(389) – SOCIEDADE SECRETA

SOCIEDADE SECRETA

 

O que é uma sociedade secreta? Há algumas definições:

1. É aquela que não é conhecida pelo público. E se não é conhecida pelo público, é marginal, pois não beneficia o público em geral.

2.  Sociedade secreta é a que não é registrada pela lei. É, portanto, fora da lei. É, portanto, aquela que traz prejuízo para o governo ou ao público.

3. A sociedade secreta nunca é feita por duas pessoas honestas, pois os honestos nunca fazem nada escondido.

U Jeová plantou um jardim separado do resto do planeta, no qual ele vinha passar as tardes (Gn. 3:8). A Bíblia narra as divisas desse jardim de delícias (Gn. 2:10-14). Nesse jardim particular de Deus havia toda árvore agradável à vista e boa para comida; e a árvore da vida no centro (Gn. 2:9). Adão foi colocado no jardim para o lavrar e o guardar (Gn. 2:15). Adão era o jardineiro de Deus, e este vinha todas as tardes visitar Adão e desfrutar de sua companhia.

Há um problema que envolve o jardim do Éden. Foi Deus que o plantou (Gn. 2:8). Se foi Deus que o plantou, e se Deus é o Todo poderoso, como satanás estava dentro do jardim? (Gn. 3:1; Ap. 12:9). É claro que Deus sabia que a serpente, isto é, satanás, queria devorar Adão e Eva, pois é Onisciente. E deixou o caminho livre? Não os protegeu? Eles não conheciam o bem e o mal, e seriam facilmente enganados.

U Um outro caso chama a atenção. Entre Jeová e satanás há uma intimidade filial e aberta. Num dia em que os filhos de Jeová vieram apresentar-se, satanás estava entre eles. E Jeová lhe perguntou: Donde vens? De rodear a terra e de passear por ela, respondeu o satã. Jeová então lhe disse: Observaste tu o meu servo Jó,  homem sincero e reto, temente a Deus, e desviando-se do mal. Ninguém há na terra semelhante a ele (Jó 1:6-8). Nessa intimidade filial, satanás põe em dúvida a fidelidade de Jó. Jeová, numa intimidade paternal, aceita a opinião de satã, nivelando-se com ele. Ao fazer isto, Jeová entrega Jó nas mãos de satã para flagelá-lo. satã destrói as propriedades de Jó, queima as plantações, liquida com seus rebanhos, e mata seus dez filhos. A violência usada por satanás contra Jó diante dos olhos impassíveis de Jeová, revela o alto conceito que Jeová tem por satanás, para permitir tamanha crueldade. A fidelidade de Jó não teve peso nenhum para Jeová. O fato configura uma associação de propósitos e objetivos.

U Jeová revelou a Abraão que levaria sua descendência ao Egito por quatrocentos anos, e depois julgaria os egípcios (Gn. 15:13-14). De fato, quando José tinha dezessete anos, seus irmãos, por inveja, venderam-no a uns ismaelitas, que por sua vez, indo ao Egito, o venderam como escravo a Potifar, eunuco de Faraó (Gn. 37:2, 27-28, 39:1). José, mercê dos favores de Jeová, autor do projeto, acabou como senhor da terra do Egito (Gn. 41:42-44). Havendo uma grande fome em toda a terra, e tendo José comida com fartura, mandou buscar seu pai Jacó, que se mudou para o Egito com toda a sua família (Gn. 46:26). No Egito, as sessenta e seis almas que saíram da coxa de Jacó, se multiplicaram em setenta anos, em centenas de milhares. E o povo cresceu dentro da idolatria egípcia, e também da corrupção moral. Jeová mesmo declara o grau dessa corrupção pela boca do profeta Ezequiel: “Filho do homem, houve duas mulheres, filhas de uma mãe. Estas prostituíram-se no Egito; prostituíram-se na sua mocidade; ali foram apertados os seus peitos, e ali foram apalpados os seios da sua virgindade. E os seus nomes eram: Aolá, a mais velha, e Aolibá, sua irmã; e forma minhas e tiveram filhos e filhas; e, quanto aos seus nomes, Samaria é Aolá, e Jerusalém é Aolibá. E prostituiu-se Aolá, sendo minha; e enamorou-se dos seus amantes” (Ez. 23:1-5). “Vendo isto sua irmã Aolibá, corrompeu o seu amor mais do que ela, e as suas devassidões foram maiores” (Ez. 23:11).

Ora, Jeová sabia da corrupção do Egito, e levou a descendência de Abraão lá, para que fossem corrompidos? Aqui fica configurada a intenção maléfica desse deus. Mas o que espanta e faz eriçar os cabelos, é saber que Faraó é figura de satanás. É o mesmo Ezequiel que nos revela: “Assim diz o Senhor Jeová: Eis-me contra ti, ó Faraó, rei do Egito, grande dragão, que pousas no meio dos teus rios, e que dizes: O meu rio é meu, e eu o fiz para mim” (Ez. 29:3). No Apocalipse lemos que o dragão é satanás (Ap.12:9).

Quem diria que Jeová planejou quatrocentos anos antes, levar Jacó para o Egito, para que lá, fossem corrompidos por uma babá satânica, isto é, Faraó? Isto cheira a uma sociedade secreta.

U Na condução da história de Israel, num mesmo episódio, a mesma ordem é dada por dois comandantes. Vejamos o primeiro: “A ira de Jeová se tornou a acender contra Israel, e incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá” (II Sm. 24:1). A mesma ordem, em outro livro, é dada por outro comandante: “Então satanás se levantou contra Israel, e incitou a Davi a numerar a Israel” (I Cr. 21:1). Finalmente, quem comandou: Jeová ou satanás? Não adianta buscar explicações teológicas. A verdade dos textos é clara. O que Jeová ordena, satã também ordena. Aquilo que Jeová pensa, Satanás também. A ira de ambos é igual, pois a de Jeová é a dos infernos (Dt. 32:22). Ambos estão secretamente ligados.

U Jeová, no Sinai, fundou o seu reino, dizendo: “Vós me sereis um reino sacerdotal” (Ex. 19:6). Então falou ao povo, do alto do monte, do meio do fogo e das trevas, e deu a sua lei, os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra (Dt. 4:11-13). E ainda ordenou a Moisés os seus estatutos pelos quais seria regido o seu reino aqui na terra (Dt. 4:14).

O homem foi criado fisicamente mortal (Sl. 8:4; Is. 51:12). Mas até Moisés o pecado não era imputado por não haver lei (Rm. 5:13). Estabelecida as lei, e sendo imputado o pecado, a alma passou a morrer, pois Jeová disse: “A alma que pecar morrerá” (Ez. 18:4). A morte da alma é a separação eterna de Deus(Rm. 3:23). A alma é condenada por pecar contra a lei de Jeová. Essa condenação é o fogo eterno. Jesus assim se expressará, no juízo da Igreja, aos bodes: “APARTAI-VOS DE MIM, MALDITOS, PARA O FOGO ETERNO, PREPARADO PARA O DIABO E SEUS ANJOS” (Mt. 25:41). Esse lugar de tormento é o império de Satanás. Como Jeová declarou que não há alma que não peque (Ec. 7:20), todos estão condenados para ir para o império do diabo, que é o império da morte, que foi formado por Jeová no monte Sinai, ao dar a lei.

Fique bem claro, que Jeová ao dar a lei, fundou dois reinos: O dele e o de satanás. Fica assim provado que existe uma sociedade secreta entre os dois. Jesus desceu a este mundo, em carne, para destruir o império da morte, fundado por Jeová, e salvar os condenados. O texto diz: “E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão” (Hb. 2:14-15). É chocante pensar, mas Jeová está envolvido com satanás, mas Jesus Cristo e o Pai, NÃO!

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta