e o monte ardia em fogo até o meio dos céus e havia trevas, e nuvens e escuridão. Então Jeová vos falou do meio do fogo; a voz das palavras ouvistes, porém, além da voz, não vistes semelhança nenhuma. Então vos anunciou ele o seu concerto, que vos prescreveu, os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra” (Dt. 4:10-13). Quem falou do alto do Sinai foi Jeová. “Então disse Jeová a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: Vós tendes visto que eu falei convosco desde os céus” (Ex. 20:22).

Se está biblicamente provado que quem falou no Monte Sinai foi Jeová, que lá desceu (Ex. 19:11), por que Estevão, o primeiro mártir, afirma que foi um anjo? “Este é aquele Moisés que disse aos filhos de Israel: Jeová vosso deus vos levantará dentre vossos irmãos um profeta como eu; a ele ouvireis. Este é o que esteve entre a congregação no deserto, COM O ANJO QUE LHE FALAVA NO MONTE SINAI” (At. 7:37-38). E Estevão prossegue dizendo: “Vós, que recebestes a lei por ordenação dos anjos, e não a guardastes” (At. 7:53).

O apóstolo Paulo concordou com Estevão, quando na Epístola aos Gálatas, escreveu: “Para que é a lei? Foi ordenada por causa das transgressões, até que viesse a posteridade a quem a promessa tinha sido feita, e foi posta pelos anjos na mão de um mediador. Ora, o medianeiro não é de um, mas Deus é um” (Gl. 3:19-20). Na carta aos hebreus, lemos: “Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda a transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição, como escaparemos nós se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram” (Hb. 2:2-3).

Há uma terceira questão a ser analisada. Por que, no Monte Sinai, Jeová estava envolvido em trevas, se Deus é luz, e a luz dissipa as trevas? A resposta é simples. Porque Jeová não é luz; se fosse não haveria trevas no monte. Os textos que revelam essa verdade são: “O povo estava em pé de longe. Moisés, porém, se chegou à escuridão, onde Jeová estava” (Ex. 20:21). “E vós vos chegastes, e vos pusestes ao pé do monte; e o monte ardia em fogo até ao meio dos céus, e havia trevas, e nuvens e escuridão” (Dt. 4:11). A resposta resplandece. Espiritualmente existem três tipos de trevas, a saber:

1-  As trevas do mal. “A condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más” (Jo. 3:19).

2-  As trevas do sacerdócio levítico, pois lemos nos Evangelhos: “Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, buscavam falso testemunho contra Jesus, para poder matá-lo” (Mt. 26:59). “E, chegando a manhã, todos os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos do povo, formaram juntamente conselho contra Jesus, para o matarem” (Mt. 27:1). “E disse Jesus aos príncipes dos sacerdotes, e capitães do templo, e anciãos, que tinham ido contra ele com espadas e varapaus: tenho estado todos os dias convosco no templo, e não estendestes as mãos contra mim, MAS ESTA É A VOSSA HORA E O PODER DAS TREVAS” (Lc. 22:52-53).

3-  O terceiro tipo de trevas são os anjos adversários. Paulo declara: “Deus nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Cl. 1:13). Esses principados e potestades operam contra os cristãos e contra a Igreja, chefiados por Satanás (At. 26:18). Paulo revela que os anjos estão do lado desses principados e potestades para separar os cristãos do Pai (Rm. 8:38-39). O espantoso nessa esfera infernal, é que Jeová está oculto atrás dessas trevas medonhas. “FEZ DAS TREVAS O SEU LUGAR OCULTO; O PAVILHÃO QUE O CERCAVA ERA A ESCURIDÃO DAS ÁGUAS” (Sl. 18:11).

Agora podemos entender porque Moisés declara que quem deu a lei foi Jeová, e também porque Estevão, e Paulo, afirmam que foram os anjos. Jeová estava oculto atrás daqueles anjos, e por isso havia trevas sobre o Monte Sinai. Eram as trevas do mal, dos príncipes dos sacerdotes que mataram Jesus (I Co. 2:8), e atrás dos principados e potestades, que lutam contra os cristãos para derrubá-los dos lugares celestiais (Ef. 6:12).

Antes da vinda de Cristo, esses principados e potestades das trevas dominavam os homens pelas paixões carnais, e no tempo em que Jeová reinava como deus (Sl. 47:2, 7-8; Jr. 10:7). O apóstolo Paulo nos revela isso. “E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, em que noutro tempo andaste segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também” (Ef. 2:2-3).

Autoria Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta