(338) – OS FORA DA LEI

OS    FORA    DA    LEI

            Em geral os fora da lei são bandidos, assaltantes, homicidas. Vejamos o que Paulo diz sobre o assunto“Sabendo isto, que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreligiosos, para os parricidas, e matricidas, para os homicidas, para os fornicários, para os sodomitas, para os roubadores de homens, para os mentirosos, para os perjuros, e para o que for contrário à sã doutrina” (I Tm. 1:9-10). Os fora da lei agem no escuro, às ocultas, ou cobrem o rosto com um pano para não serem identificados. Os fora da lei vivem nas favelas, nos cortiços, e também nos palácios. Existem muitos fora da lei, tão astutos, que a lei não consegue puni-los.

Existem também outro tipo de foras da lei. São aqueles varões corretos, fiéis, honestos, limpos. Estes estão fora da lei pois são intocáveis, pois a lei não foi feita para o justo, como diz o apóstolo Paulo.

Analisemos a lei de Jeová. Sobre ela, Davi disse: “A lei de Jeová é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho de Jeová é fiel, e dá sabedoria aos símplices. Os preceitos de Jeová são retos, e alegram o coração; o mandamento de Jeová é puro, e alumia os olhos” (Sl. 19:7-8). Outro salmista diz“A tua justiça é uma justiça eterna, e a tua lei é a verdade” (Sl. 119:142). E Davi declara: “A lei do seu deus está no seu coração; os seus passos não resvalarão” (Sl. 37:31). Jeová disse: “Meu concerto com Levi foi de vida e de paz, e eu lhas dei para que me temesse, e me temeu, e assombrou-se por causa do meu nome. A lei da verdade esteve na sua boca, e a iniqüidade não se achou nos seus lábios” (Ml. 2:5-6).

O Novo Testamento, entretanto, diz outra coisa sobre a lei de Jeová, aniquilando a justiça da lei: “Nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado” (Rm. 3:20). Paulo diz também que os cristãos não estão mais debaixo da lei de Jeová, mas debaixo da graça, e por isso o pecado não tem domínio sobre eles (Rm. 6:14). Graça é perdão total e incondicional. Esse perdão, ou melhor, essa graça foi decretada por Deus, o Pai, na cruz, onde Jesus Cristo morreu por todos os pecadores (I Tm. 1:15). Somos libertados da lei através da graça, pois a lei traz à luz o pecado. Como pode ser isso? Se a lei proíbe o pecado, como pode trazê-lo à luz? Tudo aquilo que não está ao nosso alcance produz o desejo de possuí-lo. E esse desejo é concupiscência. A lei proíbe o pecado, ou melhor, a lei proíbe cobiçar as coisas do próximo. A proibição da lei aumenta o desejo de possuir o que ele tem de bom. Esse desejo, ou concupiscência, leva o indivíduo a usar meios ilícitos para conseguir o que cobiça. Sendo assim, a lei alimenta a concupiscência pela proibição. Paulo diz: “Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum: mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás. Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, obrou em mim toda a concupiscência: porquanto sem a lei estava morto o pecado” (Rm. 7:7-8). Se sem a lei estava morto o pecado, a lei ressuscita o pecado, e este por, sua vez, mata o pecador (Rm. 7:9). A conclusão que Paulo chegou é: “O mandamento que era para vida, achei eu que me era para morte, porque o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, me enganou, e por ele me matou” (Rm. 7:10-11).Na epístola universal de S. Tiago, temos a explicação“Cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, da à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte” (Tg. 1:14-15). Ora, se a lei opera, pela proibição, a concupiscência, e esta concebe o pecado, que, sendo consumado, gera a morte, podemos afirmar que a lei dá à luz o pecado, e também a morte.

É por isso que o profeta Ezequiel, declarou“A alma que pecar, essa morrerá” (Ez. 18:4). Mas Paulo, continua a sua análise, dizendo“A lei é santa, e o mandamento é santo, justo e bom” (Rm. 7:12). “Porque bem sabemos que a lei é espiritual, mas eu sou carnal, vendido sob o pecado” (Rm. 7:14). Uma lei santa e espiritual não poderia ser dada ao homem carnal e vendido sob o pecado. Não se dá comida espiritual para o nascido carnal, pois o pecado habita na carne. Paulo diz: “Porque não faço o bem que quero, mas o mal que eu não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim. Acho então esta lei em mim; que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo” (Rm. 7:19-21). Na carne habita a lei do pecado, que é mais forte que a lei de Jeová. Essa lei é a natureza má e pecaminosa do homem carnal, por isso Paulo acrescenta: “Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de deus; mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros” (Rm. 7:22-23). Sem dúvida, a lei do pecado, que habita na nossa carne, é mais forte que a lei de Jeová, e o homem peca, mesmo não querendo pecar. Mas fique bem claro que a lei é fraca e inútil para o homem natural; o homem nascido de semente carnal e corruptível. Paulo, no-lo diz: “Ora o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e de ninguém é discernido” (I Co. 2:14-15).

O homem espiritual é uma nova criatura. Paulo diz: “Se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisa velhas já passaram, eis que tudo se fez novo” (II Co. 5:17). “Porque somos feitura sua, criados em Jesus Cristo para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.” (Ef.2:10). “Quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade” (Ef. 4:22-24). Os homens e mulheres que Deus, o Pai de Jesus Cristo, criou, só vieram à luz a partir de Jesus, e são os verdadeiros filhos de Deus. João falou: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; os quais crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo. 1:12-13). E Tiago completa, dizendo“Segundo a sua vontade, ele nos gerou de novo pela palavra da verdade, para que fossemos como primícias das suas criaturas” (Tg. 1:18). Primícia é primeiro criado. A criação de Deus, o Pai, começou em Cristo Jesus.

Há um detalhe. Essas novas criaturas de Deus, à partir de Jesus, são libertadas da lei (Rm. 7:6).E não estão debaixo da lei (Rm. 6:14). E por que? Porque a nova criatura não é guiada pela lei, mas pelo Espírito Santo, por isso o apóstolo dos gentios diz: Mas, se sois guiados pelo Espírito Santo, não estais debaixo da lei. E os que são guiados pelo Espírito Santo, esses são os filhos de Deus (Rm. 8:13-14). Portanto, os que estavam debaixo da lei não podiam ser filhos de Deus, mas eram filhos de Jeová(Dt. 14:1-2).

Se a lei de Jeová, sendo espiritual e santa, e dada ao povo de Jeová, que não era nova criatura, só serviu para multiplicar o mal (Rm. 7:5; I Co. 15:56)e, se também a lei é tirada do cristão, que é nascido de novo, e é guiado pelo Espírito Santo, então a lei foi inútil (Hb. 7:18-19). Os sacrifícios da lei foram inúteis (Hb. 10:1, 8-10). Que assombro! Muitos cristãos pensam que a lei foi dada para ajudar a corrigir o homem, mas, em contrário, foi dada para destruir e matar, pois ela não serve para o homem espiritual. Foi um laço. João diz: “A lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo” (Jo. 1:17).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta