(496) – O ESPÍRITO SANTO DE JEOVÁ – I

O ESPÍRITO SANTO DE JEOVÁ 1

Jesus disse: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. E isto disse ele do Espírito Santo que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado” (Jo.7:38-39). Examinando no grego, o texto diz que não havia Espírito Santo. Por que Jesus fez esta declaração, se no Velho Testamento aparece duas vezes a palavra Espírito Santo? (Sl.51:11; Is.63:10). A palavra ESPÍRITO no hebraico é RUAR (VENTO). A palavra SANTO é KADOSH. Traduzindo a palavra RUAR KADOSH, temos VENTO SANTO.

Nós podemos saber se o Espírito Santo de Jeová é o mesmo do Novo Testamento, comparando a obra do espírito de Jeová com a obra do Espírito Santo do Pai no Novo Testamento. Vejamos:

  1. O espírito santo de Jeová é espírito de contenda: “Disse Jeová: O meu espírito não contenderá para sempre com o homem, porque ele também é carne” (Gn.6:3). Mas o Espírito Santo do Pai é Espírito de comunhão: “A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com vós todos. Amém” (II Co.13:13).
  2. O espírito santo de Jeová era inimigo de Israel: “Mas eles foram rebeldes, e contristaram o seu espírito santo; pelo que se lhes tornou em inimigo, e ele mesmo pelejou contra eles” (Is.63:10). O Espírito Santo de Deus é amigo do homem e o defende: Disse Jesus: “Eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro consolador, para que fique convosco para sempre; o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós” (Jo.14:16-17).
  3. O espírito santo de Israel é espírito de escravidão: “Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai!” (Rm.8:15). No Velho Testamento não havia filhos de Deus, mas só servos, escravos. O apóstolo Paulo é quem revela isso, dizendo: “Dizei-me os quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei? Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da livre. Todavia o que nasceu da escrava nasceu segundo a carne, mas o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria, porque estes são os dois concertos; um, do monte Sinai, gerando filhos para a escravidão, que é Agar. Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém, que agora existe, pois é escrava com seus filhos” (Gl.4:21-25). A lei e Jeová impõem um jugo de servidão insuportável. É o que declara Pedro em At.15:1-10. E o próprio Jeová declara que é o deus da servidão: “Então se humilharam os príncipes de Israel, e o rei, e disseram: Jeová é justo. Vendo, pois, Jeová que se humilhavam, veio a palavra de Jeová a Semaías, dizendo: Humilharam-se, não os destruirei; antes em breve lhes darei lugar de escaparem, para que o meu furor não se derrame sobre Jerusalém, por mão de Sisaque. Porem serão seus servos, para que conheçam a diferença da minha servidão e da servidão dos reinos da terra” (II Cr.12:6-8). O Espírito Santo do Pai, é o contrário do espírito de Jeová, como esclareceu Paulo acima, no texto de Rm.8:15.
  4. O espírito santo de Jeová é a bandeira de guerra de Jeová. O profeta Isaías assim diz: “Então temerão o nome de Jeová desde o poente, e a sua glória desde o nascente do sol; vindo o inimigo como uma corrente de águas, o espírito de Jeová arvorará contra ele a sua bandeira” (Is.59:19). É claro que o espírito santo de Jeová não pode ser diferente do que ele é, pois seu nome é Jeová Tsebaot (Jeová dos Exércitos – Sl.24:10). E Moisés declara que Jeová é varão de guerra; seu espírito santo também. O rei Davi era cheio do espírito santo de Jeová, e fez tantas guerras derramando tanto sangue, que Jeová, varão de guerra, o proibiu de edificar o templo (I Cr.22:8).

O Espírito Santo do Pai é de paz. Paulo diz: “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Rm.14:17). A paz é fruto do Espírito Santo do Pai(Gl.5:22).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

 

Deixe uma resposta