(062) – LAÇOS E REDES

 

“A Jeová dos Exércitos, a ele santificai; e seja ele o vosso temor e seja ele o vosso assombro. Então ele vos será santuário; mas servirá de pedra de tropeço, e de rocha de escândalo às duas casas de Israel; de laço e de rede aos moradores de Jerusalém” (Is. 8:13-14). Deus  arma laços e redes para pegar homens? Laços de Deus para apanhar seu povo? O texto de Isaías continua: “E muitos dentre eles tropeçarão, e cairão, e serão quebrantados, e enlaçados, e presos” (Is. 8:15). Se armou a rede, arquitetou a queda do seu povo. É inacreditável, mas está escrito. Como se prepara um laço? Laço é armadilha. Na armadilha se coloca comida. O animal com fome vai comer e cai na armadilha ficando preso. Deus coloca isca para pegar o pecador? Esse trabalho não é exclusivo de Satanás? O profeta Ezequiel fala do rei Joaquim, de Judá, que reinou apenas cem dias, as seguintes palavras: “Também estenderei a minha rede sobre ele, e será apanhado no meu laço; e o levarei para a Babilônia, à terra dos caldeus” (Ez. 12:13). Salomão revela que a rede é maligna em Ec. 9: 12 – maligna por quê?  Porque o mal caiu sobre Judá pelas mãos de Nabucodonosor. Leiamos as lamentações dos cativos: “Fez Jeová o que intentou; cumpriu a sua palavra que ordenou desde os dias da antigüidade; derrubou e não se apiedou, fez que o inimigo se alegrasse …” (Lm. 2:17). “Nossos pais pecaram e já não existem; nós levamos as suas maldades. Servos dominam sobre nós; ninguém há que nos livre da sua mão. Com perigo de nossas vidas trazemos o nosso pão, por causa da espada do deserto. Nossa pele se enegreceu como um forno, por causa do ardor da fome. Forçaram as mulheres em Sião, as virgens na cidade de Judá. Os príncipes foram enforcados. As faces dos velhos não foram reverenciadas. Aos mancebos  obrigam a moer, e os moços tropeçaram debaixo da lenha. Os velhos não se assentam na porta, os mancebos já não cantam. Cessou o gozo do nosso coração, converteu-se em lamentação a nossa dança. Caiu a coroa da nossa cabeça; ai de nós porque pecamos” (Lm. 5:7-16).

Como dissemos no princípio, a isca é colocada junto ao laço para pegar o menos avisado. Jeová e Satã se concertaram para estender uma rede afim de apanhar o mais fiel dos homens no tempo de Jó. Disse Jeová de Jó: “Havia um homem na Terra de Uz, cujo nome era Jó; e este era homem sincero, reto e temente a Deus, e desviando-se do mal” (Jó 1:1). A confabulação para apanhar Jó está nos capítulos um e dois de Jó. Leiamos a lamentação de Jó: “Sabei agora que Deus é que me transtornou, e com a sua rede me cercou” (Jó 19:6). É preciso notar que Jó não diz que foi Satã que armou a rede, mas Jeová.

O sábio Salomão revela: “Cova profunda é a boca das mulheres estranhas; aquele contra quem Jeová se irar, cairá nela” (Pv. 22:14). “E eu achei uma coisa mais amarga do que a morte, a mulher cujo coração são redes e laços, e cujas mãos são ataduras; quem for bom diante de Deus escapará dela, mas o pecador virá a ser preso por ela” (Ec. 7:26). Quem era Salomão? Filho prometido por Jeová a Davi. “Quando teus dias forem completos, e vieres a dormir com teus pais, então farei levantar a tua semente, que sair das tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino. Este edificará casa ao meu nome, e confirmarei o trono do seu reino para sempre” (2 Sm. 7:12-13). Adotado como filho por Jeová. “Eu  lhe serei por pai e ele me será por filho” (2 Sm. 7:14). Amado por Jeová. “Então consolou  Davi a Bat-Seba, sua mulher, e entrou a ela, e se deitou com ela. E teve ela um filho, e chamou o seu nome Salomão; e Jeová o amou” (2 Sm. 12:24). Este nome ‘Salomão’ foi escolhido pelo próprio Jeová. “Eis que o filho que te há de nascer será homem de repouso; porque repouso lhe hei de dar de todos os seus inimigos em redor. Portanto, Salomão será o seu nome” (1 Cr. 22:9). Pois é de pasmar. Jeová lhe deu setecentas mulheres princesas e trezentas concubinas, e todas perversas. E lhas deu antes que caísse em pecado, e com toda a sabedoria de Deus (1 Rs. 11:3; 3:12).

De acordo com a declaração de Salomão em Pv. 22:14 e Ec. 7:26, só os precitos ou malditos de Jeová estavam sujeitos a esse tipo de maldição, que é a mulher perversa. Parece que Salomão caiu no pior laço debaixo do céu. Laço, que nem toda a sabedoria dada por Jeová pode livrá-lo. “E tinha Salomão setecentas mulheres princesas, e trezentas concubinas; e suas mulheres lhe perverteram o coração” (1 Rs. 11:3). O que parece é que Jeová queria dividir o reino por causa do pecado de Davi com Bat-Seba. Agora, pois, não se apartará a espada jamais da tua casa, porquanto me desprezaste, e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para que te seja por mulher” (2 Sm. 12:10).

No melhor período do reinado de Davi, este cantou um cântico a Jeová, pelas vitórias conquistadas e pelas bênçãos recebidas (2 Sm. 22:1-51). Em seguida são registradas as últimas palavras de Davi, pois estava velho e no fim da vida (2 Sm. 23:1-7). Em seguida são nomeados os trinta valentes de Davi com seus feitos prodigiosos (2 Sm. 23:8-39). Nessa atmosfera festiva de vitória, a ira de Jeová se torna a acender contra Israel, e incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá. E Davi, sempre obediente e fiel, ordenou a Joabe que numerasse o povo. Joabe foi contra, mas a palavra do rei prevaleceu, e foi feito o recenseamento. Como castigo, Jeová enviou o seu anjo destruidor que, pela peste, matou setenta mil israelitas e ainda ia destruir Jerusalém (2 Sm. 24:1-16). Davi, revoltado, chamou a Jeová assumindo a culpa e inocentando o povo. Mas a culpa foi do próprio Jeová. Foi ele que incitou a Davi (2 Sm. 24:1). A grande verdade é que, não havendo motivo para a fúria de Jeová, pois a situação política do reino era a melhor possível, esse deus sanguinário se levantou de mau humor, pois diz o Sl. 7:11 que Jeová se ira todos os dias, e armou o seu laço para poder matar o povo, incitando a Davi, que por obediência caiu na rede, e o povo foi morto. Esse ato de Jeová foi tão cruel e sem sentido, que o livro de Crônicas de Israel registra o fato como sendo Satanás o autor dessa incitação (1 Cr. 21:1). Os laços armados por Jeová são de natureza satânica. O pobre rei Davi, no fim da vida, não morreu em paz, mas aterrorizado com a visão infernal do anjo de Jeová: “E não podia Davi ir ali consultar a Jeová, porque estava aterrorizado por causa da espada do anjo de Jeová” (1 Cr. 21:30).

O novo testamento revela que Deus é amor e a sua paz excede o nosso entendimento e guarda os nossos sentimentos (Fl. 4:7).

 

Autoria: Pr. Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta