(529) – DOIS MINISTÉRIOS – III

 DOIS  MINISTÉRIOS  3

        O apóstolo Paulo revela que existem dois ministérios. O do Velho Testamento é o ministério da morte, e o do Novo Testamento é o ministério da justiça. As palavras do grande apóstolo são as seguintes: “E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual era transitória, como não será de maior glória o ministério do Espírito? Porque se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça” (II Co.3:7-9).

  1. Se o ministério dos dez mandamentos gravados nas duas tábuas de pedra era o ministério da morte, o ministério de Cristo, que é o ministério do Espírito Santo, é de uma glória infinitamente maior.
  2. Se a glória do ministério da morte era o brilho na face de Moisés, essa glória acabou com a morte de Moisés executada pelo próprio Jeová (Dt.34:1-5).
  3. Se o ministério da condenação foi glorioso, como não será de maior glória o ministério da justiça?(II Co.3:9). Sabem o que é ministério da condenação? O ministério da condenação é o ministério da lei, porque a lei é contra o homem (Dt.31:16; Ne.9:34).
  4.  Paulo declara o seguinte: “O fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê” (Rm.10:4). Paulo está dizendo que na lei não existe justiça, pois se alguém ficar com a lei de Jeová fica sem a justiça de Cristo. Qual é a justiça de Cristo? É a justiça da fé. Paulo novamente diz: “Que diremos pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça? Sim, mas a justiça que é pela fé. Mas Israel, que buscava a lei da justiça, não chegou à lei da justiça. Por quê? Porque não foi pela fé, mas como pelas obras da lei; tropeçaram na pedra de tropeço” (Rm.9:30-32).
  5.  Qual o mistério que existe por trás da justiça da fé? (I Tm.3:9). O mistério que envolve a condenação do homem é o mistério da fé. Vejamos: Todos os homens e mulheres que existem, e os que ainda vão existir no futuro, já estão condenados em Adão. Paulo assim diz: “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos são pecadores” (Rm.5:12). Se todos já estão condenados antes de nascer, estão condenados antes de fazer o mal, isto é, antes de ter consciência do pecado. Concluímos que, se o homem é condenado sem as obras más, é claro que as obras boas que fizer não têm o poder para salvá-lo. Paulo então diz: “Porque pela graça que sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou, para que andássemos nelas” (Ef.2:8-10). E é por isso que Paulo volta ao assunto, dizendo: “Mas quando apareceu a benignidade e caridade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens, não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, que abundantemente ele derramou sobre nós, por Jesus Cristo nosso Salvador” (Tt.3:4-6).
  6.  O Velho Testamento é um engano, pois Moisés, profeta de Jeová, pregava as obras da lei, isto é, obediência cega aos mandamentos da lei, pensando que com isso seriam justificados diante de Deus, mas Paulo declara: “Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado” (Rm.3:20; At.13:38-39).
  7. São, portanto, dois ministérios. O ministério da lei e dos profetas, que é o ministério da morte e da condenação (II Co.3:7-9). E o ministério do Novo Testamento que é o ministério do Espírito que vivifica (II Co.3:6). Este é o ministério de Cristo.

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta