(166) – CULTO A BAAL

CULTO A BAAL

         Sabemos que Baal é o supremo deus dos cananeus, que habitavam em Canaã antes de Israel. Quando Jeová chamou Abraão e lhe fez a primeira promessa, o tirou de Harã e o levou à terra da promessa, isto é, Canaã. Ao chegar lá, Abraão viu a terra e Jeová lhe disse: “À tua semente darei esta terra.” E o texto diz: “E estavam os cananeus na terra” (Gn. 12:1-7). Quem eram os cananeus? Eram os descendentes de Cão, o filho que viu a nudez de seu pai Noé, que lançou uma maldição sobre Canaã, filho de Cão e portanto seu neto. A maldição lançada por Noé foi tão grande,que os cananeus, descendentes de Cão, foram todos sodomitas. “E foi o termo dos cananeus desde Sidom, indo para Gerar, até Gaza; indo para Sodoma e Gomorra e Admá e Zeboim, até Lasa. Estes são os filhos de Cão, segundo as suas famílias” (Gn. 10:19-20; 9:20-25).

Sendo os cananeus sodomitas e sendo Baal o seu grande deus, os cultos à Baal eram impúdicos e anormais. Leiamos o profeta Jeremias: “Porque segundo o número das ruas de Jerusalém, levantaste altares à impudência, altares para queimares incenso a Baal” (Jr. 11:13). Esses cultos impúdicos eram praticados nos terraços das casas de Jerusalém e Jeová trouxe Nabucodonozor para destruir a fogo a cidade santa. Jeremias prediz: “E os caldeus, que pelejam contra esta cidade, entrarão nela e porão fogo a esta cidade, e queimarão as casas sobre cujos terraços queimaram incenso a Baal” (Jr. 32:29).

Pois bem, os moabitas, descendentes de Ló, eram adoradores de Baal. Moabe, filho da primogênita de Ló, nasceu de um incesto, coisa comum em Sodoma, onde habitou Ló (Gn. 19:31-38). Os cultos dos moabitas, em homenagem a Baal eram feitos nos moldes de Sodoma, donde saiu sua mãe.

Balaque, rei dos moabitas, os descendentes de Ló, temeu Israel ao tomar conhecimento das vitórias sobre os amorreus e chamou o feiticeiro Balaão para amaldiçoar Israel, para assim poder vencê-los. Enviou mensageiros a Balaão, que lhe disseram: “Vem pois agora, rogo-te, amaldiçoa-me este povo, pois mais poderoso é do que eu; para ver se o poderei ferir” (Nm. 22:6). Balaão era servo de Jeová e tinha o poder de abençoar ou amaldiçoar e pediu que os mensageiros esperassem, pois ia consultar a Jeová(Nm. 22:6-8). Jeová deu ordem a Balaão para não amaldiçoar a Israel (Nm. 22:12). Balaque, tendo notícia de que Balaão se negou a amaldiçoar a Israel, enviou príncipes com promessas de honrarias. Balaão, pela segunda vez respondeu, dizendo: “Ainda que Balaque me desse a sua casa cheia de prata e ouro, eu não poderia traspassar o mandado de Jeová, meu Deus” (Nm. 22:18). Balaão era realmente servo de Jeová e obediente. Mas pela segunda vez consultou o seu deus Jeová, que lhe disse: “Se aqueles homens vierem te chamar, levanta-te, vai com eles, todavia farás o que eu te disser” (Nm. 22:20). Balaão foi com eles, e abençoou a Israel em vez de amaldiçoar, conforme o que Jeová lhe falou (Nm. 23:5-10). Balaque se irritou com isso, e Balaão lhe disse: “Eu só falo o que Jeová põe na minha boca” (Nm. 23:11-12). Diante da insistência de Balaque, Jeová mandou por Balaão outro recado. Balaão disse: “Eu recebi ordem de abençoar, pois Jeová tem abençoado e eu não posso revogar. Contra Jacó não vale encantamento” (Nm. 23:18-23).

Pela terceira vez Balaque tenta incitar Balaão a amaldiçoar a Israel. Então o espírito de Jeová se apoderou de Balaão e este profetizou a bênção (Nm. 24:1-9). Balaque se encheu de ira e disse: “Sai da minha presença.” Vendo Balaão que Balaque se tornou seu inimigo, lhe sussurrou aos ouvidos: Se você, ó rei, fizer os filhos de Israel, participar de um culto impúdico à Baal,  a maldição de Jeová cairá sobre eles, e tu os vencerás. Isto não está na Escritura, mas Moisés disse: “Eis que estas foram as que, por conselho de Balaão, deram ocasião aos filhos de Israel de prevaricar contra Jeová em Peor”(Nm. 31:16). No Apocalipse lemos que o conselho foi prostituição (Ap. 2:14).

Vejamos o que aconteceu pelo mau conselho de Balaão: “E Israel deteve-se em Sitim, e o povo começou a prostituir-se com as filhas dos moabitas. E convidaram o povo aos sacrifícios dos seus deuses e o povo comeu e inclinou-se aos deuses, juntando-se pois Israel em Baal-Peor, a ira de Jeová se acendeu contra Israel” (Nm. 25:1-3). Em meio à orgia sexual que tomou conta do povo, Jeová deu ordem a Moisés para enforcar todas as cabeças do povo à Jeová, e assim sua ira se acalmaria. Então Moisés disse aos juízes de Israel: “Cada um mate os seus homens que se juntaram em Baal-Peor” (Nm. 25:4-5). É claro que as pessoas eram enforcadas à Jeová para que sua fúria sanguinária se aplacasse. Além desses enforcamentos Jeová mandou uma praga que matou vinte e quatro mil (Nm. 25:9). Em meio a essa desgraça, veio um israelita trazendo uma mulher midianita perante os olhos da congregação. Vendo isso, Finéias, filho de Eleazar, o filho de Arão, o sacerdote, tomou uma lança e foi após o varão israelita na tenda, e os atravessou a ambos pela barriga. O nome da mulher midianita era Cosbi, filha de Zur, cabeça do povo, entre os midianitas. Isto agradou tanto a Jeová que parou a praga, e Jeová fez um concerto eterno com Finéias e sua descendência (Nm. 25:6-15).

Qual é a moral de toda esta história? Balaão era fiel e obediente à Jeová, mas sugeriu a Balaque o envolvimento dos israelitas com as moabitas pelo culto impúdico à Baal e isso tornou o povo maldito, pois Jeová troca bênção em maldição a toda a hora (Dt. 23:5; Ml. 2:2-3).

Os cristãos fiéis e obedientes como Balaão, que têm o cuidado de obedecer Jeová em tudo e têm o dom de abençoar ou amaldiçoar, como Balaão tinha, e só amaldiçoam quando acham que é vontade de Jeová, estes cristãos, os que se prostituem no culto à Baal, assistindo novelas pornográficas, vídeos pornográficas, ou se prostituem praticando sexo pecaminoso, ou adultério para os casados, ou fornicação dos solteiros, todos estão condenados à morte como aconteceu em Baal-Peor. E quem vai condená-los, matá-los e metê-los no inferno? O Deus Pai de Jesus? Nunca, pois ele quer salvar a todos(I Tm. 4:10). E o Pai enviou o Filho, não para condenar, mas para salvar (Jo. 3:17). E Jesus afirmou que essa é a vontade do Pai (Jo. 6:38). Quem vai condenar e afligir eternamente é Jeová, pois Cristo veio para libertar os homens da escravidão da corrupção para a glória dos filhos de Deus, e os que não deixarem libertar, permanecendo escravos do império da carne, permanecem debaixo da condenação de Jeová (Jo. 3:18). “Aquele que crê no Filho de Deus tem a vida eterna, mas aquele que não crê, não verá a vida, mas a ira do deus Jeová permanece sobre ele” (Jo. 3:36). São os que prestam culto à Baal.

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta