(285) – CIRCUNCISÃO 2

 

Jeová declara ser o criador do homem sobre a terra. “Assim diz Jeová, o santo de Israel, aquele que o formou… Eu fiz a terra, e criei nela o homem; eu o fiz. As minhas mãos estenderam os céus, e a todos os seus exércitos dei as minhas ordens” (Is. 45:11-12)“Eu fiz a terra, o homem e os animais que estão sobre a terra, pelo meu grande poder” (Jr. 27:5).

Jeová declara também que o esperma do homem criado por ele é imundo. “Também o homem, quando sair dele a semente da cópula, toda a sua carne banhará com água, e será imundo até à tarde” (Lv. 15:16). Alguém dirá: O esperma ficou imundo depois da queda de Adão. Nós contra argumentamos lembrando que o texto revela que o homem fica imundo quando sai a semente da cópula, isto é, antes de sair a semente o homem não era imundo, logo o homem estava limpo, mas a semente era imunda. O caso se repete no verso dezoito. “E também a mulher, com quem o homem se deitar com semente da cópula, ambos se banharão com água, e serão imundos até à tarde” (Lv . 15:18). A mulher estava limpa e se tornou imunda por causa do esperma do homem, logo, o esperma é imundo por natureza. Foi criado imundo por Jeová. É por isso que as crianças nascem imundas, tanto do sexo masculino como do feminino; pois a semente donde nascem é, por natureza, imunda (Lv. 12:1-8). É por isso também, que no livro de Jó lemos: “Quem do imundo tirará o puro? Ninguém” (Jó 14:4). Jó não está dizendo que a mãe é imunda. A mãe é limpa, mas a semente é imunda, e o filho vai nascer imundo.

Tanto homens quanto mulheres se tornam imundos quando se corrompem. “Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não há sequer um” (Sl. 14:3). Ficaram imundos porque se desviaram. O verso um diz: “Disse o néscio no seu coração: Não há deus. Teem-se corrompido, fazendo-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem” (Sl. 14:1). Concluímos que a imundície decorreu da corrupção.

O fim da análise é a seguinte. Todos os homens são limpos, mas são portadores de uma semente imunda (esperma). E também o homem e a mulher tornam-se imundos pela corrupção de costumes.

Jeová tomou a descendência de Jacó por povo: “Agora, pois ouve ó Jacó, servo meu, e tu Israel, a quem escolhi. Assim diz Jeová; que te criou e te formou desde o ventre, e que te ajudará” (Is. 44:1-2). A esse povo chama de filhos: “Filhos sois de Jeová vosso deus; não vos darei golpes, nem poreis calva entre vossos olhos por causa de algum morto, porque é povo santo a Jeová teu deus, e Jeová te escolheu de todos os povos que há sobre a face da terra, para lhe seres o seu povo próprio” (Dt. 14:1-2). Antes, porém, de Jeová tomá-los por filhos, os levou ao Egito, e lá o povo se corrompeu, portanto era imundo. O profeta Ezequias declarou: “Veio a mim a palavra de Jeová dizendo: Filho do homem houve duas mulheres, filhas de uma mãe. Estas prostituíram-se no Egito; prostituíram-se na sua mocidade; ali foram apertados os seus peitos, e ali foram apalpados os seios da sua virgindade. E os seus nomes eram: Aolá, a mais velha, e Aolibá, sua irmã; e foram minhas, e tiveram filhos e filhas; e, quanto aos seus nomes, Samaria é Aolá, e Jerusalém é Aolibá” (Ez. 23:1-4). Fica assim bem claro que Jeová gera filhos imundos, pois os levou ao Egito para serem corrompidos. Como pode Jeová gerar, e tomar para si filhos imundos?

No Novo Testamento é totalmente diferente. Para alguém ser filho de Deus Pai tem de nascer de novo. “Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo” (1 Pd. 2:2). Esse novo nascimento é operado pelo Evangelho, isto é, as boas novas de Cristo, e pelo Espírito Santo. Jesus disse a Nicodemos: “Na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” (Jo. 3:5-6). É por isso que Paulo nos diz: “Se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Co. 5:17). No Novo Testamento aqueles filhos de Jeová não são filhos de Deus.

Mas Jeová inventou um jeito para diferenciar os seus filhos carnais dos outros povos, a quem rejeitava. Foi a circuncisão. Tudo começou com Abraão. Disse Jeová ao patriarca: “Este é o meu concerto, que guardareis entre mim e vós, e a tua semente depois de ti: Que todo o macho será circuncidado aos oito dias. E circuncidareis a carne do vosso prepúcio; e isto será por sinal do concerto entre mim e vós” (Gn. 17:10-11). Esse concerto será eterno (Gn. 17:13)“A criança que não for circuncidada na carne do seu prepúcio, aquela alma será extirpada dos seus povos; quebrantou o meu concerto” (Gn. 17:14). Os incircuncisos eram imundos para Jeová; logo a circuncisão santificava. “Desperta, desperta, veste-te da tua fortaleza, ó Sião; veste-te dos teus vestidos formosos, ó Jerusalém, cidade santa; porque nunca mais entrará em ti nem incircunciso nem imundo” (Is. 52:1). É óbvio que os circuncidados eram santificados na carne. Jeremias revela que havia carne santa (Jr. 11:15). Eram os circuncidados de Jeová.

Mas o Novo Testamento traz a luz uma revelação surpreendente sobre a circuncisão. “A circuncisão é nada, e a incircuncisão nada é” (1 Co. 7:19). Se a circuncisão é nada, por que Jeová dava tanto valor? Se for nada, perdeu o valor. Por que Jeová declarou que era uma aliança pérpetua? As coisas pérpetuas não cessam. Paulo quebrantou o concerto de Jeová, e tinha de morrer (Gn. 17:14). Mas Paulo continua falando: “Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão tem virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura” (Gl. 6:15). A circuncisão da carne é para a velha criatura carnal e sujeita as concupiscências da carne, o que Pedro chama de concupiscências de imundície (2 Pd. 2:10). Paulo declara que a concupiscência engana o cristão em Ef. 4:22-24, pois o homem nascido de novo é criado em verdadeira justiça e santidade.

A fé acabou com a circuncisão. “Deus é um só, que justifica pela fé a circuncisão, e por meio da fé a incircuncisão” (Rm. 2:29-30). E Paulo termina dizendo: “Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão o que o é exteriormente na carne, mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, e não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus” (Rm. 2:28-29).

Para os espirituais da fé em Cristo, Paulo diz: “Estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo da carne; a circuncisão de Cristo” (Cl. 2:11).

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

2 thoughts on “(285) – CIRCUNCISÃO 2

    • Porque Jesus nasceu menor do que os anjos debaixo do poder da lei. Só após a ressurreição que lhe foi conferido todo poder no céu e na terra e só foi declarado Filho de Deus o Pai na ressurreição :

      1º Nasceu debaixo da lei:

      (Gálatas 4:1-5) Digo, pois, que todo o tempo que o herdeiro é menino em nada difere do servo, ainda que seja senhor de tudo;
      Mas está debaixo de tutores e curadores até ao tempo determinado pelo pai.
      Assim também nós, quando éramos meninos, estávamos reduzidos à servidão debaixo dos primeiros rudimentos do mundo.
      Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,
      Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.

      2º Só teve todo o poder depois da ressurreição:

      (Mateus 28:16-18) E os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha designado.
      E, quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram.
      E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.

      3º Só foi declarado Filho de Deus na Ressurreição dos Mortos:

      (Romanos 1:3,4) Acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi segundo a carne,
      Declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dentre os mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor,

      4º Só subjugou os anjos após a ressurreição:

      (1 Pedro 3:22) O qual está à destra de Deus, tendo subido ao céu, havendo-se-lhe sujeitado os anjos, e as autoridades, e as potências.

      No caso de Paulo a circuncisão não tinha valor nenhum, mas por pressão religiosa, teve que fazê-lo com Timóteo, porém ele sempre coloca em evidencia contextual a ineficácia da lei e a plena justificação que ocorre apenas pela fé em Cristo Jesus:

      (Romanos 2:25-29) Porque a circuncisão é, na verdade, proveitosa, se tu guardares a lei; mas, se tu és transgressor da lei, a tua circuncisão se torna em incircuncisão.
      Se, pois, a incircuncisão guardar os preceitos da lei, porventura a incircuncisão não será reputada como circuncisão?
      E a incircuncisão que por natureza o é, se cumpre a lei, não te julgará porventura a ti, que pela letra e circuncisão és transgressor da lei?
      Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne.
      Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus.

      (Gálatas 5:1-9) Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão.
      Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará.
      E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei.
      Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído.
      Porque nós pelo Espírito da fé aguardamos a esperança da justiça.
      Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor.
      Corríeis bem; quem vos impediu, para que não obedeçais à verdade?
      Esta persuasão não vem daquele que vos chamou.
      Um pouco de fermento leveda toda a massa.

      (Gálatas 2:1-6) Depois, passados catorze anos, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também comigo Tito.
      E subi por uma revelação, e lhes expus o evangelho, que prego entre os gentios, e particularmente aos que estavam em estima; para que de maneira alguma não corresse ou não tivesse corrido em vão.
      Mas nem ainda Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se;
      E isto por causa dos falsos irmãos que se intrometeram, e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão;
      Aos quais nem ainda por uma hora cedemos com sujeição, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós.
      E, quanto àqueles que pareciam ser alguma coisa (quais tenham sido noutro tempo, não se me dá; Deus não aceita a aparência do homem), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me comunicaram;

      Só que ao invés de Paulo tornar a liberdade dele em religiosidade como a maior parte das pessoas hoje fazem, ele circuncidou, sabendo que aquilo não tinha valor nenhum, não por respeito a lei, mas sim em respeito a consciência religiosa dos que o cercavam :

      (1 Coríntios 10:23-33) Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.
      Ninguém busque o proveito próprio; antes cada um o que é de outrem.
      Comei de tudo quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência.
      Porque a terra é do Senhor e toda a sua plenitude.
      E, se algum dos infiéis vos convidar, e quiserdes ir, comei de tudo o que se puser diante de vós, sem nada perguntar, por causa da consciência.
      Mas, se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; porque a terra é do Senhor, e toda a sua plenitude.
      Digo, porém, a consciência, não a tua, mas a do outro. Pois por que há de a minha liberdade ser julgada pela consciência de outrem?
      E, se eu com graça participo, por que sou blasfemado naquilo por que dou graças?
      Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.
      Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à igreja de Deus.
      Como também eu em tudo agrado a todos, não buscando o meu próprio proveito, mas o de muitos, para que assim se possam salvar.

      A liberdade de Paulo tinha menos valor do que ganhar um irmão, por isso ele mesmo declarou :

      (1 Coríntios 9:19-23) Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais.
      E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei.
      Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei.
      Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns.
      E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele.

      Tanto que Paulo considerou toda ritualidade religiosa judaica que ele teve e passou como Esterco, afim de ganhar a Cristo por meio da fé :

      (Filipenses 3:2-14) Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão;
      Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus em espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne.
      Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu:
      Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu;
      Segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível.
      Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo.
      E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo,
      E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé;
      Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte;
      Para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dentre os mortos.
      Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus.
      Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim,
      Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.

      Atenciosamente,
      Abner Pereira Dancuart.

Deixe uma resposta