(294) – DRAGÃO – VI

DRAGÃO 6

NABUCODONOSOR

 

         Babilônia era a capital da antiga Caldeia, à beira do rio Eufrates, uma das maiores e mais ricas cidades do oriente. Nabucodonosor II, o Grande, reinou na Caldeia de 605 a 562 AC. Esse grande e poderoso rei destruiu o reino de Judá, queimou o templo de Jeová e a casa do rei Zedequias, cujos filhos foram degolados diante de seus olhos; e depois foram vazados seus olhos; ataram-no com duas cadeias de bronze, e foi levado para a Babilônia. Queimaram todos os palácios de Jerusalém e derrubaram os seus muros. O povo foi levado cativo para a Babilônia, ficando somente os pobres e lavradores. Saquearam também todo o ouro, e prata e objetos preciosos. O fim do reino de Judá, e o cativeiro do povo, começou no ano 587 AC.

Pois bem. Nabucodonosor foi chamado de dragão pelo profeta Jeremias. O texto diz:“Nabucodonosor, rei de Babilônia, me devorou, pisou-me, fez de mim um vaso vazio, como dragão me tragou, encheu o seu ventre de minhas delicadezas” (Jr. 51:34). Ora, o dragão é Satanás, como lemos em Ap.12:9. Sendo assim, Nabucodonosor é figura de Satanás. O profeta Isaias faz uma profecia à respeito de Nabucodonosor, que toda a cristandade nestes dois mil anos aplica a Satanás. Isso se acha no capítulo quatorze do livro de Isaias. Vejamos a ordem dada a Isaias: “Então proferirás este dito contra o rei de Babilônia; e dirás: Como cessou o opressor! a cidade dourada acabou!” (Is. 14:4). Agora transcrevemos a profecia: “Já foi derribada no inferno a tua soberba com o som dos teus alaúdes; os bichinhos debaixo de ti se estenderão, e os bichos te cobrirão. Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, da banda dos lados do norte. Subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo. Os que te virem te contemplarão, considerar-te-ão, e dirão: É este o varão que fazia estremecer a terra, e que fazia tremer os reinos?” (Is. 14:11-16). Esta profecia é usada teologicamente para explicar a queda de Satanás. Diz também que Satanás era um anjo de luz que caiu em pecado de soberba e foi lançado na terra, que é o abismo (Pv. 8:26-27; Sl. 104:5-6). Jesus quando desceu a este mundo, desceu ao abismo (Rm. 10:6-7).

Pois o apóstolo João declara que o diabo peca desde o princípio, isto é, foi criado perverso (I Jo. 3:8). A serpente do paraíso é o diabo, ou Satanás, e foi criada neste mundo, isto é, no abismo. “Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que Jeová tinha feito” (Gn. 3:1). E Jesus diz mais, à respeito dos religiosos do seu tempo: “Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira” (Jo. 8:44). Vemos que Satanás foi feito caído, nunca foi anjo de luz; mas anjo das trevas ele é (At. 26:18).

Voltemos a Nabucodonosor, grande figura do dragão, que é também Satanás. Jeová tinha especial apreciação e carinho para com Nabucodonosor, o dragão. Jeová declarou: “Eu fiz a terra, o homem, e os animais que estão sobre a face da terra, pelo meu grande poder, e com o meu braço estendido, e a dou àquele que me agrada em meus olhos. E agora eu entreguei todas estas terras na mão de Nabucodonosor, rei de Babilônia, MEU SERVO; e ainda até os animais do campo lhe dei, para que o sirvam” (Jr. 27:5-6). Um deus que deve ser justo e bondoso para com todos, declarar que o cruel e carniceiro Nabucodonosor lhe agrada os olhos, é grave. E entregar a terra com todos os reinos na mão desse rei feroz, é não ter caridade; mas depois que sabemos que Jeová contou a história de Satanás, figurada alegoricamente na história de Nabucodonosor, e que Jeová chama satã de seu servo, agradável aos olhos, ficamos com os cabelos arrepiados. E Jeová diz mais: “E acontecerá que, se alguma nação e reino não servirem ao mesmo Nabucodonosor, rei de Babilônia, e não puserem o seu pescoço debaixo do jugo do rei de Babilônia, visitarei com espada, e com fome, e com peste essa nação, diz Jeová, até que a consuma pela sua mão” (Jr. 27:8-9). Satã, servo de Jeová, tenta a Jesus com os reinos deste mundo, e a sua glória, afirmando que foi presente de Jeová (Lc. 4:5-8). E Jeová era contra qualquer profeta que profetizasse contra o dragão, isto é, Satanás, isto é, Nabucodonosor; e avisou que, todos os que se submetessem ao dragão, seriam obsequiados por Jeová (Jr. 27:9-11).

E Jeová falou aos judeus, seu povo, que ele salva do cativeiro egípcio: “Metei os vossos pescoços no jugo do rei de Babilônia, e servi-o, a ele e ao seu povo, e vivereis. Por que morrerias tu e o teu povo, à espada, e à fome, e de peste, como Jeová disse da gente que não servir ao rei de Babilônia?” (Jr. 27:12-13). Estas palavras foram ditas por Jeremias, o profeta, a Zedequias, rei de Judá, antes de lhe degolarem os filhos, e lhe vazarem os olhos, e o atarem com cadeias, e o levaram preso para a Babilônia.

Analisando a tentação de Jesus, através da qual, satã lhe ofereceu todos os reinos deste mundo, afirmando que lhe foram entregues, temos o seguinte a dizer: Jeová era o rei deste mundo: “Porque Jeová altíssimo é tremendo, e Rei grande sobre toda a terra” (Sl. 47:2). “Pois Jeová é o Rei de toda a terra; cantai louvores com inteligência. Jeová reina sobre as nações” (Sl. 47:7-8)“Dizei entre as nações: Jeová reina; o mundo também se firmará para que não se abale” (Sl. 96:10). “Quem te não temeria a ti, ó Rei das nações” (Jr. 10:7). “Jeová reina, tremam as nações” (Sl. 99:1). “Alegrem-se os céus, e regozije-se a terra; e diga-se entre as nações: Jeová reina” (I Cr. 16:31). É incrível, acabamos de mostrar que a Escritura declara que a terra é o abismo (Pv. 8:26-27; Sl. 104:5-6; Sl. 30:3). E também lemos na carta aos Romanos que Jesus desceu ao abismo para tirar os homens da morte e salvá-los (Rm. 10:6-7). E Jeová reinava sobre este abismo habitado por mortos? (Rm. 5:17; Jo. 5:24-25). E no Apocalipse lemos que o rei do abismo se chama Abadom em hebraico e em grego Apoliom? (Ap. 9:11). Será que Jeová é Abadom? Abadom quer dizer destruidor, e Jeová disse: “Destruirei de sobre a face da terra o homem que criei” (Gn. 6:7). Foi Jeová que destruiu os primogênitos do Egito (Ex. 12:23). Foi Jeová que destruiu seu próprio povo (Dt. 28:20, 45, 48 e 61).

Mas existe uma luz para o pecador que está em trevas: JESUS (Jo. 12:46). Existe um remédio que arranca dos nossos ombros o peso do pecado: O SANGUE DE JESUS (Ap. 1:5).

Existe alguém que ama o pecador perdido, e deu a vida para que ele não seja destruído por Jeová. JESUS (Lc. 9:56).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta