(042) – O ESPÍRITO DO HOMEM

Em Zacarias 12:1 está escrito que o espírito do homem é formado dentro dele por Jeová. Cada homem tem, portanto, o seu espírito peculiar e individual. E esse espírito vai sendo lentamente formado com o crescimento do corpo: “Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe, e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais iam sendo dia a dia formadas, quando nem ainda uma delas havia” (Sl.139:16). O livro de Jó dá detalhes mais claros, pois diz que pelo sopro do Todo-Poderoso (Shaday) vem o entendimento do homem, isto é, Jeová  participa intimamente na formação do espírito do homem (Jó 32:8). Também, no livro de Jó está escrito que esse espírito formado por Jeová dentro do homem é que responde pelos seus atos (Jó 20:3). Dessa maneira Jeová tem na sua mão o espírito e a alma de todos os homens. Ninguém faz nada fora da vontade de Jeová: “Quem não entende por todas estas coisas que a mão de Jeová fez isto? Que está na sua mão a alma de tudo quanto vive, e o espírito de toda carne humana?” (Jó 12:9-10).

Assim, diz Salomão que Jeová é o autor dos maus: “Jeová fez todas as coisas para os seus próprios fins, e até o ímpio para o dia do mal” (Pv.16:4).

Esaú foi mau desde o ventre (Gn.25:19-23; Hb.12:16-17). Paulo revela que Jeová é o oleiro que fabrica maus e bons: “Ou não tem o oleiro poder sobre  o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para deshonra? E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição?” (Rm.9:21-22). Este Deus é Jeová e não o Pai, pois preparou um povo para a perdição, mas o Pai salva a todos: “Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no Deus vivo, que o Salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis” (1 Tm.4:10). Se o Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo é Salvador de todos, não iria preparar um povo para a perdição.

Moisés e Arão confirmaram que Jeová é o Deus dos espíritos de toda a carne em Nm.16:22; 27:16. Havendo tantos textos revelando que Jeová é o Deus dos espíritos de toda a carne humana, fica provado que Jeová é o Deus de toda a carne: “EIS QUE EU SOU JEOVÁ, O DEUS DE TODA A CARNE” (Jr.32:27).

É assustador que Jeová seja o Deus da carne humana, e Paulo afirma que a carne é corrupção e não pode entrar no reino de Deus (1 Co.15:50). E se Jeová é o Deus de toda a carne humana, era o Deus dos sodomitas de Gn.18 e 19. Se alguém quiser negar essa verdade, saiba que Jeová afirmou que foi o oleiro que formou Israel (Jr.18:1-6). Afirmou que formou Israel desde o ventre (Is.44:1-2). Declarou que Israel era prevaricador desde o ventre (Is.48:8). Prevaricar é obrar o mal, faltar com o dever, perpetrar o mal. E foi o oleiro que fez isso, e depois os chamou de príncipes de Sodoma e povo de Gomorra (Is.1:8-12; Ez.16:46-48). Se Jeová é o Deus de Israel e Judá, e os chama de Sodoma e Gomorra, é o Deus de Sodoma e Gomorra.

O Novo Testamento traz a luz um fato assustador sobre o espírito do homem formado por Jeová, desde o princípio (Gn.2:7). É que o homem natural e com o espírito formado por Jeová, não compreende as coisas do Espírito de Deus (1 Co.2:14). E diz mais o apóstolo Paulo: O espírito do homem só sabe as coisas do homem (1 Co.2:11). Esse é o espírito do mundo (1 Co.2:12). Agora podemos entender porque foi Jeová quem colocou o mundo no coração do homem (Ec.3:11). A pergunta que se faz é a seguinte: Pode Deus colocar o mundo no coração do homem no Velho Testamento, e no Novo chamar de adúltero quem se faz amigo do mundo? (Tg.4:4). Só um Deus incoerente faz isso. Jesus e o Pai, ao contrário, agem com absoluta coerência.

Qual então é o espírito dos que creem em Jesus Cristo? Ensina Paulo, que para se tornar um cristão, o convertido é sepultado com Cristo pelo batismo na morte (Rm.6:4). O que é que morreu para ser sepultado? O corpo físico permanece o mesmo. A alma é a vida. O que é sepultado é o espírito, isto é, o que somos e pensamos. Após o batismo continuamos com corpo e alma, mas com outro espírito, o espírito de Cristo (Rm.8:9; Gl.4:19). O espírito de Cristo, é Cristo formado em nós: “Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano, e vos renoveis no espírito do vosso sentido; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus, é criado me verdadeira justiça e santidade” (Ef.4:22-24). O velho homem foi crucificado com Cristo (Gl.5:24).

No novo testamento o espirito não é mais o do homem, mas de Cristo,  a ponto de nos tornarmos quase iguais a Cristo em estatura e perfeição (Ef.4:13).

A mente de Cristo absorve a nossa mente (1 Co.2:16). A glória de Cristo se manifesta no cristão (Cl.1:27). Paulo ficou tão diferente, suas obras eram também tão diferentes, que declarou: “Não sou eu mais quem vive, mas Cristo vive em mim” (Gl.2:20). Cumpre-se 2 Co.5:17: “Quem está em Cristo é nova criatura, as coisas velhas passaram, eis que tudo se fez novo”.

Uma coisa tem de ser considerada. A carne de Jeová tem que ser crucificada. O espírito de Jeová tem que ser mudado. O mundo que Jeová pôs no coração do homem tem que sair (1 Jo.2:15-17). O entendimento que Jeová soprou no homem (Gn.2:7; Jó 32:8), tem que ser trocado pela mente de Cristo. Se o espírito do homem era de Jeová, porque era condenado?

Os que têm o espírito de Cristo são salvos, e glória a Jesus.

Por isso, o homem tem que se converter de Jeová para Jesus para ser salvo, como aconteceu com Paulo (At.22:3-4; Fp.3:3- 9).

 

Autoria: Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta