(208) – BRINCANDO DE ESCONDE-ESCONDE

BRINCANDO DE ESCONDE-ESCONDE

     Pobre Adão! Pensou que podia se esconder de Jeová entre as árvores do jardim. Foi achado, acusado, castigado, e desgraçado para sempre; ele e seus descendentes (Gn. 3:8). Nesta brincadeira de esconde-esconde, a coisa é séria e fatal. “E a Adão disse: Porquanto deste ouvidos a voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei dizendo: Não comerás dela; maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida. Espinhos e cardos também te produzirá, e comerás a erva do campo. No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes a terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó; e em pó te tornarás” (Gn. 3:17-19). “Então disse Jeová Elohim: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, pois, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente, Jeová Elohim, pois, o lançou fora do Jardim do Edem, para lavrar a terra de que fora tomado” (Gn. 3:22-23). O que foi prometido foi a morte, não a tortura e o flagelo.

Outro caso clamoroso foi o do rei Davi, o querido de Jeová. Davi tinha trinta e sete valentes no seu exército, todos eles varões de renome, verdadeiros gigantes na arte de matar. Sua estória acha-se emII Sm. 23:8-39. Um deles, de nome Urias, era casado com uma mulher de extrema beleza. Eram vizinhos, e Davi se sentia terrivelmente atraído pela mulher de Urias, que costumava se banhar ao sol, perto do terraço da casa real, bem em frente. Davi não teve dúvidas. Enviou seus exércitos chefiados por Joabe para destruir os filhos de Amom, e ficou em casa. À tarde ficou passeando no terraço. Logo apareceu a Diva, formosa e exuberante, cujo nome era Bat-Seba. Descontrolado sentimentalmente, mandou buscá-la. Trouxeram-lhe a ninfa. Davi deitou-se com ela, na condição de que o filho nascido seria o rei de Israel. Davi jurou, cego pelo prazer carnal. Bat-Seba engravidou. Davi, para tentar escapar de um escândalo, mandou buscar Urias, que sendo forçado pelo rei a se deitar com a própria esposa, negou-se duas vezes. O rei então planejou a sua morte mandando-o de volta à frente de batalha: Urias morreu e Davi casou com a adúltera. Parecia que estava tudo bem. Davi se escondeu atrás do crime para oficializar uma vida de adultério. Jeová enviou o profeta Natã acusar o pecado de Davi de forma implacável. À semelhança de Adão, os descendentes de Davi foram atingidos por terríveis maldições. É de se notar que as maldições foram anunciadas por Jeová, o deus das maldições (II Sm. 12:9-12). Jeová matou o filho dessa união sexual abominável (II Sm. 12:14-20). Jeová colocou uma paixão mórbida no coração de Amnom por sua irmã Tamar. Este, cego pela paixão, violentou a própria irmã. Davi tinha muitas mulheres. Amnom era filho de Ainoã, e Tamar era filha de Maaca (I Cr. 3:1-2). Foi um escândalo na casa real.

Absalão, irmão de Tamar, matou Amnom, o primogênito de Davi (II Sm. 13:23-29). Então, de acordo com a palavra de Jeová em II Sm. 12:11-12, Absalão pegou dez concubinas de seu pai Davi, e estrupou-as em público. “Estenderam pois, para Absalão uma tenda no terraço; e entrou Absalão às concubinas de seu pai, perante os olhos de todo Israel” (II Sm. 16:22; 20:3).

Antes de Cristo ninguém escapava das mãos vingativas de Jeová, que declarou pela boca de Jeremias, o profeta: “Esconder-se-ia alguém em esconderijos, de modo que eu não o veja? Diz Jeová. Porventura não encho eu os céus e a terra?” (Jr. 23:24).

Existe um outro lado da mesma questão. Quando Jeová queria usar alguém para uma missão específica, mesmo que essa pessoa se negasse era obrigada a obedecer. Quando Israel pediu ao profeta Samuel um rei, Jeová escolheu Saul (I Sm. 10:1). Mas Saul não queria ser rei e se escondeu entre a bagagem. Jeová promoveu um sorteio no meio do povo, e o sorteado foi Saul, que não pode escapar (I Sm. 10:17-24). Outro caso foi o do profeta Jonas. Este profeta não acatou a ordem de Jeová para ir pregar em Nínive, capital da Assíria, contra seus pecados. Jonas tomou um navio que ia para Tarsis, desceu ao porão e dormia tranqüilo. Jeová preparou uma tempestade violenta. Vendo que o navio ia afundar, os tripulantes lançaram sorte para descobrir o culpado. A sorte caiu em Jonas, que atirado ao mar foi engolido por um grande peixe. Três dias e três noites mais tarde, o peixe vomitou Jonas perto de Nínive. E Jeová ordenou. Vai a Nínive e prega contra seus pecados. Jonas foi, pois ninguém escapa das mãos de Jeová (Jn. 1:1-5; 1:11-17). Ninguém se esconde de Jeová (Jr.  49:10 e Am. 9:2-3).

Mas Jeová também gosta de se esconder. Quando um israelita está em aperto e em angústia, Jeová se esconde (Sl. 10:1). Mas é na angústia que o homem busca a Deus. Um ladrão foi crucificado ao lado de Cristo. Sua alma estava em profunda depressão e angústia. E era um malfeitor. Olhou para Jesus e disse: “Senhor, lembra-te de mim quando entrares no teu reino”. E Jesus lhe respondeu: “Hoje estarás comigo no paraíso” (Lc. 23:42-43). Jesus não se escondeu na hora da aflição daquele malfeitor. Esse momento de aflição é a oportunidade de Deus, o Pai, revelar o seu amor. Jeová faz exatamente o contrário.

Israel pecou no deserto, antes de entrar em Canaã, oferecendo sacrifícios aos diabos (coisa que aprenderam no Egito). Jeová disse “Esconderei o meu rosto deles, verei qual será o seu fim, porque são geração de perversidade, filhas em quem não há lealdade” (Dt. 32:17-20). Davi cometeu o adultério, e arrependido buscou a Jeová, mas este deus se escondeu de Davi (Sl. 13:1). Davi, já velho e cansado, continuava a suplicar, dizendo: “Não escondas de mim a tua face” (Sl. 143:4-7). Jeová se escondeu de Jacó (Israel) (Is. 8:17).

Jeová declara porque se esconde do homem. “Convertei-vos pela minha repreensão; eis que abundantemente derramarei sobre vós o meu espírito e vos farei saber as minhas palavras. Mas, porque clamei, e vos recusastes; porque estendi a minha mão, e não houve quem desse atenção; antes rejeitastes todo o meu conselho, e não quisestes a minha repreensão; também eu me rirei na vossa perdição, e zombarei, vindo o vosso temor. Vindo como assolação o vosso temor, e vindo a vossa perdição como tormenta, sobrevindo-vos aperto e angústia. Então a mim clamarão, mas eu não responderei; de madrugada me buscarão, mas não me acharão. Portanto aborreceram o conhecimento, e não preferiram o temor de Jeová” (Pv. 1:23-29). De que maneira Jeová se esconde?

“Fez das trevas o seu lugar oculto” (Sl. 18:11). E que são trevas? Trevas  são toda espécie de males, Jesus disse: “Os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más” (Jo. 3:19).Ódio é trevas (I Jo. 2:11).

Ora, Jeová pratica o mal, logo está em trevas. “Eis que estou forjando o mal contra vós” (Jr. 18:11). E está escondido nas trevas porque os cristãos o glorificam como se estivesse na luz, isto é, fazendo o bem. Jesus deu a vida pelos pecadores perdidos, por isso é a luz que salva (Jo. 1:9; 8:12; 12:46).

 

Autoria:  Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta