(241) – O ÚLTIMO ADÃO

241 – O ÚLTIMO ADÃO

 

Adão não é o nome do primeiro homem que veio a existir no mundo. Adão é o primeiro homem da linhagem de Jesus Cristo. Isto está no evangelho de Lucas 3:23-38. A idéia de que Adão foi o primeiro homem da criação humana é uma conclusão absurda e arcaica da teologia da igreja nascente. A Bíblia não está errada. Errados foram os pais da igreja que interpretaram erradamente a narrativa da criação do Gênesis, capítulos um e dois. Errados estão os cristãos modernos que, em vez de investigar o texto original, por comodidade ou beatismo, tentam afirmar que o homem foi criado há seis mil anos, o que é absurdo. E errados são os que criticam o texto sagrado, quando deveriam estudá-lo para corrigir os erros humanos de exegese. Mas graças a Deus que Lucas, o médico amado (Cl. 4:14) e cooperador de Paulo (Fl. 24), esclareceu o assunto no seu evangelho.

No jornal “O Estado de São Paulo” de 19-11-1989, publicaram uma reportagem, na qual as escolas públicas norte-americanas não podiam mais ensinar aos seus alunos que a humanidade nasceu com Adão e Eva. Esse assunto só podia ser estudado nas aulas de religião, pois cientificamente o homem remonta a milhares de anos. É assombroso! Uma nação cristã proíbe o ensino bíblico nas aulas escolares por causa de um erro teológico. O primeiro Adão é o homem responsável, o Homo sapiens, de acordo com a ciência. Esse Adão era apto racionalmente. Ao cair, caiu concientemente. A partir do primeiro Adão, intelectualmente capaz, seus descendentes, também aptos para discernir entre o bem e o mal, escolhem o mal, por causa da concupiscência. Paulo diz: “Por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram” (Rm. 5:12). Adão não é o primeiro homem criado, mas o primeiro pecador. Esse homem pecador é obra de Jeová, que afirma ser o criador do homem. Antes de Adão, os homens eram meio macacos. Antropopitecus- Antropo (homem) Piteco (macaco). A partir de Adão saiu o piteco da raça humana.

A Bíblia, entretanto, declara que há dois Adãos: o primeiro e o último. Paulo é quem revela esse mistério: “O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em Espírito vivificante” (I Co. 15:45). O primeiro Adão deu origem aos homens animais, isto é, dirigido pelas inclinações e paixões da carne. O último Adão, Jesus Cristo, deu origem a uma raça de espirituais não submetidos a essas inclinações de apetites carnais (I Co. 15:46). Paulo delineia, isto é, traça o perfil desse novo homem, descendente de Cristo, o esposo, casado com a Igreja, a esposa que dá a luz esses seres celestiais.“Quanto ao trato passado, despojai-vos do velho homem, que se corrompe pelas concupiscência do engano; para que sejais renovados do espírito do vosso sentido, e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade” (Ef. 4:22-24). E Paulo diz mais: “Se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (II Co. 5:17). Jesus chamou esse prodígio da fé de novo nascimento (Jo. 3:3-6). A mudança no caráter do cristão é tão violenta que Paulo compara com a ressurreição dos santos, quando Jesus voltar (Cl. 3:1-3). O avarento distribui a fortuna com os pobres (Cl. 3:5; Lc. 19:8). O tarado e o pedófilo crucificam a carne e se fazem eunucos para entrar no reino de Deus (Mt. 19:12). Os odiosos e vingativos passam a pregar o perdão e a paz. Os que vivem em trevas passam a ser luz deste mundo. Os soberbos e perseguidores deste mundo passam a ser os mais humildes e perseguidos (Fl. 3:3-9). Os imundos passam a ser santos; os filhos deste mundo, abandonam-no, para serem filhos de Deus e herdeiros do reino dos céus (Lc. 20:34-36; II Tm. 4:18; I Pd. 1:3-4; Fl. 3:20-21).

O primeiro Adão deu origem aos malditos, e o último Adão, Jesus Cristo, deu origem aos benditos (Gl. 3:10; Mt. 25:34).

O primeiro Adão deu origem aos mortais, o último aos eternos (Rm. 5:17).

O primeiro Adão deu origem aos homens da terra e de terra, porque todos viemos do pó e voltaremos ao pó (Jó 10:9; Sl. 103:14; Gn. 3:19). Todos os homens da terra são iguais ao primeiro Adão em suas obras. O último Adão deu origem aos espirituais e celestiais, e todos iguais ao último Adão. Paulo disse: “O primeiro homem da terra é terreno; o segundo homem, o Senhor, é do céu. Qual o terreno, tais são também os terrenos; e qual o celestial, tais também são os celestiais” (I Co. 15:47-48). Os descendentes do primeiro Adão são todos condenados, e os descendentes do último Adão são todos salvos, por isso João disse: “Quem crê em Jesus não é condenado, mas quem não crê já está condenado”(Jo. 3:18-19).

O problema entre Jeová e o Pai, e entre a linhagem do primeiro Adão e a linhagem do último Adão é a seguinte: Todos os descendentes do primeiro Adão da terra são de Jeová, pois este disse: “Minha é a terra e a sua plenitude. O mundo e os que nele habitam” (Sl. 24:1). O povo de Israel pertence a Jeová até hoje, e não pertence ao Pai, pois não crê em Jesus Cristo como Salvador.

Três pontos principais complicam a crença de que Jeová é o Deus revelado por Jesus Cristo aos homens, a saber:

  1. Os descendentes do primeiro Adão de Gn. 2:7 são chamados no Velho Testamento de Filhos de Jeová; e os Filhos do Deus revelado por Jesus só surgiram depois de Jesus, o último Adão. Analisemos a narrativa bíblica: “Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, e…”(Gn. 6:2). Que filhos de Deus eram esses? Os descendentes do primeiro Adão. As filhas dos homens são descendentes do homem e mulher criados em Gn. 1:26-28, que se multiplicaram sobre a terra. Os filhos do Deus Pai revelado em Cristo só surgiram quatro mil anos depois do primeiro Adão. João os descreve assim: “Mas, a todos os que o receberam (Jesus), deu- lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos quais crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo. 1:12-13). Aqueles filhos de deus de Gn. 6:2 não são também os anjos, pois se os filhos de Deus só surgiram através de Cristo, e os anjos existiam desde a eternidade, os anjos não são filhos.
  2. A descendência da carne e do sangue existe desde que o homem foi criado há milhões de anos. A descendência espiritual surgiu através de Cristo, como lemos em João 3:3-6. Jesus instituiu o novo nascimento espiritual, no qual, por uma intervenção milagrosa do Espírito Santo, o convertido a Cristo passa a um novo estado de comportamento. Paulo explica isso em Romanos 8:5-9. Esse novo nascimento milagroso liberta o cristão dos desejos e concupiscências carnais (Ef. 4:22-24). E Paulo afirma que os filhos da carne não são filhos de Deus em Romanos 9:8. Estranhamente os filhos da carne são filhos de Jeová, apesar de suas imundícies, segundo o Velho Testamento. Basta ler Is. 1:25; Dt. 32:16-20; Is. 30:8-9. Existem textos às carradas no Velho Testamento. O próprio Jeová se auto-denominava o deus da carne em Jr. 32:27. Jeová não pode ser o Deus revelado por Jesus Cristo. As evidências são gritantes.

 

Os filhos deste mundo não são os filhos de Deus. Jesus declarou isso em João 17:14-16. O evangelista Lucas, falando do casamento também declara isso (Lc. 20:34-35). Ora, os filhos de Jeová são os israelitas: “Filhos sois de Jeová vosso Deus; porque és povo santo a Jeová teu Deus, e Jeová te escolheu entre todos os povos que há sobre a terra, para lhe serdes o seu povo próprio” (Dt. 14:1-2). E Jesus, dirigindo-se aos judeus, disse: “Vós sois debaixo, eu sou de cima, vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo” (Jo. 8:23). É espantoso, os filhos de Jeová são filhos deste mundo, por isso Jeová põe o mundo no coração deles (Ec. 3:11).

 

autoria: PASTOR OLAVO SILVEIRA PEREIRA

ABIP – ASSOCIAÇÃO BÍBLICA INTERNACIONAL DE PESQUISA

Deixe uma resposta