(405) – OS TESOUROS

OS  TESOUROS

  • · Jeová tem diversos tesouros. O primeiro e mais famoso é o ouro e a prata. Todo o ouro e toda a prata deste mundo pertencem a Jeová. Ele é quem declara: “Minha é a prata, e meu é o ouro, disse Jeová dos Exércitos” (Ag. 2:8). É ele que distribui esses metais preciosos. Elifaz, um dos três amigos de Jó, acusando-o disse: “Une-te, pois, a ele, e tem paz, e assim te sobrevirá o bem. Aceita, peço-te, a lei da sua boca, e põe as suas palavras no teu coração. Se te converteres ao Todo-poderoso, serás edificado; afasta a iniqüidade da tua tenda. Então amontoarás ouro como pó, e o ouro de Ofir como pedras dos ribeiros. E até o Todo-poderoso te será por ouro, e por prata amontoada. Porque então te deleitarás no Todo-poderoso, e levantarás o teu rosto para deus. Tu orarás a ele, e ele te ouvirá; e pagarás os teus votos” (Jó 22:21-27). Salomão diz: “A bênção de Jeová é que enriquece, e não acrescenta dores” (Pv. 10:22). A riqueza material é bênção de Jeová, o Todo poderoso (Pv. 22:2).Jeová faz até o usurário (Pv. 29:13).

Podemos afirmar com precisão que esse tesouro tão cobiçado pelos adoradores de Jeová, não vem de Jesus. Sua doutrina sempre foi contra o ouro e a prata. Ele disse: “Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam. Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça e nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam” (Mt. 6:19-20). Um jovem muito rico em bens, disse a Jesus: “Mestre, que bem farei para herdar a vida eterna? Jesus lhe disse: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades” (Mt. 19:16-22). E Jesus disse mais: “Qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo” (Lc. 14:33).

  • · Jeová tem também os tesouros das trevas (Is. 45:3). Jeová estava dando os tesouros da escuridão a Ciro, o persa. Tesouro das trevas é o poder temporal, abater as nações pela guerra, abrir as portas dos reinos para que Ciro entre vitorioso (Is. 45:1-3). Ciro foi um rei feroz e matador. Rubens, insigne pintor flamengo, nascido em Antuérpia, pintou um monumental quadro em 1622, onde mostra Tamirys, rainha dos messegetas, que, para celebrar o seu triunfo sobre o todo poderoso Ciro, faz banhar no sangue a sua cabeça, em cumprimento à promessa de vingança pela perda do filho. Em meio à corte, mergulhando a cabeça em sangue, ela disse: Bebe sangue, rei sanguinário. Esses são os tesouros das trevas, ou tesouros do mal, pois Jesus disse: “E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más” (Jo. 3:19; Ef. 5:8-14). Jeová está oculto nas trevas porque é ele que manipula todas as guerras que se fazem debaixo do céu. Davi, num salmo disse: “Jeová fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas” (Sl. 18:11). Oculta-se nas trevas porque as guerras todas vêm dele, as revoluções e revoltas, o terrorismo. A guerra entre judeus e árabes vem de Jeová, mas ninguém se dá conta disso, e assim ele está oculto nas trevas. A escuridão das águas que o cercam, são povos entregues ao crime, ao roubo, e à busca de poder e riqueza (Ap. 17:15).
  • · Pertencem a Jeová, também os tesouros da impureza e da corrupção. Moisés escreveu: “Como pode ser que um só perseguisse mil, e dois fizessem fugir a dez mil, se a sua rocha os não vendera, e Jeová não os entregara? Porque a sua rocha não é como a nossa rocha, sendo até os nossos inimigos juizes disto. Porque a sua vinha é a vinha de Sodoma e dos campos de Gomorra; as suas uvas são uvas de fel, cachos amargosos têm. O seu vinho é ardente veneno de dragões, e peçonha cruel de víboras. NÃO ESTÁ ISTO ENCERRADO COMIGO? SELADO NOS MEUS TESOUROS?” (Dt. 32:30-34). Incrível! Mas está escrito. A corrupção de Sodoma e Gomorra, de Israel e Judá, fazem parte dos tesouros de Jeová. Davi, em outro salmo, diz: “Dos homens, com a tua mão, Jeová, dos homens do mundo, cuja porção está nesta vida, e cujo ventre enches do teu tesouro oculto; seus filhos estão fartos, e estes dão os seus sobejos às suas crianças” (Sl. 17:14). O tesouro oculto de Jeová é exatamente o vinho de Sodoma.
  • · Outro tesouro de Jeová são suas armas, os instrumentos da sua indignação e da sua ira. Jeová falando: “Laços te armei, e também foste presa, ó Babilônia, e tu não o soubeste; foste achada, e também apanhada, porque contra Jeová te entremeteste. Jeová abriu o seu tesouro, e tirou os instrumentos da sua indignação; porque Jeová dos Exércitos, tem uma obra a realizar na terra dos caldeus” (Jr. 50:24-25).

Jeová fala: “Eu fiz a terra, o homem, e os animais que estão sobre a face da terra, pelo meu grande poder, e com o meu braço estendido, e a dou àquele que me agrada em meus olhos. E agora eu entreguei todas estas terras na mão de Nabucodonosor, rei de Babilônia, meu servo; e ainda até os animais do campo lhe dei, para que o sirvam” (Jr. 27:5-6). E isso aconteceu. Nabucodonosor não sabia que nos tesouros de Jeová, já estava determinada a destruição de Babilônia. E foi de tal modo que dos caldeus não sobrou nada. Jeová já tinha elegido Dario, rei dos medos, para realizar esta obra. E a destruição foi assim descrita cento e cinqüenta anos antes, por Isaías: “Pelo que farei estremecer os céus, e a terra se moverá do seu lugar, por causa do furor de Jeová dos Exércitos, e por causa do dia da ardente ira. E cada um será como a corça que foge, e como a ovelha que ninguém recolhe; cada um voltará para o seu povo, e cada um fugirá para a sua terra. Todo o que for achado será traspassado; e todo o que for apanhado, cairá à espada. E suas crianças serão despedaçadas perante os seus olhos; as suas casas serão saqueadas, e as suas mulheres violadas. Eis que eu despertarei contra eles os medos, que não farão caso da prata. E os seus arcos despedaçarão os mancebos, e não se compadecerão do fruto do ventre. E Babilônia, o ornamento dos reinos, a glória e a soberba dos caldeus, será como Sodoma e Gomorra, quando deus as transtornou” (Is. 13:13-19). E Jeová chamou os cruéis e destruidores guerreiros medos e seu rei, Dario, de seus santificados

(Is. 13:3).

O pior de tudo é que Israel, chefiado pelo seu Messias, estavam predestinados para a mesma missão dos medos (Jr. 51:19-24). Israel foi escolhido por Jeová como seu tesouro peculiar, não para exercer a paz, mas para pisar e escravizar (Sl. 47:3). Não para salvar, mas para despedaçar. Isso deveria ter sido feito há dois mil anos. Jesus, porem, negou-se a reinar no inferno, e pregou o reino de Deus, o Pai, que é fora da terra (Jo. 14:1-3; Mt. 25:31-41). Paulo declara o mesmo (Fp. 3:20-21; II Tm. 4:18). Pedro também (I Pd. 1:3-4).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira 

Deixe uma resposta