(469) – O ESPÍRITO DE ELIAS

O  ESPÍRITO  DE  ELIAS

 

Elias, o tisbita foi um dos grandes profetas de Israel, e se destacou, não porque profetizou coisas futuras, e também não escreveu nenhum livro profético como Isaías, Jeremias, Ezequiel ou Daniel. O que fez de Elias um grande profeta? Ele tinha um ministério, o ministério da morte. O ministério da morte é também o ministério da condenação (I Rs. 17:1). Elias se apresentou diante do rei Acabe, que seduzido por Jezabel, mulher perversa, adotou em Israel o culto à Baal, deus dos cananeus, que praticava a prostituição sagrada. Havia em Israel quatrocentos e cinqüenta profetas de Baal, e quatrocentos profetas de Aserá, deusa cananea. Era senhora do mar, e esposa de EL, o pai dos deuses (I Rs. 15:13).Havia em Israel quatrocentos profetas de Aserá.

Elias, o tisbita, para provar a Israel, e ao rei Acabe, que Jeová era o único Deus, mandou que aqueles profetas edificassem um altar, e cortassem um bezerro em pedaços, e o pusessem sobre a lenha. E Elias preparou outro altar. Eles invocariam a Baal, e Elias invocaria a Jeová. O Deus que respondesse pelo fogo era o verdadeiro. Os profetas de Baal cansaram-se de invocar a Baal. Ao meio dia, Elias zombava de Baal (I Rs. 18:22-29). Então Elias pegou doze pedras, de acordo com as doze tribos de Israel, e edificou o altar de Jeová; dividiu o bezerro em pedaços e o pôs sobre a lenha. Derramou água sobre os quatro cantos três vezes (I Rs. 18:30-36). Elias então clamou a Jeová e desceu fogo do céu e consumiu tudo, a água, o bezerro, a lenha e as pedras. O povo, isto é, os profetas de Baal e Asera começaram a clamar: SÓ JEOVÁ É DEUS! SÓ JEOVÁ É DEUS! Foi uma verdadeira conversão em massa, mas Elias os conduziu ao ribeiro de Quizom e ali os matou! É o ministério da morte que destrói as almas dos homens (I Rs. 18:40). Depois disso, Jezabel disse: Amanhã estarás na sepultura com os profetas de Baal. A perversa rainha mandou caçar o profeta, que fugiu para o deserto.  Alimentado pelo anjo de Jeová caminhou quarenta dias até o monte Horebe, e ali entrou numa caverna. (I Rs 19:1-9).Jeová visitou Elias na caverna, tirou-o dali; e o enviou a ungir a Hazael, rei da Assíria, e também a Eliseu, filho de Safate, ungiu profeta em seu lugar; e Jeú, filho de Ninsi, ungiu rei sobre Israel; e Jeová lhe disse: “O que escapar da espada de Hazael, matá-lo-á Jeú, e o que escapar da espada de Jeú, matá-lo-á Eliseu. Era o ministério da morte, e a unção era para matar. A unção era revestimento com o espírito santo de Jeová. Fantástico! Elias era cheio do espírito santo que mata, e passava do seu espírito para outros. Quem era Hazael? Um servo de Bene_Hadade, rei da Síria (I Rs. 19:15-17; II Rs. 8:7-15). É assombroso! Elias ungia reis e profetas para matar. Era o ministério da morte que Paulo refere na segunda carta aos Coríntios (II Co. 3:7-9).

Uma coisa é certa. O espírito que estava em Elias era matador e destruidor de almas. Acabe, o perverso, morreu. E seu filho, Acazias, reinou em seu lugar. E caiu Acazias pelas grades de um quarto alto, e adoeceu; e enviou mensageiros a perguntar a Baal-Zebube, deus de Ecron, se sararia ou não. O anjo de Jeová, mandou Elias ao encontro dos mensageiros e dizer: “Não há Deus em Israel, para irdes consultar o deus de Ecron? Da cama a que subiste, não descerás, mas sem falta morrerás”. Então Acazias, ofendido, mandou cinqüenta soldados e um capitão a buscá-lo no monte onde estava. O capitão lhe disse: “Homem de Deus, o rei diz: Desce. Elias respondeu: Se eu sou homem de Deus, desça fogo do céu, e te consuma a ti e aos teus cinqüenta. Então fogo desceu do céu, e o consumiu a ele e aos seus cinqüenta. Tendo notícia do ocorrido, Acazias enviou outro capitão e mais cinqüenta soltados, que, chegados ao pé do monte, disse o capitão: Homem de Deus, assim diz o rei: Desce depressa. Elias respondeu pela segunda vez: Se eu sou homem de Deus, desça fogo do céu, e te consuma a ti e aos teus cinqüenta. Então fogo desceu do céu, e consumiu a ele e aos seus cinqüenta” (II Rs. 1:1-12). Fica comprovado o ministério da morte de Elias, dado por Jeová.

Passamos ao novo testamento. O evangelista Lucas, narra o seguinte fato sobre Jesus:“Completando-se os dias para sua assunção, manifestou o firme propósito de ir à Jerusalém. E mandou mensageiros diante de sua face: e indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos, para lhe prepararem pousada, mas não o receberam, por que o seu aspecto era como de quem ia a Jerusalém”.

E os seus discípulos, Tiago e João, vendo isto, disseram: “Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez? Voltando-se porém, repreendeu-os e disse, VÓS NÃO SABEIS DE QUE ESPÍRITO SOIS. Porque o Filho do homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salva-las” (Lc. 9:51-56). Nesta passagem, Jesus está revelando as seguintes verdades:

  1. Jeová veio para destruir as almas dos homens, pois foi ele quem mandou o fogo.
  2. O espírito de Jeová não é o mesmo de Cristo, e se o espírito de Jeová não é mesmo de Cristo, pois o de Jeová é destruidor, como está escrito em I Rs. 19:15-17, e o de Cristo é salvador (Tt. 3:5).Concluímos que o espírito santo de Jeová não é o Espírito Santo do Pai, pois o de Jeová era inimigo de Israel  (Is. 63:10), e o do Pai, que é o Espírito Santo derramado por Cristo, não existia no Velho Testamento (Jo. 7:38-39). No grego está escrito: NÃO HAVIA.
  3. Se o espírito de Jeová não é o de Cristo, Jeová não é Jesus Cristo, e também Jeová não é o Pai, mas é o deus que cega os homens  

(Is. 6:10; II Co. 4:4).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

2 thoughts on “(469) – O ESPÍRITO DE ELIAS

    • Este é um Capítulo entendido no final e não se refere a Elias como sendo um profeta que tenha o Espírito de Cristo:

      (Romanos 11:32-36) Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia.
      Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!
      Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?
      Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?
      Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

      Paulo nos mostra que não são os filhos da Carne que são contados mas os Filhos da Fé:

      (Romanos 9:1-8) Em Cristo digo a verdade, não minto (dando-me testemunho a minha consciência no Espírito Santo):
      Que tenho grande tristeza e contínua dor no meu coração.
      Porque eu mesmo poderia desejar ser anátema de Cristo, por amor de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne;
      Que são israelitas, dos quais é a adoção de filhos, e a glória, e as alianças, e a lei, e o culto, e as promessas;
      Dos quais são os pais, e dos quais é Cristo segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém.
      Não que a palavra de Deus haja faltado, porque nem todos os que são de Israel são israelitas;
      Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência.
      Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência.

      (Romanos 3:9-24) Pois quê? Somos nós mais excelentes? De maneira nenhuma, pois já dantes demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado;
      Como está escrito:Não há um justo, nem um sequer.
      Não há ninguém que entenda;Não há ninguém que busque a Deus.
      Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis.Não há quem faça o bem, não há nem um só.
      A sua garganta é um sepulcro aberto;Com as suas línguas tratam enganosamente;Peçonha de áspides está debaixo de seus lábios;
      Cuja boca está cheia de maldição e amargura.
      Os seus pés são ligeiros para derramar sangue.
      Em seus caminhos há destruição e miséria;
      E não conheceram o caminho da paz.
      Não há temor de Deus diante de seus olhos.
      Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus.
      Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado.
      Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas;
      Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.
      Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
      Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.

      Para Paulo tentar alcançar a ressurreição ele considerou todo o judaísmo e todas as tradições antigas como esterco:

      (Filipenses 3:3-11) Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus em espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne.
      Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu:
      Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu;
      Segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível.
      Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo.
      E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo,
      E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé;
      Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte;
      Para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dentre os mortos.

      Agora quanto ao Profeta Elias em específico, Jesus foi claro ao declarar que Elias não tinha o mesmo espírito que ele:

      (Lucas 9:54-56) E os seus discípulos, Tiago e João, vendo isto, disseram: Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?
      Voltando-se, porém, repreendeu-os, e disse: Vós não sabeis de que espírito sois.
      Porque o Filho do homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. E foram para outra aldeia.

      E Paulo é claro ao Dizer que aqueles que não tem o Espírito de Cristo não são dele( De Cristo ):

      (Romanos 8:9) Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.

      (Lucas 16:16) A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele.

      (Efésios 2:11-19) Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens;
      Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo.
      Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.
      Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio,
      Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz,
      E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades.
      E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto;
      Porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.
      Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus;

      (Mateus 7:15-18) Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.
      Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?
      Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.
      Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.

      (João 15:5-12) Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
      Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.
      Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.
      Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.
      Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor.
      Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.
      Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo.
      O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.

      E isto não foi feito nem Por Elias nem por Jeová, portanto todo aquele show pirotécnico de Elias não serviu de nada, quanto a Jeová, só castigou o povo de Israel quando eles o desobedeciam, diferente do Pai Altíssimo descrito por Jesus em:

      (Lucas 6:35-37) Amai, pois, a vossos inimigos, e fazei bem, e emprestai, sem nada esperardes, e será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os ingratos e maus.
      Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso.
      Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; soltai, e soltar-vos-ão.

      Bom a Justiça de Deus o Pai de Jesus Cristo se opera em fazer o bem aos maus e ingratos, o que anula o argumento da teologia de que Deus é amor mas também é justiça, querendo justificar os genocídios de Jeová por causa das maldades do povo de Israel, e como Deus não muda nem abre exceções quando fica irado (Tg 1:17) podemos ver uma grande diferença dos frutos e das paternidades e dos discípulos de Cristo e dos profetas de Jeová.

      Atenciosamente,
      Pr. Abner Pereira Dancuart.

Deixe uma resposta