(425) – SERVIDÃO DA CORRUPÇÃO – II

SERVIDÃO DA CORRUPÇÃO 2

Jeová afirma que é o criador de todas as coisas, por isso declarou: a Abraão que é El Shaday, o Todo poderoso (Gn. 17:1). Ele disse: “Assim diz deus, Jeová, que criou os céus, e os estendeu, e formou a terra, e tudo quanto produz; que dá a respiração ao povo que nela está, e o espírito aos que andam nela” (Is. 42:5).E disse mais: “Eu fiz a terra, o homem, e os animais que estão sobre a face da terra, pelo meu grande poder, e com o meu braço estendido, e a dou àquele que me agrada em meus olhos” (Jr. 27:5). Este último texto deixa claro que, Jeová tem o domínio total sobre este mundo desde que foi criado, e como Jeová é o Todo poderoso é ele que dá este mundo a quem quer, contanto que agrade a seus olhos. No livro do profeta Daniel lemos uma declaração profética da Sagrada Escritura: “Esta sentença é por decreto dos vigiadores, e esta ordem por mandado dos santos; a fim de que conheçam os viventes que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e os dá a quem quer, e até ao mais baixo dos homens constitui sobre eles” (Dn. 4:17). No livro dos Salmos lemos: “Teus são os céus, e tua é a terra; o mundo e a sua plenitude tu os fundaste” (Sl. 89:11). “De Jeová é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam” (Sl. 24:1). E esta verdade, segundo as Escrituras, permanece inalterável desde a fundação deste mundo, por isso Isaías disse: “Lembrai-vos das coisas passadas desde a antigüidade, que eu sou deus, e não há outro deus, não há outro semelhante a mim; que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antigüidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade” (Is. 46:9-10). É por isso que Asafe diz: “Levanta-te, ó Jeová, e julga a terra, pois te pertencem todas as nações” (Sl. 82:8). “Jeová reina; tremam as nações; ele está entronizado entre os querubins; comova-se a terra” (Sl. 99:1). “Porque o reino é de Jeová, e ele domina entre as nações” (Sl. 22:28). “Ele domina eternamente pelo seu poder; os seus olhos estão sobre as nações; não se exaltem os rebeldes” (Sl. 66:7).

O domínio de Jeová como deus, neste mundo, em que é chamado rei, e se declara rei (Is. 43:15). Jeová mesmo se declara O REI: “Moabe está destruído, e subiu das suas cidades, e os seus mancebos escolhidos desceram à matança, diz o rei, cujo nome é o Senhor dos Exércitos” (Jr. 48:15). Esse domínio, esse governo de Jeová, é tão absoluto que Davi diz: “Jeová tem estabelecido o seu trono nos céus, e o seu reino domina sobre tudo. Bendizei a Jeová, anjos seus, magníficos em poder, que cumpris as suas ordens obedecendo à voz da sua palavra” (Sl. 103:19-20).

Como Jeová reina sobre as nações e reinos este mundo, diz a Escritura: “Trema perante ele, trema toda a terra; pois o mundo se firmará, para que se não abale” (I Cr. 16:30). “Jeová reina; está vestido de majestade. Jeová se revestiu e cingiu de fortaleza; o mundo também está firmado, e não poderá vacilar” (Sl. 93:1).

A este governo divino e infalível, a este poder, a esta providência, a esta ordem fantástica, a Escritura Sagrada sobrepõe a glória de Jeová: “Contai entre as nações a sua glória, entre todos os povos as suas maravilhas” (I Cr. 16:24). “Daí a Jeová, ó famílias das nações, daí a Jeová força e glória. Daí a Jeová a glória do seu nome; trazei presentes, e vinde perante ele: adorai a Jeová na beleza da sua santidade” (I Cr. 16:28-29). “Bendito seja para sempre o seu nome glorioso, e encha-se toda a terra da sua glória. Amém e Amém” (Sl. 72:19). “Então as nações temerão o nome de Jeová, e todos os reis da terra a tua glória” (Sl. 102:15).

TODAS ESTAS MARAVILHAS GLORIOSAS DO DEUS JEOVÁ QUE REINA SOBRE A TERRA SE TRANFORMAM EM HISTÓRIAS DA CAROCHINHA DIANTE DA DECLARAÇÃO DO APÓSTOLO PAULO, O ENVIADO DE JESUS CRISTO: “Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou. Na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus” (Rm. 8:20-21).

Paulo revela mais coisas sobre a história do governo glorioso de Jeová: “Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o princípio das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência. Entre os quais também antes andávamos nos desejos da nossa carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também” (Ef. 2:2-3). Como pode ser que os profetas do Velho Testamento tenham afirmado que Jeová reinava e governava entre os povos e nações da terra, se Paulo declara que todos andavam segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar? Qual a relação entre Jeová e Jesus, se Jeová reinava sobre os povos deste mundo, e Jesus declarou aos judeus, seu povo, e povo de Jeová: “Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo” (Jo. 8:23). Que relação poderia haver entre Jeová e Jesus, se Jeová põe o mundo no coração dos homens (Ec. 3:11), e João diz: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele” (I Jo. 2:15). Que relação poderia haver entre Jeová e Jesus, se Jeová reinava sobre todas as nações da terra (Sl. 47:7-8), e Jesus declarou enfaticamente a Pilatos: “O meu Reino não é deste mundo; se o meu Reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus” (Jo. 18:36).

Jeová reinava no meio da corrupção? Reinava no meio das guerras fratricidas? Reinava em meio à idolatria, mesmo a condenando? Reinava sobre os mortos, pois até a Jesus Cristo reinava a morte? (Rm. 5:12; Jo. 5:24). Jeová reinava onde reinava o diabo? (Lc. 4:5-8; Hb. 2:14-15).

Fica assim provado que não há relação alguma entre Jesus e Jeová, pois não há comunhão entre luz e trevas (II Co. 6:14-15). E toda a criação ficou de tal forma sujeita à vaidade e à servidão da corrupção, que Jesus teve de morrer na cruz por amor aos cativos, e tendo recebido todo poder nos céus e na terra, e havendo ressuscitado dos mortos, subiu aos céus e sujeitou, isto é, submeteu os anjos, as autoridades, e as potências, e sentou-se à dextra de Deus. Paulo diz que o Pai, havendo feito a paz, pelo sangue da cruz de Cristo, por meio dele reconciliou todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus (Cl. 1:19-20). E Jeová, antes de Cristo, passava o tempo sujeitando as nações, e arrotando seu poder e sua glória sobre os cativos.

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta