(697) – O DESERTOR 2

Moisés era filho de Anrão e Joquebede. No Egito, Faraó deu ordem para matar todas as crianças do sexo masculino (Ex.1:22). Joquebede escondeu seu filho Moisés durante três meses. Não podendo mais escondê-lo, tomou uma arca de juncos e a betumou e colocou o filho Moisés à borda do rio. Sua irmã Miriã ficou vigiando a arca e viu quando a filha de Faraó, que estava se banhando com as criadas, achou a arca e abriu-a e o pequenino Moisés chorava. A filha de Faraó foi tomada de compaixão pelo menino e disse: “Dos meninos dos hebreus é este”. E ele era bonito e ela o adotou como filho. Arrumou uma ama para criá-lo e a ama era justamente a mãe de Moisés, que instruiu o menino sobre a história do povo de Israel, e foi também instruído em toda ciência dos egípcios.

Aos quarenta anos ele viu um de seus irmãos judeus ser maltratado por um egípcio, e Moisés o matou e fugiu para a terra de Midiã. Lá, ele se casou com Zípora.

Ele estava apascentando o rebanho de Jetro, seu sogro, no monte de Deus, e apareceu ali o anjo de Jeová em uma chama de fogo, no meio de uma sarça, mas a sarça não se consumia. E Jeová bradou do meio da sarça: Moisés, Moisés! E disse mais: “Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó”. Você vai libertar o meu povo da servidão do Egito. Tomou, pois, Moisés sua mulher e seus filhos e tornou à terra do Egito; e Moisés tomou a vara de Jeová na sua mão. E Jeová mandou fazer maravilhas diante de Faraó, porém Jeová endureceu o coração de Faraó depois de cada maravilha, que eram pragas. Foram dez pragas, sendo a última a morte dos primogênitos. Quando Faraó viu a morte de seu filho, soltou Israel. Moisés estranhou a atitude de Jeová ao endurecer o coração de Faraó, por nove vezes. Parecia sadismo de Jeová (Hb. 11:23-27). Com a morte dos primogênitos, Faraó abandonou a sua ira e deixou o povo israelita ir embora. Então, Moisés saiu do Egito e levou o povo ao monte Sinai.

Moisés subiu ao cume do monte para receber a lei de Jeová. Ele ficou lá durante 40 dias e 40 noites. O povo embaixo se corrompeu, comendo e bebendo. E Jeová disse a Moisés: Desce, que o povo embaixo se corrompeu. Eu vou destruí-lo na minha ira e de ti farei uma nação maior. Moisés pensou: Jeová não ama o povo, então, ele não quer salvá-los; daí Moisés repreendeu Jeová dizendo: ‘então as nações que estão volta vão pensar e falar que Jeová não tem poder para libertá-los’. Jeová arrependeu-se do mal que ia fazer; mas disse a Moisés que ele enviaria um anjo para levar o povo. Se ele mesmo fosse, o destruiria: “E te lembrarás de todo o caminho, pelo qual Jeová, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te tentar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos ou não” (Dt.8:1).

Jeová tentou o seu povo por quarenta anos e os deixou passar fome também; por quarenta anos. Não há quem possa suportar tão grande carga. O povo faminto reclamou pedindo pão e água. Mas, em resposta: “Jeová mandou entre o povo serpentes ardentes que morderam o povo; e morreu muito povo de Israel” (Nm.21:5-6).

Então, Moisés pensou: Este deus cruel os faz passar fome, e quando reclamam, Jeová manda serpentes para os morder e matar. Moisés já estava apavorado e encarou Jeová e disse: “Por que fizeste mal a teu servo, que pusesses sobre mim a carga de todo este povo?” (Nm.11:11). “E, se assim fazes comigo, mata-me, eu to peço, se tenho achado graça aos teus olhos, e não me deixes ver a meu mal” (Nm.11:15). Assim Moisés queria escapar de Jeová de qualquer maneira.

Moisés tinha recebido de Jesus outra promessa: “Pela fé, Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo antes, ser maltratado com o povo de Deus do que, por um pouco de tempo, ter o gozo do pecado; tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa. Pela fé, deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, o como vendo invisível. Pela fé, celebrou a páscoa e a aspersão do sangue, para que o destruidor dos primogênitos lhe não tocasse” (Hb.11:24-28).

Parabéns, Moisés!

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

2 thoughts on “(697) – O DESERTOR 2

  1. Pela fé, Moisés estava acreditando em Jeová, embora no começo não soubesse que o nome é Jeová(YHWH)

    E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.
    Êxodo 3:14

    Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.
    João 8:58

    • Boa tarde Jorge,

      Gostaria de fazer um adendo ao irmão de que o verbo conjugado no presente “Eu Sou” não existe no Hebraico, por exemplo: No Hebraico se eu for falar que eu sou Abner eu diria ( Eu Abner ). Porém a palavra no futuro existe e no original está escrito eu serei o que serei (a palavra no hebraico se escreve da seguinte maneira: “HEIHEIÊ” = serei), isso com certeza é mais uma das pequenas alterações teológicas de tradução que dão espaço a alguns erros. Eu já escaneei aqui do pentateuco em hebraico e se o irmão quiser posso enviar por e-mail OK ?

      Portanto Dizer que Jeová e Jesus são a mesma pessoa através desse argumento, não seria correto.

      Que a paz do nosso Senhor Jesus Cristo esteja com o irmão.

Deixe uma resposta