(146) – OS DOIS JUGOS

OS DOIS JUGOS

 

Existem, dentro do cristianismo, pelas Sagradas Escrituras, dois testamentos, dois concertos, duas leis e dois jugos. Um jugo no Velho Testamento e um jugo no Novo Testamento. Comecemos por esclarecer o que é jugo. Jugo é servidão ou escravidão. Todo jugo é pesado e opressivo. Jeová falou ao seu povo pela boca de Moisés, dizendo: “Eu sou Jeová vosso deus, que vos tirei da terra dos egípcios, para que não fosseis seus escravos, e quebrei os timões do vosso jugo, e vos fiz andar direito” (Lv. 26:13).

Como o povo de Israel se multiplicou muito na terra do Egito, após a morte de José levantou-se outro Faraó que não o conheceu, e para enfraquecer o povo, tomou providências enérgicas, a seguir: “E puseram sobre eles maiorais de tributos, para os afligirem com suas cargas. Porque edificaram a Faraó cidades de tesouros, Pitom e Rameses” (Ex, 1:11). “Assim lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro e em tijolos, e com todo o trabalho no campo” (Ex. 1:14). Foi nesse clima de dura escravidão que Jeová enviou Moisés com vara de ferro, até que  Faraó, vencido pelas incríveis pragas, os deixou sair livres para servir Jeová no decerto (Ex. 8:29; 9:1).

O povo saiu do Egito, atravessou o mar vermelho de forma espetacular e penetrou no deserto. Aquela multidão de aproximadamente dois milhões de pessoas, ouvindo as crianças chorarem de fome e sede, murmurou contra Moisés e Jeová, que ofendido mandou fogo de céu matando os que iam atrás(Nm. 11:1-6).  Ao terceiro mês da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, chegaram ao deserto do Sinai, e Jeová chamou Moisés, que subiu ao monte (Ex. 19:1-3). Quarenta dias ficou Moisés no monte recebendo as tábuas da lei, e os estatutos de Jeová. No capítulo das maldições de Jeová, como prêmio da desobediência, lemos: “Servirás aos teus inimigos que Jeová enviará contra ti, com fome, e com sede, e com nudez, e com falta de tudo; e sobre o teu pescoço, porá um jugo de ferro até que  te tenha destruído” (Dt. 28:48). Vejamos o jugo da lei de Jeová se era mais pesado que o jugo do Egito, pois Jeová prometeu libertação e agora ameaça com jugo a transgressão do seu povo Israel.

 

  1. “Maldito o fruto do teu ventre” (Dt. 28:18). No jugo do Egito o fruto do ventre era abençoado, pois lemos: “Mas quanto mais os afligiam, tanto mais se multiplicavam, e tanto mais cresciam” (Ex. 1:12). O jugo de Jeová é pior que o do Egito, e maligno, pois atinge as inocentes crianças.
  2. “Jeová te fará pegar a pestilência, até que te consuma da terra a que passas a possuir” (Dt. 28:21). “Jeová te ferirá com as úlceras do Egito, com hemorróidas e com sarna, e com coceira, de que não possas curar-te” (Dt. 28:27). O jugo de Jeová é mais pesado e tenebroso que o do Egito ordenado por Faraó.
  3. “Os teus céus que estão sobre a  tua cabeça, serão de bronze; e a terra que está debaixo de ti, será de ferro. Jeová por chuva da tua terra te dará pó e poeira; dos céus descerão sobre ti até que pereças” (Dt. 28:23-24). Sob o jugo do Egito, o povo comia a fartar, pois clamou dizendo: “Lembramo-nos dos peixes que no Egito comíamos de graça; e dos pepinos, e dos melões, e dos porros, e das cebolas, e dos alhos. mas agora a nossa alma se seca” (Nm. 11:5-6). Também, quanto a alimentação, o jugo de Jeová é pior que o de Faraó.
  4. “E apalparás ao meio dia, como o cego apalpa na escuridão, e não prosperarás nos teus caminhos; porém somente serás oprimido e roubado todos os dias e não haverá quem te salve” (Dt. 28:29). Lá no Egito havia trevas para os egípcios e não haverá para Israel (Ex. 10:21-23).
  5. No Egito foram mortos todos os primogênitos de homens e animais. Não havia casa onde não houvesse um morto, e o clamor e o pranto dos egípcios foi muito grande, mas nenhum dos Israelitas morreu. O executor da sentença foi o próprio Jeová. Os egípcios, porém, puderam sepultar os seus mortos. No jugo de Jeová; que se virou contra o seu povo, os filhos eram mortos pelas mães, para servirem de alimento. “E comerás o fruto do teu ventre, a carne de teus filhos, que te der Jeová teu deus, no cerco e no aperto com que os teus inimigos de apertarão” (Dt. 28:53). Sem dúvida, o jugo de Jeová é insuportável de pesado, que é. O jugo da lei de Jeová é tão monstruoso que o apóstolo Pedro disse: “Porque tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nós nem nossos pais pudemos suportar?” (At. 15:10). E quando Pedro fez esta declaração? Quando os cristãos judaizantes queriam obrigar os gentios a circuncidar e obedecer a lei de Jeová (At. 15:1-9).
  6. Para finalizar o projeto maldito de extermínio do seu próprio povo, Jeová transformou Jerusalém numa fornalha infernal (Is. 31:9). Depois mandou Israel para o cativeiro assírio, onde foram dizimados. “Pelo que Jeová rejeitou a toda a semente de Israel, e os oprimiu, e os deu nas mãos dos despojadores, até que os tirou de diante da sua presença” (II Rs. 17:20). Isso aconteceu por volta do ano 720 A.C.
  7. Cento e trinta anos depois, Jeová entregou o reino de Judá na mão de Nabucodonosor, seu servo, que levou o povo para a Babilônia, num cativeiro medonho, onde as mulheres eram violadas a força, os príncipes enforcados, os velhos não eram reverenciados, os mancebos moendo no moinho como bois, só havia pranto e não cânticos, a pele se enegreceu pelo sol. E o povo, órfão de deus, não tinham a quem clamar, pois Jeová ficou surdo (Lm. 5:10-14; Ez. 8:18). A promessa de liberdade feita por Moisés foi mentirosa.

 

Vejamos o que o Senhor Jesus Cristo fez, segundo nos revela o apóstolo Paulo. “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós: porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro” (Gl. 3:10). Todo o sofrimento que Israel padeceu nos cativeiros, Jesus padeceu para libertar o homem do jugo maldito de Jeová. Toda condenação, todo abandono, toda dor e angústia, Jesus sofreu e padeceu para destruir as maldições da lei de Jeová. Tanto judeus como gregos, partos e medos, elamitas e os que  habitam na Capadócia, ponto e Ásia, Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, Cirene, forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos, todos estavam debaixo da graça e livres da maldição de Jeová. Cessou a violência do destruidor. Ë por isso que Jesus disse a todos: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei, tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim  que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas, porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt. 11:28-30; At. 2:9-10).

 

Autoria: Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta