(564) – DOIS MINISTÉRIOS – XXV

DOIS  MINISTÉRIOS  25

O Velho Testamento é o ministério da injustiça, e o Novo Testamento é o ministério da justiça. Comecemos pelo ministério da injustiça, que é o ministério de Jeová e dos anjos. É obvio que está escrito que havia justiça no Velho Testamento. Leiamos: “A tua justiça é eterna, e a tua lei é a verdade” (Sl.119:142). “Ouvi-me, vós que conheceis a justiça, vós, povo, em cujo coração está a minha lei” (Is.51:7). Vamos ver se no ministério de Jeová havia justiça:

  1.  Não é justo que o deus Jeová cobre dos filhos a maldade dos pais: “Preparai a matança para os filhos por causa da maldade de seus pais” (Is.14:21).
  2. “Moisés e Arão fizeram todas as maravilhas diante de Faraó, mas Jeová endureceu o coração de Faraó, que não deixou os filhos de Israel sair de sua terra” (Ex.11:10). Então Jeová mata a todos os primogênitos, desde o primogênito de Faraó, até os primogênitos dos cativos, e até os primogênitos dos animais (Ex.12:29). Isto é o cúmulo da injustiça. Jeová endurece o coração de Faraó, para que não deixasse o povo sair do Egito no capítulo onze de Números, e no capítulo dozemata os primogênitos do Egito, porque Faraó não deixou Israel sair do Egito? Ou melhor, Faraó queria deixar, mas Jeová, o deus sádico, endureceu o seu coração. Mas eu tenho um caso mais tenebroso:
  3. Quando Israel saiu do Egito pela mão de Moisés, os amalequitas fizeram guerra contra Israel. Quem era Amaleque? (Gn.36:12-16). Amaleque era um príncipe e neto de Esaú, filho de Isaque. Era, portanto, da linhagem de Abraão. Mas porque Amaleque fez guerra a Israel, Jeová se encheu de ódio eterno contra Amaleque, e disse: “Porquanto jurou Jeová, haverá guerra de Jeová contra Amaleque de geração em geração” (Ez.17:16). Quatrocentos e trinta anos mais tarde, quando Saul foi ungido rei sobre Israel, Jeová disse ao rei: “Eu me recordei do que fez Amaleque a Israel, como se lhe opôs no caminho, quando subia do Egito. Vai, pois, agora e fere a Amaleque, e destrói totalmente a tudo o que tiver, e não lhes perdoes; porém matarás desde o homem até a mulher, desde os meninos até aos de mama, desde os bois até às ovelhas, e desde os camelos até aos jumentos” (I Sm.15:2-3). No exército de Saul eram duzentos e dez mil soldados(I Sm.15:4). Foram mortos a fio de espada velhos, moços, mulheres e crianças, grávidas, milhares de bebês de mama, todos inocentes. Mas onde não há amor, não há justiça nem piedade.
  4. Mas as Escrituras Sagradas narram coisas mais horripilantes. Saul, rejeitado por Jeová, estava morto há mais de trinta anos, e Davi reinava em lugar dele. Saul devia estar no inferno, pois quem lançava no inferno era Jeová (Ez.31:16-17). O mais certo é que Saul está esperando a ressurreição do juízo, conforme Jo.5:28-29. O fato é que o cruel Jeová curtia um ódio mortal contra o defunto Saul. Então Jeová teve uma idéia genial: Fez vir sobre Israel uma fome de três anos, de ano em ano. Davi foi perguntar a Jeová sobre o assunto, e Jeová disse: É por causa de Saul, e da sua casa sanguinária; porque matou os gibeonitas. Ora, os gibeonitas não eram do povo de Israel, mas faziam parte dos amorreus e cananeus, e com enganos conseguiram se unir a Israel. Davi disse aos gibeonitas: Que quereis que eu vos faça para resolver esta questão? Eles disseram: Dá-nos sete filhos de Saul para que os enforquemos a Jeová, e estará tudo resolvido entre nós. Davi pegou sete filhos de Saul, e os deu na mão dos gibeonitas, os quais foram enforcados em sacrifício a Jeová (II Sm.21:4-9). Depois disso, Jeová se aplacou para com a terra. Fica assim provado que não havia justiça no Velho Testamento, pois sete inocentes foram enforcados a Jeová. Essa história toda da vingança de Jeová contra o defunto de Saul está no segundo livro de Samuel, capítulo 21:1 a 14.Os gibeonitas foram fantoches na mão de Jeová.
  5. Vejamos o ministério da justiça do Novo Testamento: “Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê” (Rm.10:4). Ora, Cristo não faz parte do sacerdócio levítico, que é o ministério da lei (Hb.7:8-14). Se o fim da lei é Cristo, para que haja justiça, a lei é o ministério da injustiça.

 

Autoria: PASTOR OLAVO SILVEIRA PEREIRA

Deixe uma resposta