(331) – AS DUAS CASAS – III

AS   DUAS   CASAS   3

            A pergunta é: Deus, o Pai, tem duas casas? Segundo Jesus Cristo, a casa de Deus é no céu, pois disse: “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar. E, se eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também” (Jo. 14:2-3). O apóstolo Paulo confirmou essa verdade, quando revelou que existem duas Jerusaléns. Leiamos o texto: “Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei? Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre. Todavia o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa. O que se entende por alegoria; porque estes são os dois concertos; um, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Hagar. Ora esta Hagar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos. Mas a Jerusalém que é de cima é livre, a qual é mãe de todos nós” (Gl. 4:21-26). Analisemos o texto acima:

1- Abraão teve duas mulheres. Sara, a livre, e Hagar, a escrava, trazida do Egito. E teve dois filhos, um nascido da escrava, e outro da livre (Gl. 4:22).

2- O que era da escrava nasceu segundo a carne, isto é, da cópula carnal, mas o que era da livre, por promessa. “Pela fé também a mesma Sara recebeu a virtude de conceber, e deu à luz já fora da idade; porquanto teve por fiel aquele que lho tinha prometido” (Hb. 11:11; Gl. 4:23). Foram portanto dois nascimentos diferentes. Um de semente corruptível, e outro de semente incorruptível (I Pd. 1:23).

3- Sara e Hagar são figuras de dois concertos. O da lei, dado no monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Hagar. Outro, o da graça, dado no Gólgota, onde Jesus foi crucificado em nosso lugar, fazendo-se maldição por nós (Gl. 3:13). Os da graça estão livres de guardar a lei (Rm. 7:6). O próprio Jeová declara que exerce, pela lei, um jugo de servidão sobre o seu povo: “Vendo, pois, Jeová, que se humilhavam, veio a palavra de Jeová a Semaías, dizendo: Humilharam-se, não os destruirei; antes em breve lhes darei lugar de escaparem, para que o meu furor não se derrame sobre Jerusalém por mão de Sisaque. Porém serão seus servos, para que conheçam a diferença da minha servidão e da servidão dos reinos da terra” (II Cr. 12:7-8). Hagar, a egípcia, é figura do concerto do Sinai, que gera filhos para a servidão (Gl. 4:24). O povo de Israel foi gerado escravo na terra do Egito por cem anos. Moisés os libertou do Egito pelas pragas de Jeová, levou-os ao monte Sinai, onde Jeová ordenou o concerto da lei, que é Hagar.

4- Ora, esta Hagar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde a Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos. A Jerusalém que agora existe foi fundada pelos jebuseus e não por Deus (II Sm. 5:6-7). Davi venceu os jebuseus em uma guerra, tomou a cidade, e fez dela a capital de Israel (Gl. 4:25).

5- Sara corresponde a Jerusalém celestial, cujo artífice e construtor é Deus, e onde vão habitar eternamente os ressuscitados com Jesus Cristo (Gl. 4:26; Cl. 3:1-3; I Ts. 4:16-17). A Jerusalém celestial é também a Igreja santa e imaculada: “Mas chegastes ao monte de Sião, e a cidade do Deus vivo, `a Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; à universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos no céu, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados; e a Jesus, o Mediador de uma Nova Aliança” (Hb. 12:22-24). No céu não entram escravos, mas somente os livres, que foram libertados por Jesus (Jo. 8:36). “E libertados do pecado fostes feitos servos da justiça” (Rm. 6:18). “Qualquer que comete pecado, também comete iniquidade; porque o pecado é iniquidade. E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu” (I Jo. 3:4-6).

6- Isaque, filho de Sara, é figura dos cristãos nascidos do Espírito Santo (Jo. 3:3-6)“Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque” (Gl. 4:28). E Jesus declarou a Nicodemos: “Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (Jo. 3:3).Nicodemos falou: Como pode ser isso? Jesus então disse“Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus (Jo. 3:4-5). E Jesus rematou dizendo: “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” (Jo. 3:6). Os nascidos da carne, isto é, filhos de Hagar, estão fora do reino de Deus. Isaque, o filho de Sara, é figura dos cristãos. Paulo escreveu: “Não que a palavra de Deus haja faltado, porque nem todos que são de Israel são israelitas; nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência. Isto é: não são os filhos da carne que são filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência” (Rm. 9:6-8).

7- Os gerados pela carne perseguem os gerados pelo Espírito (Gl. 4:29). À partir de 1950, as igrejas evangélicas tradicionais promoveram guerra aberta contra os pentecostais, e grande perseguição, como sacerdotes do templo fizeram nos dias de Paulo (At. 22:3-5; 26:8-11). Os nascidos do Espírito jamais perseguem os culpados e, muito menos os irmãos.

8- Os filhos da escrava não herdam com os filhos da livre (Gl. 4:30). Ora, a herança dos gerados pela carne é a terra de Canaã e a Jerusalém da terra, que é Hagar, e esta é a casa de Jeová (Nm. 12:7), que é a Jerusalém da terra, e onde Jeová declara que vai habitar eternamente: “E alguns dos chefes dos pais, vindo à casa de Jeová, que habita em Jerusalém, deram ofertas” (Ed. 2:68). “Bendito seja Jeová desde Sião, que habita em Jerusalém, louvai a Jeová (Aleluia)” (Sl. 135:21). E vai habitar nela eternamente: “Porque saltais, ó montes elevados? Este é o monte que Jeová desejou para a sua habitação, e Jeová habitará nele eternamente” (Sl. 68:16). “Porque Jeová elegeu a Sião; desejou-a para sua habitação, dizendo: Este é o meu repouso para sempre; aqui habitarei, pois o desejei” (Sl. 132:13-14). Ora, se Jeová vai habitar na Jerusalém da terra eternamente, e esta Jerusalém é o concerto do Sinai, que também é Hagar, cujos filhos são gerados na carne, sendo escravos, fica claro que a Jerusalém do céu, que é Sara, mãe dos nascidos do Espírito Santo, e que está nos céus, nada tem a ver uma com a outra. São duas casas totalmente diferentes. São duas heranças diferentes, e Paulo falou de maneira clara: OS FILHOS DA ESCRAVA NÃO HERDARÃO COM OS FILHOS DA LIVRE (Gl. 4:30). Se alguns nascidos da carne quiserem entrar na Jerusalém celestial serão lançados fora dela, pois a herança dos filhos de Jeová é neste mundo. Jeová diz: “O que confia em mim herdará a terra.” (Is.57:13). “Aqueles que esperam em Jeová herdarão a terra” (Sl. 37:9). “Os justos herdarão a terra e habitarão nela para sempre” (Sl. 37:29). Esta é a casa de Jeová, e sua promessa.

Em relação à casa que Jesus edificou, Pedro diz: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável, e que se não pode murchar, guardada nos céus para vós” (I Pd. 1:3-4).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta