(033) – A MORAL CRISTÃ

Os fariseus religiosos, sabendo que pela lei de Jeová era permitido o divórcio, tentaram Jesus com a seguinte pergunta: “É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?” Jesus respondeu que Deus criou um homem para uma mulher, e que no matrimônio formam um corpo só. Os fariseus então disseram ironicamente: Então por que mandou Moisés dar-lhe carta de divorcio? Jesus novamente responde com autoridade divina: “Eu porem vos digo, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, cometa adultério; e o que casar com a repudiada comete adultério” (Mt.19:3-9). Cabem aqui três considerações:

1- Jesus se coloca contra o divórcio e contra a lei, excetuando-se o caso de prostituição.

2- O divórcio, sendo legal pela lei de Jeová, era ilegal para Jesus (Dt.24:1-4).

3- Estando legalmente separados pela lei, permaneciam unidos aos olhos de Deus, configurando o adultério, tanto do marido como da mulher.

A moral matrimonial do Novo Testamento difere muito da moral do Velho Testamento. Só podia ser pastor ou bispo quem tivesse tido uma só esposa, além de revelar no caráter elevado grau de virtude (1 Tm.3:1-5). Com os diáconos era o mesmo (1 Tm.3:12-13). A prostituição do corpo não era tolerada na Igreja. Paulo afirmou que o homem que se deita com a meretriz, se torna meretriz com ela (1 Co.6:15-16).

O nosso corpo foi comprado na cruz e passa a ser templo do Espirito Santo (1 Co.6:18-20). As viúvas se consagravam a Jesus e às obras de caridade da Igreja, servindo primeiramente os seus familiares, e depois a Igreja. As viúvas que não seguissem esta doutrina, eram consideradas mundanas e carnais. Paulo diz: “Não admitas as viúvas mais novas, porque, quando se tornam levianas contra Cristo, querem casar-se; tendo já a sua condenação por haverem aniquilado a primeira fé” (1 Tm.5:4-12). Sobre a compostura dos trajes (1 Tm.2:9; 1 Pd.3:3-5).

Havia pecados graves na Igreja, tais como adultério, prostituição, incesto, etc. Um incestuoso da Igreja de Corinto, foi entregue a satanás para destruição da carne, e por que? A Igreja e o Espírito Santo não têm jurisdição sobre certas baixezas, que só o Diabo deve julgar, pois o tal deveria ser do diabo (1 Jo.3:8). A Igreja julga causas de nível mais alto (1 Co.6:2-3).

Jeová agia em coisas que a Igreja se abstem. O próprio Jeová havia proibido a um israelita casar com um cananeu (Dt.7:1-4; Ex.34:10-16). E Sansão casou com uma filha de filisteu incircunciso, apesar das proibições do seu pai; porem seu pai não sabia que Sansão era guiado por Jeová e pelo Espírito de Jeová (Jz 14:1-4; 13:25). O fato é que impelido pelo Espírito de Jeová, Sansão se uniu a uma prostituta, e mais tarde foi amante de Dalila que o destruiu. Tudo conforme os planos de Jeová  (Jz.16:1;  16:4).

Jeová aborreceu a Saul e o abandonou de tal maneira, que uma feiticeira de Endor profetizou a sua morte, e de seus filhos no mesmo dia (1 Sm.28:19; 30:1-4). E a feiticeira falou da parte de Jeová. Então Davi começou a reinar e Jeová entregou a Davi as mulheres de Saul (2 Sm.12:7-8). Muito estranho. Parece que Jeová completou sua vingança nas pobres mulheres de Saul.

O que é de estarrecer, é que mais tarde Jeová fez pior com Davi, pois entregou as mulheres estando Davi vivo. E Davi era seu servo amado e escolhido. Foi assim: Davi cometeu um adultério. Em represaria Jeová declara que vai entregar as mulheres de Davi a outro homem (2 Sm.12:10-11).

E nas mãos de quem Jeová entregou dez mulheres de Davi? Na mão de seu filho Absalão, pois foi estendida uma tenda no terraço do palácio real, e Absalão abusou das mulheres de seu pai em público (2 Sm.16:22-23). É fantástico! Aquilo que no Novo Testamento é tão grave, o pecado do incesto, coisa tão baixa que a Igreja de Corinto entregou a Satanás para castigar, é produzido por Jeová? Houve outro incesto produzido por Jeová: O de Amnom e Tamar, dois irmãos e filhos de Davi (2 Sm.13:1-19). Alguém poderá objetar dizendo: Não foi Jeová o autor. Eu respondo citando as palavras de Jeová a Davi: “Assim diz Jeová: Eis que suscitarei da tua mesma casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei ao teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol, porque tu fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel” (2 Sm.12:11-12).

Isto não é castigo, mas vingança, pois Davi foi perdoado e as mulheres e filhos foram corrompidos por Jeová. Os inocentes sofrendo pelo pecador perdoado. Desde guando um adultério se castiga com onze incestos? E também o homicídio cometido por Absalão contra Amnom, seu irmão foi arquitetado por Jeová (2 Sm.13:28).

Ora, se as mulheres de Saul foram entregues a Davi por Jeová, Davi achou normal tomar a mulher de Urias também. O padrão moral das obras de Jeová era muito baixo. Pela lei de Jeová, uma mulher divorciada do primeiro marido, ao se juntar ao segundo, ficava contaminada (Dt.24:1-4). Quando Jeová entregou as mulheres de Saul a Davi, estas ficaram contaminadas. Mais tarde Jeová toma estas mesmas mulheres contaminadas e as entrega a Absalão para coito público? Definitivamente não há padrão moral no Velho Testamento, nem mesmo nas obras de Jeová.

A Igreja de Jesus Cristo foi estabelecida em novas leis, novos padrões morais, por isso, Novo Testamento, e também novas criaturas (2 Co.5:17). Tudo novo. E Jesus disse: “Ninguém deita remendo de pano novo em vestido velho, porque semelhante remendo rompe o vestido, e faz-se maior a rotura. Nem se deita vinho novo em odres velhos; alias, rompem-se os odres, e entorna-se o vinho, e os odres estragam-se; mas deita-se vinho novo em odres novos, e assim ambos se conservam” (Mt.9:16-17).

Autoria: Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta