(299) – DRAGÃO – X

DRAGÃO 10

         O Velho Testamento era cheio de figuras. Adão e Eva eram figuras  (Rm. 5:14). O dilúvio era figura(I Pd. 3:21). Na terra existem figuras de coisas que estão nos céus (Hb. 9:23-24). Figuras que são advertências (I Co. 10:11). Abraão foi uma figura, pois em Lc. 16:22 lemos que Lázaro morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão. Por que não está escrito, seio do Pai? Jesus, o filho unigênito de Deus, está no seio do Pai (Jo. 1:18).

Os que Jesus salva vão para o seio do Pai, pois Jesus disse: “Na casa de meu pai há muitas moradas; vou preparar-vos lugar” (Jo. 14:2). Quem vai para o seio de Abraão vai para outro lugar. O mendigo lázaro foi para o sei de Abraão porque padeceu fome, ao passo que o cristão comeu o pão da vida (Jo. 6:51). Lázaro desejava comer as migalhas da mesa do rico que caiam, não o pão de Cristo (Lc. 16:19-21). O rico da parábola personificava o sacerdote, pois vestia-se de púrpura e linho fino, que eram roupas sacerdotais (Ex. 28:4-6). Vemos assim, que o pobre Lázaro era israelita pobre e desgraçado, que olhando para a pompa da vida dos sacerdotes, pensava: Como pode ser que os sacerdotes vivam como ricos sem trabalhar, e eu dou um duro danado e vivo nesta miséria?

Vejamos se Abraão é figura, e de quem é figura:

Jeová falou com Abraão, dizendo: “Saibas, de certo, que peregrina será a tua semente em terra que não é sua, e servi-los-ão; e afligi-los-ão quatrocentos anos” (Gn. 15:13-14). A forma pelo qual Jeová revelou os detalhes do que ia acontecer à descendência de Abraão forma uma deslumbrante figura. Aconteceu assim:

1 – E havia fome naquela terra, e desceu Abrão ao Egito, para peregrinar ali (Gn. 12:10). Duzentos anos mais tarde, aconteceu o mesmo: “E a fome era gravíssima na terra” (Gn. 43:1).

2 – Abrão desce ao Egito com Sarai, sua mulher (Gn. 12:11). Duzentos anos mais tarde Jeová levou Israel ao Egito pelas mãos de José, filho de Jacó (Gn. 46:26). Toda a casa de Jacó se compunha de sessenta e seis almas.

3 – Abraão, na terra do Egito, não se revela como marido de Sarai, e lhe pede que declare ser sua irmã(Gn. 12:12-13). Jeová também não se revelou aos egípcios como o deus de Israel por oitenta anos, pois José foi investido de autoridade plena sobre o Egito com 30 anos, e morreu com 110 (Gn. 41:42-46; 50:26). Só após a morte de José começou o cativeiro que durou cento e vinte anos. Jeová por duzentos anos não se manifestou, enquanto o povo se multiplicava.

4 – Sarai, mulher de Abrão, foi tomada por Faraó, para ser sua esposa: “E aconteceu que, entrando Abrão no Egito, viram os egípcios a mulher, que era mui formosa. E viram-na os príncipes de Faraó, e gabaram-na diante de Faraó; e foi a mulher tomada para a casa de Faraó” (Gn. 12:14-15). A beleza de Israel, isto é, o povo de Israel, apareceu por causa da beleza do caráter de José. Quando Jacó chegou ao Egito, o texto diz: “E Jacó abençoou a Faraó, e saiu de diante da face de Faraó. E José fez habitar a seu pai e seus irmãos, e deu-lhes possessão na terra do Egito, no melhor da terra, na terra de Ramessés, como Faraó ordenara” (Gn. 47:10-11). Aconteceu assim o casamento de Faraó com Israel do qual Sarai era figura. Por oitenta anos o povo de Israel foi amado por Faraó e o Egito, tempo esse que durou até a morte de José.

5 – Abrão fica rico no Egito, enquanto Sarai é esposa de Faraó. O texto diz: “E Faraó fez bem a Abrão por amor dela; e ele teve ovelhas, e vacas, e jumentos, e servos e servas, e jumentas, e camelos” (Gn. 12:16).Jeová também enriqueceu no Egito, pois disse a Jacó: “Eu sou deus, o deus de teu pai; não temas descer ao Egito, porque eu te farei ali uma grande nação” (Gn. 46:3). E a herança de Jeová é o reino de Israel. Davi cantou um salmo dizendo: “Tu, ó deus, mandaste a chuva em abundância, confortaste a tua herança” (Sl. 68:9). E Asafe canta em outro salmo: “Lembra-te da tua congregação, que compraste desde a antigüidade, da tua herança que remiste” (Sl. 74:2). O profeta Jeremias declara, dizendo: “Israel é a tribo da tua herança; o Senhor dos exércitos é o seu nome” (Jr. 51:19). O aumento do povo de Israel é o aumento da herança de Jeová, pois é sua riqueza. E foi assim que Jeová enriqueceu no Egito, pois Faraó amava Sarai, isto é, Israel.

6 – Jeová, então, feriu a Faraó com grandes pragas, e a sua casa, por causa de Sarai, mulher de Abrão(Gn. 12:17). E Jeová fere o Egito, que é a casa de Faraó com grandes pragas, isto é, dez pragas, que estão narradas no livro de Êxodo, do capítulo sete ao quatorze. Só que desta vez não foi por causa de Abraão, que já era morto a mais de trezentos anos; Jeová feriu o Egito porque revelou-se como esposo daquela nação, da qual Sarai foi figura.

7 – No tempo de Abraão, depois das pragas, Faraó devolve Sarai a Abrão, seu marido (Gn. 12:18-19). Quatrocentos anos depois, Jeová fere a Faraó e todo o Egito com nove pragas, porquanto Faraó estava endurecido. Mas a última praga, a décima, que foi a morte de todos os primogênitos do Egito, essa praga terrível, que matou o filho primogênito de Faraó, demoliu a sua resistência, e Faraó disse a Moisés: “Levantai-vos, sai do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel; e ide, servi a Jeová” (Ex. 12:31). Faraó devolve a esposa de Jeová.

Fica assim provado, com a comparação figurada de Abrão e Sarai, Jeová e Israel, que Abrão é figura de Jeová no Velho Testamento. É por isso que os fariseus e saduceus afirmavam que Abraão era seu pai. O apóstolo João registrou essa declaração, quando os fariseus resistiam a Jesus, que lhes dizia não conhecerem a verdade; então responderam furiosos: “Nosso pai é Abraão” (Jo. 8:32-39). Quando afirmaram que eram filhos de Abraão, queriam dizer que eram filhos de Jeová (Is. 64:8).

Como Faraó é o dragão (Ez. 29:3), ao permitir que Sarai fosse possuída por Faraó em Gn. 12:15-16, e ao permitir que seu povo Israel fosse formado no Egito de Faraó (Gn. 46:3). Tanto Sarai, como Israel foram entregues na mão de Satanás para serem formados. É por isso que Jesus disse aos judeus:“Vós tendes por pai o diabo, e quereis satisfazer os desejos do vosso pai; ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele” (Jo. 8:44).

8 – Damos duas explicações necessárias. A primeira e que Jeová declara que desposou Israel na antigüidade, isto é, antes de ser povo grande. Isto está em Ez. 16:2-8.

A segunda coisa é que Paulo chama Abraão de pai da fé, e muitos o comparam com Jesus. O texto de Paulo diz: “Assim como Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça, sabei pois que os que são da fé são filhos de Abraão. Ora, tendo a escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: todas as nações serão benditas em ti. De sorte que os que são da fé são benditos como o crente Abraão” (Gl. 3:6-9). Abrão foi o primeiro que creu, e Jesus é o autor da fé, logo Abraão não podia ser figura de Cristo; mas é o primeiro crente, o primeiro que ouviu o evangelho, e creu.

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta