(525) – OS REJEITADOS – II

OS   REJEITADOS   2

Qual é a natureza de Deus, no Novo Testamento? “DEUS É PAI” (Mt.6:9). E o Pai cuida dos filhos. O Pai protege os filhos. O Pai dá vida aos filhos (Jo.17:2). O Pai cura as doenças dos filhos. O Pai liberta os filhos (Jo.8:32). O Pai tem uma casa para os filhos (Jo.14:1-3). E tem mais: O Pai quer que todos os filhos perdidos se salvem: “Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Pai, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade” (I Tm.2:3-4). E o Pai é o Deus dos judeus e de todos os gentios (Rm.3:29).

Se Jeová, o deus revelado por Moisés e os profetas no Velho Testamento, é o mesmo Deus do Novo Testamento, então por que Jeová rejeitava os gentios, isto é, as nações gentílicas? O Pai, que Jesus nos revelou, não coloca jugo em ninguém (At.15:5-10). Através de Jesus trouxe liberdade a todos(Jo.8:36; Gl.5:1-4). Para o Pai não há branco nem preto, não há judeu nem gentio, não há macho nem fêmea, todos são iguais e podem fazer parte da família de Deus (Gl.3:26-29). E Deus, o Pai, a ninguém rejeita, ou lança fora, pois a fé em Jesus produz em nós uma nova criação (II Co.5:17). O Espírito Santo opera em nós um novo nascimento. É como se nunca tivéssemos existido, pois o velho homem foi sepultado com Cristo pelo batismo na morte, e agora andamos ressuscitados com Cristo, pois Ele ressuscitou (Cl.3:1-4).

Com Jeová a coisa era diferente, pois rejeitava e matava sem prévio aviso:

  1. Rejeitava e matava os que pecavam. Foi o que aconteceu com Ofni e Finéias, que se deitavam com as mulheres que se ajuntavam na porta da tenda da congregação (I Sm.2:22). E de lambuja rejeitou Ely, o sumo sacerdote, e com ele toda a sua descendência (I Sm.2:30-31). Ofni e Finéias foram os primeiros (I Sm.2:34).
  2. Jeová rejeita e mata os que andam em retidão. Rejeitou e matou Uzá, que acompanhava a arca do concerto que Davi levava para Jerusalém. O carro pendeu, a arca ia cair, e Uzá segurou com a mão. Por isso Jeová o matou (II Sm.6:1-11). Outro caso escandaloso foi a rejeição de Nadabe e Abiú, que para agradar a Jeová, na sua simplicidade, puseram fogo estranho, isto é, usaram outra madeira odorífera no incensário. Pronto, Jeová mandou fogo do céu, e os matou (Lv.10:1-2). Outro caso mais escandaloso, que revela a injustiça e a falta de caridade de Jeová, foi quando Davi já estava velho, e tinha ordenado o serviço do santuário, e dividiu o sacerdócio em vinte e quatro turnos, as funções dos cantores em seus turnos, as funções dos porteiros, os guardas dos tesouros de Jeová, tudo funcionava no santuário de Jeová. Não havia guerras nesse tempo. Não havia idolatria, nem lutas internas no reino. A paz era total e perfeita. Então a ira de Jeová tornou a acender contra Israel. Mas precisava de um motivo para fazer o mal ao seu povo. Então incitou a Davi a numerar o exército (A promessa de Jeová era a de que um soldado valia por cem – Lv.26:8-9). Mas, incitado por Jeová, Davi, em obediência, e movido pelo espírito de Jeová, numerou o povo. Davi, mais tarde, caiu em si do erro e pediu perdão a Jeová (II Sm.24:10). Jeová, porém, imputando o pecado, propôs a Davi três coisas: “Ou três anos de fome, ou três meses a espada dos inimigos alcance a Davi, ou que por três dias, a espada de Jeová, isto é, a peste na terra, e o anjo de Jeová destruam Israel” (I Cr.21:12). Davi deu a resposta, dizendo: “Caia eu nas mãos de Jeová, pois grandes são as suas misericórdias, mas que eu não caia nas mãos dos homens” (I Cr.21:13). Pobre Davi, ele não conhecia Jeová até esta altura: “Mandou Jeová a peste em Israel, e caíram de Israel setenta mil homens” (I Cr.21:14). E Jeová, espumando de ódio, mandou um anjo para destruir Jerusalém, mas depois se arrependeu desse mal, e disse ao anjo: Basta. E Davi viu o anjo de Jeová com a espada para destruir Jerusalém, e ficou de tal modo aterrorizado, que não podia ir daquele lugar. E disse Davi a Jeová: Sou eu que disse que se numerasse o povo. Eu sou o que pequei. Mas estas ovelhas, que fizeram? Senhor Jeová, seja a tua mão contra mim, e contra a casa de meu pai, e não para castigo do teu povo (I Cr.21:17). Com esta repreensão de Davi contra Jeová, fica provado que no povo não havia nenhum mal ou pecado. O problema é que deu um acesso de ira em Jeová, e ele rejeitou setenta mil inocentes, matando-os.

Com o Pai de Jesus é diferente. Ele sempre amou os homens, porque vivem neste abismo com demônios, e são ensinados a fazer o mal desde a infância. Vendo o Pai as matanças de Jeová, movido por seu divino amor, enviou o seu Filho para salvá-los da morte e da condenação (Jo.3:16-17). E Paulo então disse: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm.8:31-32).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta