(096) – JÓ

O livro de Jó é o mais antigo livro da Bíblia. A pessoa de Jó existiu realmente, pois o próprio Jeová atesta sua existência em Ez.14:14. No Novo Testamento, Tiago cita Jó (Tg. 5:11). A vida de Jó, entretanto, constitui uma parábola, isto é, uma alegoria, e isto foi declarado pelo próprio Jó, capítulos 27:1 e 29:1. Alegoricamente, os padecimentos de Jó assemelham-se aos de Jesus Cristo, e assim poderemos concluir que Jó foi uma figura de Jesus.

Passemos a essas comparações para comprovar essa verdade:

1- Jó foi formado por Deus no ventre da mãe: “Aquele que me formou no ventre não o fez também a ele? Ou não nos formou do mesmo modo na madre?” (Jó 31:15). Jesus foi formado no ventre de Maria pelo próprio Deus: “E disse o anjo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo” (Mt.1:20).

2- Jó e Jesus eram príncipes. “O número dos meus passos lhe mostrará; como príncipe me chegaria a ele” (Jó 31:37). E sobre Jesus lemos em At.5:31: “Deus com a sua destra o elevou a príncipe e Salvador…”

3- Sobre a boca de Jó lemos: “Não falarão os meus lábios iniquidades, nem a minha língua pronunciará engano” (Jó 27:4). Sobre a boca de Jesus, o apóstolo Pedro declara: “O qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano” (1 Pd.2:22).

4- Deus testemunhou de Jó: “A minha testemunha está no céu, e o meu fiador nas alturas” (Jó 16:19). E Jesus declarou: “E o Pai, que me enviou, ele mesmo testemunhou de mim” (Jo.5:37).

5- Zofar repreende a Jó dizendo: “Pois tu disseste: A minha doutrina é pura, e limpo estou aos teus olhos” (Jó 11:4). E Jesus disse aos fariseus: “A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou” (Jo.7:16).

6- Jó declara não haver pecado. “Quantas culpas e pecados tenho eu? Notifica-me a minha transgressão e o meu pecado” (Jó 13:23). Jesus desafiou os fariseus dizendo: “Quem dentre vós me convence de pecado?” (Jo.8:46)

7- Jó declara nunca haver repousado: “Nunca estive descansado, nem sosseguei, nem repousei, mas veio sobre mim a perturbação” (Jó 3:27). E disse Jesus: “As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mt.8:20).

8- A vestidura de Jó:  “Cobria-me de justiça, e ela me servia de vestido” (Jó 29:14). A vestidura de Cristo: “E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos” (Ap.19:8).

9- A comida de Jó: “Do preceito dos seus lábios nunca me apartei, e as palavras da sua boca prezei mais do que o meu alimento” (Jó 23:12). A comida de Jesus Cristo: “Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra” (Jo.4:34).

10- Jó abandonado pelos íntimos: “Pôs longe de mim a meus irmãos, e os que me conhecem deveras me estranharam. Os meus parentes me deixaram, e os meus conhecidos se esqueceram de mim” (Jó 19:13-14). Jesus, abandonado pelos íntimos, na hora crucial: “Então todos os discípulos, deixando-o, fugiram” (Mt.26:56).

11- Jó é entregue na mão dos pecadores: “Entrega-me Deus ao perverso, e nas mãos dos ímpios me faz cair” (Jó 16:11). Jesus é entregue nas mãos dos homens: “Achando-se eles na Galiléia, disse-lhes Jesus: O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-lo-ão, e ao terceiro dia ressuscitará” (Mt.17:22-23; 26:45).

12- Jó fazia sacrifícios pelos filhos: “De madrugada oferecia holocaustos, porque dizia: Por ventura pecaram meus filhos” (Jó 1:5). O apóstolo Paulo disse: “Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras” (1 Co.15:3).

 13- Os pés de Jó foram para o cepo: “Também pões os meus pés em cepos, e marcas os sinais dos meus pés” (Jó 13:27; 33:11). E sobre Jesus Davi profetizou: “Pois me rodearam cães; o ajuntamento de malfeitores me cercou, traspassaram-me as mãos e os pés” (Sl.22:16).

14- Zombaram de Jó: “Os meus amigos zombaram de mim” (Jó 16:20). Zombaram de Jesus. “Os principais dos sacerdotes, com os escribas, diziam uns para os outros, zombando: Salvou os outros, e não pode salvar-se a si mesmo” (Mc.15:31). “E os homens que detinham Jesus zombavam dele, ferindo-o” (Lc.22:63).

15- Cuspiram no rosto de Jó: “Abominam-me, e fogem para longe de mim, e no meu rosto não se privam de cuspir” (Jó 30:10). Jesus foi cuspido no rosto. “Então cuspiram-lhe no rosto, e lhe davam punhadas, e outros o esbofeteavam” (Mt.26:67).

16- Jó profetizava sua ressurreição após a morte: “Agora me deitarei no pó, e de madrugada me buscarás, e não estarei lá” (Jó 7:21). E Jesus ensinava os discípulos, e dizia: “O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-lo-ão, e ressuscitará ao terceiro dia” (Mc.9:31).

Sendo Jó figura de Jesus, tiramos as seguintes conclusões:

1- Jesus foi entregue pelo Pai como preço de resgate para salvar os perdidos (1 Pd. 1:18-19). Jeová entregou Jó nas mãos de Satanás porque duvidou da fidelidade de Jó, e confessou ter errado (Jó 1:6-12; 2:3)

2- A família de Jesus são os seus discípulos (Mt.12:47-49). Jeová entregou a família de Jó nas mãos de Satanás, que os matou. Se Jeová fosse o pai de Jesus, a Igreja, que é a família de Jesus, estaria entregue nas mãos de Satanás para destruição total.

3- Jó acusava Jeová de o ter ferido com setas venenosas: “Porque as frechas de El Shaday estão em mim, e o seu ardente veneno o bebe o meu espírito” (Jó 6:4). Jesus sempre teve comunhão plena com o Pai e nunca acusou o Pai, como Jó fez com Jeová.

4- Jeová colocou trevas no caminho de Jó (Jó 19:6-8).  Jesus é luz (Jo. 8:12; 12:46).

5- Todos os filhos de Deus, o Pai de Jesus, morrem, mas voltarão com a ressurreição (1 Ts.4:16-17; 1 Co.15:51-55). Os filhos de Jó morreram e não ressuscitaram. Jeová concedeu outros filhos no lugar.

6- Sendo Jó figura de Jesus, o tratamento dado a Jó por Jeová não é igual ao tratamento que o Pai deu a Jesus, logo são pessoas opostas.

 

Autoria Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta