(232) – O ANJO DA GUARDA – I

232 – O ANJO DA GUARDA 1

      “O anjo de Jeová acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra” (Sl. 34:7). O verso sete do Salmo trinta e quatro foi o ponto de partida para uma tradição que já dura três mil anos. Será que as crianças têm um anjo da guarda? Parece que essa tradição se baseia na inocência infantil. Uma criança só pratica algo errado ou maléfico imitando a alguém que admira, pois não tem nenhuma consciência do que faz. Um adulto pode iludir uma criança com agrados e abusar criminosamente da sua inocência. Olhando por esse prisma concluímos que as crianças precisam de um anjo da guarda. Como as crianças não têm consciência do perigo, podem ser vítimas de acidentes. Uma criança pega uma navalha para brincar, ou se aproxima de um cão raivoso para abraçar. Que maravilha seria se as crianças tivessem um anjo da guarda. O povo de Israel começou a se multiplicar no Egito e Faraó deu ordem ao povo, dizendo: “A todos os filhos que nascerem lançareis no rio, mas todas as filhas, guardareis com vida” (Ex. 1:22). O único que escapou foi Moisés. Aquelas crianças inocentes, ou não tinham anjo da guarda, ou não foram guardadas. O fato é que as crianças israelitas estavam debaixo de uma promessa e de uma grande bênção concedida a Abraão. “E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção. E abençoarei os que  te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn. 12:2-3). Abraão recebeu a bênção da multiplicação da semente. “Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua semente” (Gn. 15:5). Se eram crianças benditas e predestinadas, por que o anjo da guarda não as protegeu contra o Faraó assassino? Mil e seiscentos anos depois, no tempo do nascimento do Messias, isto é, Jesus Cristo, o fato se repete .

Herodes Magno, sabendo das profecias a respeito do Messias, e com medo de perder o trono e o poder, manda matar a todos os meninos que havia em Belém, de dois anos para baixo (Mt. 2:16). Jesus foi o único que escapou porque José, avisado em sonhos pelo anjo de Jeová, fugiu para o Egito (Mt. 2:13-15). Se o anjo de Jeová ordenou a José que fugisse para que o menino Jesus não morresse, não tinha a mínima intenção de guardar em vida as almas de todas as crianças de Belém e dos contornos. E se o anjo de Jeová não guarda as crianças inocentes, é lógico que não vai guardar os adultos cheios de pecado, conforme Ec. 7:20 e Sl. 14:1-3. Se o anjo de Jeová não guarda em vida as crianças predestinadas para ser como as estrelas do céu, de acordo com o juramento feito a Abraão, quem crer no anjo da guarda está condenado à morte. “O anjo de Jeová bradou desde os céus a Abraão pela segunda vez dizendo: Por mim mesmo jurei; diz Jeová: Porquanto fizeste esta ação, e não me negaste o teu único filho, que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua semente como as estrelas do céu, e como a areia que está na praia do mar; e tua semente possuirá a porta dos seus inimigos” (Gn. 22:15-17). Deixando Faraó matar todas as crianças do sexo masculino e não cumprindo o juramento, e deixando Herodes matar todos os meninos  de dois anos para baixo em Belém de Judá é quebrar a promessa feita tantas vezes a Abraão. Há um detalhe que deve ser analisado. Hoje, a população judaica mundial é de treze milhões e novecentos mil pessoas, e a população árabe sobe a um bilhão. Parece que a semente abençoada é a descendência de Ismael e não a de Isaque.

Vamos focalizar os nomes de alguns varões do Velho Testamento pelos seus feitos heróicos em fidelidade a Jeová, para ver se seus filhos eram guardados pelo anjo de Jeová? Comecemos por Jefté. Este varão gileadita, apesar de ser filho de uma prostituta era valente e valoroso (Jz. 11:1). Naqueles dias, os filhos de Amom pelejaram contra Israel. Os anciãos de Gileade foram buscar Jefté, e lhe disseram: Vem, e sê-nos por cabeça para combatermos os filhos de Amom. Jefté, depois de muita insistência, acabou aceitando. Como a situação estava difícil, diz o texto que o espírito de Jeová veio sobre Jefté, e então votou um voto a Jeová dizendo: “Se totalmente deres os filhos de Amom na minha mão, aquilo que, saindo da porta da minha casa, me sair ao encontro, voltando eu dos filhos de Amom em paz, isso será de Jeová, e o oferecerei em holocausto” (Jz. 11:29-31). E o anjo de Jeová não livrou a filha de Jefté, o herói de Israel.

Gideão foi outro grande herói. Os filhos de Israel estavam oprimidos pelos midianitas  por sete anos, e ficaram na miséria. O povo clamou, e Jeová lhes levantou a Gideão. O anjo de Jeová lhe apareceu e disse: “Jeová é contigo varão valoroso” (Jz. 6:12; 6:14). E Gideão, com trezentos homens somente, venceu os midianitas, e amalequitas, e a todos os filhos do oriente, uma multidão inumerável (Jz. 7:12). Gideão, entretanto, cometeu um pecado, depois de tão brilhante vitória. Pediu ao povo pendentes de ouro, do despojo, e com isso fez um éfode, e pô-lo na cidade de Ofra. E todo o Israel vinha ali se prostituir. E diz o texto que esse pecado se tornou em tropeço à casa de Gideão, isto é, Jeová não perdoou, e o castigo foi a morte de seus setenta filhos (Jz. 8:24-30). E Abimeleque, filho de uma concubina de Gideão, matou seus setenta irmãos, que nada tinham a ver com o pecado do pai. E o anjo de Jeová não guardou a nenhum daqueles inocentes, que estavam debaixo da bênção e do juramento feito a Abraão (Jz. 8:30-31; 9:4-5).

Vamos citar agora um israelita, que além de estar coberto pela bênção de Abraão, era amado e eleito de Jeová. Esse varão se chamava Davi, de quem Jeová deu testemunho dizendo: “Achei a Davi, filho de Jessé, varão conforme o meu coração, que executará toda a minha vontade (At. 13:22). Pois bem. Reinando Davi em Jerusalém, viu uma mulher nua banhando-se. E o varão que tinha o coração segundo o coração de Jeová, e que executaria toda a vontade de Jeová, cheio de cobiça, mandou buscá-la, adulterou com ela, que era casada com um dos seus trinta e sete valentes, de nome Urias (II Sm. 23:39). A mulher concebeu, e Davi, para legitimar o filho, mandou matar Urias, o heteu. Temos aqui um caso sui-generis. Davi temia a Jeová, logo o anjo de Jeová deveria guardá-lo de cair num pecado grave. Mas não guardou(Sl. 34:7). Urias o heteu, era de uma honestidade e fidelidade a toda prova, mas o anjo de Jeová não o guardou, e nem a sua casa. Bate-Seba tornou-se esposa do rei Davi, e deu a luz uma linda criança. O anjo de Jeová não guardou a criança, pois Jeová a matou (II Sm. 12:13-15). O texto diz que Jeová perdoou o pecado de Davi, mas matou a criança inocente? E o anjo da guarda? Onde estava? O caso não para aí. Jeová prometeu fazer em público, o que Davi fez em segredo (II Sm. 12:11). Jeová  prometeu tomar as mulheres de Davi, e prostituí-las com outro. E quem foi o outro? Absalão, filho de Davi, que armou uma tenda no terraço de palácio, e copulou com dez mulheres de Davi, à vista de todo o povo (II Sm. 16:22; 20:3). E o anjo de Jeová não guardou as dez inocentes mulheres da desonra. E tem mais. Amnom, o primogênito de Davi, cobiçou sua irmã Tamar, jovem pura, e de sentimentos nobres. Usou da mentira para tê-la nas mãos e violentou-a. O anjo de Jeová estava sendo cúmplice em todos esses crimes divinos. Ainda bem que Jeová não é o Deus Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. E fiquem sabendo, todos os cristãos, que o nosso anjo da guarda nos protege do mal, dos laços do maligno, perdoa todos os nossos pecados, livra-nos da condenação instituída por Jeová, e ainda conseguiu para nós uma herança celestial e eterna. Seu nome é Jesus Cristo (I Pd. 1:3-4; II Tm. 4:18; Jo. 14:1-4).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

ABIP – ASSOCIAÇÃO BÍBLICA INTERNACIONAL DE PESQUISA

One thought on “(232) – O ANJO DA GUARDA – I

  1. Perfeito, Jesus é o nosso anjo da guarda. Vos levarei para mim, para que onde eu estiver estejais vós também (Jo 14: 3).
    Entretanto, tenho que os hebreus israelitas bíblicos são pessoas de cor chamadas negros, afro-descendentes. Considerando que os antigos egípcios eram negros quando os hebreus saíram de lá pois o povo cananeu confundiu os hebreus com egípcios em (Gn. 50: 11).
    E José subiu para sepultar o pai; e subiram com ele todos os subordinados do faraó, as autoridades da sua casa e todas as autoridades da terra do Egito, bem como toda a família de José, seus irmãos e a família de seu pai; somente suas crianças, suas ovelhas e seus bois foram deixados na terra de Góse (Gn. 50: 7-8). Quando os cananeus, moradores da terra, viram o pranto na eira de Atade, disseram: grande pranto é este dos egípcios. Assim o lugar foi chamado Abel-Mizraim, e está além do jordão (Gn, 50: 11).
    Os hebreus estão dispersos até hoje sofrendo as maldições do livro, vivendo em aldeias em América, África e as ilhas dos oceanos. Judeus são Ashkenazi jews, europeus descendentes de Jafé, filho de Noach, por parte de Togarma.
    Paz

Deixe uma resposta