(238) – PARADOXOS – V

238 – PARADOXOS – V

 

Paradoxos são passagens contraditórias entre o Velho e o Novo Testamentos. Textos que se chocam trazendo dúvida e inquietação ao leitor atencioso e meticuloso. Examinemos comparando os dois testamentos.

  1. Se Jesus aconselha os discípulos a não ajuntarem tesouros neste mundo, e os ensinava que as verdadeiras riquezas são espirituais, isto é, as virtudes decorrentes da fé, por que Jeová é o deus do ouro e da prata? Por que Jeová enriquecia uns e não outros? (Mt. 6:19-20; Ag. 2:8; Ec. 5:19; 6:2).
  2. Se Jesus estabeleceu como condição para ser rico no céu, a um mancebo que era riquíssimo, vender todas as propriedades e distribuir tudo aos pobres, por que Jeová mandava saquear os povos conquistados, destruí-los ou escravizá-los? (Mt. 19:16-22; Js. 6:19; Dt. 20:10-15; Js. 22:8).
  3. Se os ricos correm risco de vida por causa dos ladrões e salteadores (Mt.6:19) e por isso mesmo, Jesus manda aos discípulos absterem-se das riquezas, pois tinha em mira preservá-la do perigo de assaltantes e seqüestradores, por que Jeová enriqueceu seus melhores servos? Queria expor suas vidas? Enriqueceu a Abraão permitindo que Sarai fosse amante de Faraó (Gn. 12:10-16). Como Ló, sobrinho de Abraão, também enriqueceu, houve contenda entre os pastores de gado de Abraão, e os pastores de gado de Ló. O resultado foi a separação entre eles. Fica assim provado que as riquezas separam os irmãos. Jeová enriqueceu ao rei Jeosafá (II Cr. 17:5). Acabe, rei perverso, vendo a glória e a riqueza de Jeosafá, deu-lhe sua filha em casamento (II Cr. 18:1). Por causa do parentesco, fizeram aliança para guerrear. Em conseqüência Jeosafá caiu em desgraça diante de Jeová: “E Jeosafá, rei de Judá; voltou a sua casa em paz, a Jerusalém. E Jeú, filho de Hanani, o vidente, lhe saiu ao encontro, e disse ao rei Jeosafá: Devias tu ajudar o ímpio, e amar aqueles que a Jeová aborrecem? Por isso virá sobre ti grande ira de parte de Jeová” (II Cr.19:1-2). Outro que Jeová enriqueceu foi o bom rei Ezequias, rei de Judá. “E teve Ezequias riquezas e glória em abundância; e acumulou tesouros de prata e de ouro, e de pedras preciosas, e de especiarias, e de escudos, e de tudo o que se podia desejar” (II Cr. 32:27). Jeová deu grandes vitórias a Ezequias, como deu também a Jeosafá, pois ambos foram ótimos reis. Mas porque Ezequias era muito rico, e chegando embaixadores da Babilônia, lhes mostrou seus imensos tesouros, bênçãos de Jeová. Isaías, o profeta, veio então a Ezequias, e lhe disse da parte de Jeová: Porque abriste as portas dos teus tesouros aos olhos daqueles embaixadores, como castigo, tudo será levado para a Babilônia. Também teus filhos serão tomados de ti para serem eunucos no paço do rei da Babilônia (II Rs. 20:12-18). Se Ezequias não tivesse riquezas não mostraria aos embaixadores, e não seria saqueado e nem exposto a ira de Jeová. Mas foi Jeová que o enriqueceu. Davi o confirma (I Cr. 29:11-12). E Ana, mãe de Samuel também declara a mesma coisa (I Sm. 2:7). E Salomão também(Pv. 22:2). Salomão, filho de Davi, eleito desde o ventre por Jeová, pediu sabedoria e não pediu riquezas. Jeová lhe falou, dizendo: “Porquanto pediste sabedoria e não pediste riquezas, eis que fiz segundo a tua palavra, pois te dei sabedoria e também riquezas, que não pediste” (I Rs. 3:11-13). Salomão recebia 666 talentos de ouro anualmente, que em Reais somariam 777milhões. Com esse dinheirão todo, dava para ter mil mulheres. Sabemos pela Bíblia, que uma mulher louca destrói uma casa. Imaginem mil. Pois Salomão casou com mil, sendo todas loucas. Que algazarra! Quanta fofoca! Quanta ciumeira e quantas brigas (Pv. 14:1). As mil mulheres conseguiram corromper Salomão com laços tão bem trançados, que nem a sabedoria de Jeová, dada a Salomão, conseguiu mantê-lo em pé. Salomão cometeu toda a sorte de loucuras e fantasias (Ec. 2:1-3). Salomão, já velho, cansado e derrotado, revelou o motivo da sua queda estrondosa: “Cova profunda é a boca das mulheres estranhas; aquele contra quem Jeová se irar, cairá nela” (Pv. 22:14). “Eu achei uma coisa mais amarga que a morte, a mulher cujo coração são redes e laços, e cujas mãos são ataduras. Quem for bom diante de Deus, escapará dela, mas o pecador virá a ser preso por ela (Ec. 7:26). Como está escrito que a mulher boa vem de Jeová, e a perversa também, está claro que Jeová forjou a queda de Salomão, pois se Salomão fosse pobre não teria mil mulheres estranhas e loucas, e assim não seria corrompido por elas (Pv.19:14). Se o próprio Jeová declara que as riquezas são males que causam dano aos seus donos, por que enriquecia os seus eleitos? (Ec. 5:13). Riqueza é laço de Jeová (I Rs. 11:1-10).
  4. Mamom é o nome do deus da riqueza em aramaico, língua falada pelos judeus no cativeiro babilônico. Se Jesus declara que buscar ou acumular riquezas neste mundo é servir a Mamom (Mt. 6:19-24), por que Jeová é quem enriquecia as pessoas? (Ec. 5:19). Ao enriquecê-los fazia-os servir a Mamom. E por que proibia ao seu povo servir a outros deuses?
  5. A fazenda de um homem rico produziu tanto, que não cabia nos celeiros que já estavam cheios. O rico pensou: Derribarei estes celeiros, e reconstruirei outros maiores, para recolher minha colheita. Mas Deus lhe disse: “Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens para quem será?” (Lc. 12:13-21). É óbvio que não foi Deus, nem Jesus que o mataram. Deus quer salvar a todos, e Jesus deu a vida por todos (I Jo. 2:1-2; I Tm. 2:3-4). Quem levou a sua alma foi Satanás, o rei de um grande império, O IMPÉRIO DA MORTE (Hb. 2:14). Considerando a parábola do rico insensato, quem fica rico, se coloca na mira do diabo, que anda ao redor buscando tragar (I Pd. 5:8). Sendo assim, porque Jeová enriquecia? Queria expor o rico às unhas afiadas de Satanás?
  6. Vamos transcrever um texto de Paulo. “Os que querem ser ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e na ruína, porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviam da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores” (I Tm. 6:9-10). O leitor desta carta vai pensar o seguinte: “Sou rico, mas não tenho amor ao dinheiro, tudo bem”. Você não tem toda a espécie de males, mais um mal tem: A RIQUEZA. Pois Jesus afirma que é muito difícil a um rico entrar no reino dos céus. E disse mais: “É mais fácil passar um camelo no fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino de Deus” (Mt. 19:23-24). Se a porta dos céus é tão estreita para os ricos, riqueza é um mal. Se Deus só escolhe os pobres para serem ricos na fé, e nunca os ricos, entendemos que os ricos são rejeitados. Os pobres já são herdeiros do reino de Deus (Tg. 2:5), mas que fique bem claro, que esses são os pobres que repartiram suas riquezas, como fez Jesus (II Co. 8:9).

Autoria: PASTOR OLAVO SILVEIRA PEREIRA

ABIP – ASSOCIAÇÃO BÍBLICA INTERNACIONAL DE PESQUISA

Deixe uma resposta