(192) – A VERDADE – II

A VERDADE – 2

 

Jesus disse: “Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo. 8:36). Que é que Jesus está dizendo, ao falar com os judeus? Jesus estava dizendo que quando Jeová libertou Israel da escravidão do Egito, aquela libertação não foi verdadeira; e se não foi verdadeira foi falsa. Vejamos: todo o povo de Israel foi libertado, com mão forte e com braço estendido (Dt. 4:34). Essa libertação, porém, foi só física e exterior. Não houve libertação por dentro, isto é, no coração. Por isso, Estevão, o primeiro mártir, disse: “Este é aquele Moisés que disse aos filhos de Israel: Jeová vosso deus vos levantará dentre vossos irmãos um profeta como eu; e a ele ouvireis. Este é o que esteve entre a congregação no deserto, com o anjo que lhe falava no Monte Sinai, e com nossos pais, o qual recebeu as palavras de vida para no-las dar, ao qual nossos pais não quiseram obedecer, antes o rejeitaram, e em seu coração se tornaram ao Egito” (At. 7:37-39). Se o povo foi libertado fisicamente, mas tinha o coração no Egito, a libertação foi só aparente. A mulher de Ló foi libertada de Sodoma, mas como o seu coração ficou lá, e olhou para trás, pensando: “Que pena, lá era tão bom”. Como o povo não foi liberto no coração, Jeová os matou no deserto. “Mas quero lembrar-vos, como quem já uma vez soube isto, que havendo Jeová salvo um povo do Egito, destruiu depois os que não creram”. Somente dois se salvaram de um total aproximadamente de um milhão de pessoas (Jd. 5). Para deixar bem claro o raciocínio, pensemos um pouco: O povo ficou quatrocentos anos no Egito se corrompendo. Chega Jeová e liberta o povo, levando-os ao pé do Sinai, e lá, pela lei, proíbe o povo de fazer aquilo que estavam viciados e gostavam. Além disso, obrigou o povo a passar fome e sede no deserto. Com o estômago vazio, o povo sonhava com as cebolas do Egito. Isso foi um engodo de Jeová. Jeremias falou: “Ah! Senhor Jeová! Verdadeiramente trouxeste grande ilusão a este povo e a Jerusalém dizendo: tereis paz; pois a espada penetra-lhes até a alma” (Jr. 4:10).

Jesus, em contrário, liberta primeiro o coração, e a libertação total da parte física, isto é, da carne, só será possível com a ressurreição final. Paulo nos revela o seguinte: “Assim também a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo em corrupção; ressuscitará em incorrupção. Semeia-se em ignomínia, ressuscitará, em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscitará em vigor. Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual” (I Co. 15:42-44).

A libertação de Jeová trás à luz escravos, pois o homem não pratica o mal por proibição e por medo das maldições da lei (Dt. 28:15-68). Um homem liberto não torna mais ao vício. A lei de Jeová proíbe mas não liberta. O fato de proibir prova que não tem poder de cura ou libertação.

A liberdade da lei é falsa porque determina o que o homem pode fazer ou não. Diante da lei a iniciativa individual é anulada, e ninguém é livre para fazer o que quer, logo a lei fabrica escravos, e não livres. Vejamos a explicação de Paulo: “Dizei-me os  que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei? Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre. Todavia o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas o que era da livre por promessa. O que se entende por alegoria? Porque estes são os dois concertos; um do Monte Sinai; gerando filhos para a servidão, que é Agar. Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde a Jerusalém que agora  existe, pois é escrava com os seus filhos” (Gl. 4:21-25). Agar é figura do concerto da lei, que só produz escravos. Logo mais a frente, em continuação, Paulo diz: “Estai pois firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a meter-vos debaixo do jugo da servidão. Eis que eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. E de novo protesto a todo o homem, que se  deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei. Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído” (Gl. 5:1-4). Por este texto de Paulo, dá para entender com clareza, que, quando Jesus diz: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo. 8:32), e também: “Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo. 8:32), Jesus se refere a libertação da lei de Jeová com seus malefícios. Vejamos alguns desses malefícios.

  1. A lei opera a ira, e não o amor (Rm. 4:15). “O amor não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal” (I Co. 13:5). “O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (ICo. 13:7). O verdadeiro amor não se ira, não se irrita, não se vinga. O Pai não é o deus da ira e do furor vingativo, por isso Jesus nos ensinou dizendo: “Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e aborrecerás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos, bendizei aos que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e perseguem, para que sejais filhos de vosso Pai que está nos céus” (Mt. 5:42-45). E João, o apóstolo do amor, nos diz: “Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é  amor” (I Jo. 4:7-8). Como Jeová aborrece, isto é, odeia, Davi declara: “Não aborreço eu, Jeová; aqueles que te aborrecem, e não me aflijo por causa dos que se levantam contra ti? Aborreço-os com ódio completo; tenho-os por inimigos” (Sl. 139:21-22). Davi tinha um coração conforme o de Jeová, o deus que aborrece povos e homens. “Jeová ouviu isto e se indignou, e sobremodo aborreceu Israel” (Sl. 78:59). “Jeová prova o justo, mas sua alma aborrece o ímpio” (Sl. 11:5). Quando Jesus diz: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”,está dizendo que liberta de Jeová, pois os de Jeová são escravos do ódio, da guerra, da vingança, do olho por olho, e das maldições.
  2. Paulo afirma que pela lei vem o conhecimento do pecado (Rm. 3:20). Diz também que a força do pecado é a lei (I Co. 15:56). E revela que o salário do pecado é a morte (Rm. 6:23). E continua dizendo: “Não reine portanto o pecado em vosso corpo mortal, para que lhe obedecerdes em suas concupiscência” (Rm. 6:12). Ezequiel, o profeta diz: “A alma que pecar morrerá” (Ez. 18:4). Por estes textos podemos concluir que a lei é a base do império de Satanás. Na epístola aos hebreus, lemos sobre a gloriosa obra de Jesus Cristo: “E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisa, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo, e livrasse todos os que , com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos a servidão” (Hb. 2:14-15). A lei é a base do reino de Satanás então não é a base do reino de Deus. Isto é fantástico. Lucas diz: “A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus” (Lc. 16:16). A lei não faz parte do reino da verdade, mas está ligado ao reino do pai da mentira. A lei não é da fé (Gl. 3:12). “Graças a Deus, o Pai, Cristo nos liberta da lei, da morte, do pecado e do diabo” (I Jo. 3:8) .

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta