(713) – DEUSES EM COLISÃO 6

1)   Iahweh não reparte a glória com ninguém. Ele disse no Velho Testamento: “Eu sou Iahweh; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura” (Is.42:8).

     “E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um” (Jo.17:22). Isto disse Jesus, no Novo Testamento.

2)   “O temor de Iahweh é o princípio da sabedoria, e o ciência do Santo, a prudência” (Pv.9:10).“O temor de Iahweh é uma fonte de vida, para preservar dos laços da morte” (Pv.14:27).

     No Novo Testamento: “Na caridade, não há temor; antes a perfeita caridade lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em caridade” (I Jo.4:18). Iahweh não gera homens perfeitos. E o homem perfeito não teme mais a Iahweh: “E, sobre tudo isto, revesti-vos de caridade, que é o vinculo da perfeição” (Cl.3:14). A caridade é também amor: “Amados, amemo-nos uns aos outros, porque a caridade é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é caridade” (1 Jo.4:7-8). “Qualquer que aborrece a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem permanente nele a vida eterna” (1 Jo.3:15). “Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; quem não ama a seu irmão permanece na morte” (1 Jo.3:14).

3)   No Velho Testamento os filhos de Deus eram todos nascidos na carne: “Quando teus dias forem completos, e vieres a dormir com teus pais, então, farei levantar depois de ti a tua semente, que procederá de ti, e estabelecerei o teu reino. Este edificará uma casa ao meu nome, e confirmarei o trono do seu reino para sempre. Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho” (2 Sm.7:12-14).

     No Novo Testamento para ser filho de Deus tem que nascer de outra forma: “Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo.1:12-13).

4)   Iahweh, no Velho Testamento, é um Deus que muda: “Iahweh cheirou o suave cheiro, e disse Iahweh em seu coração: Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem, porque a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice; nem tornarei mais a ferir a todo vivente, como fiz” (Gn.8:21).

      No Novo Testamento, Deus não muda: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação” (Tg.1:17).

5)   No Velho Testamento não há outro Deus: “Eu, eu sou Iahweh, e fora de mim não há Salvador” (Is.43:11). “Assim diz Iahweh, Rei de Israel e seu Redentor; Iahweh dos Exércitos: Eu sou o primeiro e eu sou o último, e fora de mim não há Deus” (Is.44:6).

      No Novo Testamento são três deuses: Pai, Filho e Espírito Santo: “E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt.28:18-19).

6)   No Velho Testamento reinava a morte: “No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir” (Rm.5:14).

     No Novo Testamento reina a vida: “Porque, se, pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo” (Rm.5:17).

7)   No Velho Testamento o caminho era a lei: “Declara-lhes os estatutos e as leis, e faze-lhes saber o caminho em que devem andar, e a obra que devem fazer” (Ex.18:20).

       No Novo Testamento Jesus disse: “Disse-lhes Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo.14:6).

8)   No Velho Testamento: “Porquanto dizeis: Fizemos concerto com a morte e com o inferno fizemos aliança; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos” (Is.28:15). No Velho Testamento reinava a morte, portanto, o concerto tinha de ser com a morte: “No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir” (Rm.5:14). “Um discípulo disse para Jesus: Senhor, permite-me que, primeiramente, vá sepultar meu pai. Jesus, porém, disse-lhe: Segue-me e deixa aos mortos sepultar os seus mortos” (Mt.8:21-22). Este discípulo tinha que fazer uma escolha: ou sepultar o pai, fazendo concerto com a morte; ou seguir a Jesus, fazendo concerto com a vida. Jesus é mais importante do que o defunto pai.

Autoria: Pr. Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta