(134) – OS EXÉRCITOS DE JEOVÁ – I

OS EXÉRCITOS DE JEOVÁ – I

 

No primeiro livro dos Reis de Israel lemos o seguinte: “Vi Jeová assentado sobre o seu trono, e todo o exército do céu estava junto a ele, à sua mão direita e à sua esquerda” (I Rs. 22:19). Jeová queria matar Acabe, então consultou os anjos sobre o assunto, dizendo: “Quem induzirá Acabe, a que suba, e caia em Ramote de Gileade? E um dizia desta maneira, e outro de outra” (I Rs. 22:20). Estes textos provam que não havia o governo da trindade no Velho Testamento. Eram milhões de anjos dando palpites (Jó 25:3). O profeta Daniel revela que Jeová opera segundo a sua vontade pelo exército do céu e pelos moradores da terra  (Dn. 4:35). O rei Davi assim se expressa: “Jeová tem estabelecido o seu trono nos céus, e o seu reino domina sobre tudo. Bendizei a Jeová, todos os seus exércitos, vós, ministros seus, que executais o seu beneplácito” (Sl.103:19-21).

Jeová tem um capitão que comanda os  seus exércitos (Js. 5:13-14).

Esses exércitos combatem com espadas e carros de fogo puxados por cavalos (Gn. 3:24; I Cr. 21:30; II Rs. 6:17).

Um anjo sozinho mata 180 mil homens (II Rs. 19:35).

Os anjos são destruidores também, pois dois deles destruíam as cidades de Sodoma e Gomorra (Gn. 19:1, 13, 24).

Os anjos de Jeová amaldiçoam (Jz. 5:23).

Os anjos de Jeová perseguem os homens (Sl. 35:5-6).

Os anjos colocam mentira na boca dos profetas de Jeová (I Rs. 22:19-23).

Um anjo de Jeová ensinou Jacó a enganar Labão (Gn. 30:37-43; 31:11-12).

É evidente que “o anjo de Jeová acampa-se ao redor dos que o temem e os livra” (Sl. 34:7). O problema é que não guardou Gideão, seu servo fiel, da idolatria, e por castigo matou 69 de seus 70 filhos (Jz. 6:11-14; 8:30; 9:5). Não livrou Davi do adultério e do homicídio (II Sm. 11 e 12). Não livrou Salomão da idolatria e da fornicação (I Rs. 11:1-11).

Continuemos a falar dos exércitos de Jeová, que é o nosso assunto. Os anjos de Jeová são guerreiros; os anjos de Jeová matam; os anjos de Jeová perseguem; os anjos de Jeová enganam; os anjos de Jeová amaldiçoam; os anjos de Jeová destróem. Os anjos de Jeová salvam (Is. 63:9). Os anjos de Jeová fazem e têm supremo poder.

Mas Jeová declara ter outros exércitos não muito compatíveis com a sua divindade, santidade e justiça. “E restituir-vos-ei os anos que foram consumidos pelos gafanhotos, a lagarta, o pulgão e a saúva cortadeira, o meu grande exército que enviei contra vós” (Jl. 2:25). Em vez de descerem do céu os exércitos de anjos, Jeová usa pragas como exércitos. O pobre povo de Deus, que foi libertado do Egito por Jeová com grandes promessas de habitar numa terra paradisíaca, onde emana leite e mel, plantava suas verduras e não comia porque a lagarta, o pulgão e a formiga cortadeira devoravam tudo. E naquele tempo não havia  agrotóxicos. Não havia como combater as pragas, ou melhor, os exércitos de Jeová.

O profeta Joel, revela da parte de Jeová; dizendo: “Fazei sobre isto uma narração a vossos filhos e vossos filhos a seus filhos, e os filhos destes à outra geração. O que ficou da largata, o comeu o gafanhoto, e o que ficou do gafanhoto o comeu a locusta, e o que ficou da locusta o comeu o pulgão (Jl. 1:3-4)“O campo está assolado, e a terra triste; porque o trigo está destruído, o mosto se secou, o óleo falta.  Os lavradores se envergonham, os vinhateiros gemem sobre o trigo e sobre a cevada; porque a colheita do campo pereceu. A vide se secou, a figueira se murchou; a romeira também; e a palmeira e a macieira; todas as árvores do campo se secaram, e a alegria se secou entre os filhos dos homens. Cingi- vos e lamentai-vos, sacerdotes; gemei ministros do altar” (Jl. 1:10-13). Os homens não tinham como se defender dos exércitos predadores de Jeová. Mas Jeová tem mais exércitos. “Disse mais Jeová a Moisés: Dize a Arão: Estende a tua vara. E fere o pó da terra, para que se torne em piolhos por toda a terra do Egito” (Ex. 8:16). E eu que por toda a minha vida pensei que, lagartas, pulgões, piolhos, gafanhotos e saúvas eram pragas satânicas para atormentar os homens. E o que se lê no livro de apocalípse. “Do abismo da terra subiu fumo como de uma fornalha, e do fumo vieram gafanhotos sobre a terra; e foi- lhes dado poder, como o poder dos escorpiões, para atormentar os homens que não têm nas testas o sinal de Deus. E tinham sobre si um rei; o Anjo de Abismo, que em hebreu é Abadom, e em grego Apoliom” (Ap. 9:1-11). Abadom quer dizer Destruidor. Ou o destruidor está imitando Jeová, ou está sendo imitado por ele. Tanto os gafanhotos de Apoliom, ou Abadom, como os gafanhotos de Jeová, são atormentadores dos homens.

Mas Jeová tem também exércitos de moscas. Jeová falou pela boca de Moisés a Faraó dizendo: “Se não deixares ir o meu povo, eis que enviarei enxames de moscas sobre ti, sobre teus servos, e sobre o teu povo, e as casas dos egípcios se encherão de moscas, e toda a terra em que estiverem” (Ex. 8:20-21). Os farizeus acusaram Jesus de expulsar demônios por Belzebu, príncipe dos demônios (Mt. 12:24). Belzebu quer dizer: “Senhor das moscas”.  Quem lê a Bíblia fica confuso, e sem saber quem é o senhor das moscas, esse inseto nojento e transmissor de germes e pestes. Será Belzebu ou será Jeová?

Para abrir caminho ao exército de Israel, Jeová enviava na frente exércitos de vespões, desses pretos, cujo ferrão produz dores insuportáveis e veneno mortal (Dt. 7:20; Ex. 23:28; Js. 24:11-12).

Mas Jeová tem mais exércitos: : exército de serpentes. O povo, errante pelo deserto, debaixo de um sol causticante, cansado e oprimido, vendo os filhinhos secarem, por falta de pão e água, reclamaram,  falando contra Moisés e contra Jeová. Jeová enviou então um exército de serpentes com veneno mortal. Morreu muito povo. O povo então se humilhou, e Jeová mandou Moisés fazer uma serpente de metal e colocar numa haste. Quem olhasse para a serpente sarava (Nm. 21:4-9).

O maior contra-senso que se observa é que Jesus revelou um Deus bom, perdoador, paciente, salvador, misericordioso, pacífico e amigo dos  homens, totalmente oposto a Jeová, cujas obras são também as obras de Satanás. Quem afirmar que Jeová é o pai espiritual de Jesus, arma a pena de   escritores como Jack Miles, que escreveu o livro “Deus, uma biografia”, onde afirma que Satanás é uma das faces de Deus. Os cristãos judaizantes fazem tanta questão de glorificar o deus que tem um Satã oculto nele, que acabam desprezando o Deus revelado por Jesus, e que é igual a Jesus (Jo. 14:9).

 

Autoria: Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta