(150) – OS FILHOS DA IRA

OS FILHOS DA IRA

 

Na carta de Paulo aos Efésios lemos: “E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos de nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também” (Ef. 2:2-3).

Nestes três versos Paulo fala seis coisas:

  1. Os judeus observadores da lei de Jeová estavam mortos em delitos e pecados, mas podem ser vivificados em Jesus Cristo (Ef. 2:1)
  2. Os mortos a quem Paulo se refere andam segundo o curso deste mundo (Ef. 2:2).
  3. Os judeus viviam segundo a vontade do príncipe das potestades do ar (Ef. 2:2).
  4. O espírito que opera nos filhos da desobediência, é o espírito do príncipe das potestades do ar, que não é o diabo, pois se fosse, Paulo falaria a palavra diabo, como em Ef. 4:27,  6:11 e II Tm. 2:26.
  5. A desobediência está ligada à vontade da carne, isto é, aos apetites; e à vontade dos pensamentos, isto é, a lascívia. Estas duas fontes de corrupção de costumes são controladas pelo príncipe das potestades do ar (Ef. 2:3).
  6. E Paulo termina afirmando que os judeus religiosos eram todos FILHOS DA IRA COMO OS OUTROS TAMBÉM (Ef. 2:3). Que outros senão os gentios?

As potestades do ar são uma casta de anjos rebeldes que dominam o planeta Terra corrompendo as almas para usá-las contra Jesus, o Senhor dos senhores. E eles têm uma cabeça: O PRÍNCIPE DAS POTESTADES DO AR. E Jesus formou a sua Igreja para combatê-los e amarrá-los. Sobre isso Paulo diz:“Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século” (Ef. 6:11).

Para que venha à luz um filho da ira, três coisas são necessárias:

  1. Que o pai dos filhos da ira seja iracundo para gerar filhos à sua imagem e semelhança.
  2. Que o pai dos filhos da ira estabeleça leis que produzam ira em seus corações.
  3. É preciso encontrar dentro das Escrituras provas incontestáveis que revelem quem é esse príncipe tenebroso.

No primeiro caso citamos alguns textos bíblicos:  “Jeová é um deus que se ira todos os dias” (Sl.  7:11). A mesma palavra hebraica é usada para ira e cólera. Jeová é um deus colérico. Jeová está sempre irado contra quem não o conhece e nunca ouviu falar dele. “Derrama o teu furor contra as nações que não conhecem, e sobre os reinos que não invocam o teu nome” (Sl. 79:6). Jeremias falou isto (Jr. 10:25)“com ira e com furor exercerei vingança contra as nações que não ouvem” (Mq. 5:15). O furor de Jeová é o furor do inferno segundo as palavras de Moisés: “Porque um fogo se acendeu na minha ira, e arderá até o mais profundo do inferno” (Dt. 32:22). Jeová não deu o Messias  por amor, mas por ira (Sl. 2:1-5). Ao contrário do Pai que deu o seu Filho Jesus por amor (Jo. 3:16). Jeová disse: “Dei-te um rei na minha ira, e to tirei no meu furor” (Os. 13:11). Ora, um deus furioso e iracundo só pode gerar filhos iracundos.

Em segundo lugar, o pai dos filhos da ira criou normas irreversíveis para que seus filhos se tornem filhos da ira. Os filhos da ira têm duas características. São iracundos e odiosos, rebeldes e desobedientes e também são odiados e rejeitados pelo próprio pai que os formou como o oleiro forma o vaso de barro.

A lei foi dada por Jeová e é o seu pacto com Israel. “Estes são os mandamentos, e os estatutos e os juízos que mandou o Senhor vosso deus para se vos ensinar, para que os fizésseis na terra a que passais a possuir” (Dt. 6:1). Pois as leis de Jeová produzem no homem a concupiscência, isto é, os desejos carnais. Isto está em  Rm. 7: 7-8. A lei de Jeová faz abundar o pecado, isto é, aumenta e multiplica o pecado (Rm. 5:20). E Paulo então nos adverte dizendo:  “O pecado, tomando ocasião pelo mandamento, me enganou, e por ele me matou” (Rm. 7:14). A lei de Jeová desperta no cristão as paixões pecaminosas da carne, cujo resultado é a morte (Rm. 7:5). E Jeová então mata e destrói os homens pela ira assassina de sua natureza, pois Jeová não muda (Ml. 3:6). E essa ira aumenta na proporção que os homens pecam. Como os cristãos crêem que é impossível não pecar, a ira, o furor e a cólera de Jeová não tem limites (Dt. 32:22-25). Quando Paulo diz que onde abundou o pecado superabundou a graça, está revelando que, aumentando o pecado, aumenta o furor de Jeová,  e por outro lado aumenta o amor e a misericórdia do Pai. E de uma mesma fonte não se bebe água doce e amarga (Rm. 5:20; Tg. 3:10-11). E o grande apóstolo dos gentios fecha com chave de ouro o assunto dizendo: “POR QUE A LEI OPERA A IRA” (Rm. 4:15). A lei foi dada com ira, por isso Ezequiel diz: “Lhes dei estatutos que não eram bons e juízos pelos quais não haviam de viver” (Ez. 20:25). Concluímos que os filhos da ira não são os filhos do diabo, mas os filhos de Jeová. Assim sendo, o príncipe das potestades do ar não é o diabo, mas o próprio Jeová, o deus da cólera assassina.

Para se conhecer os filhos da ira é fácil. Conversando com qualquer cristão que crê ser Jeová o Pai, esse cristão é todo gentileza e amor; mas se você negar que ele é o Pai, o amor do tal cristão desaparece e surge a ira assassina de Jeová, pois esse cristão vai espalhar que você é herege e filho do diabo; vai escrever cartas para todas as Igrejas ou pastores que conhece para que não recebam o herege; vão difamar, falar mal e aborrecer até a morte, o pobre cristão que não crê em Jeová.  João o apóstolo do amor declara que quem aborrece o seu irmão é assassino (Jo. 3:15). E este homicida arrisca-se a ir ao lugar que destinou ao herege, isto é, o inferno, pois quem não ama não conhece a Deus (I Jo. 4:7-8).

Para terminar resta-nos apenas provar pela Bíblia que é Jeová quem fabrica os filhos da ira, e estará terminada a nossa missão. Paulo disse: “O oleiro tem poder sobre o barro para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra. E que direis se deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição, para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que para a glória já dantes preparou, os quais somos nós” (Rm. 9:21-24). A quem Paulo se referia? A Esaú e Jacó, figuras dos dois povos (Rm. 9:11-13). Paulo fez referência ao Velho Testamento e a predestinação de Jeová. Falando sobre o Pai de Jesus, Paulo diz: “Porque isto é agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham  ao conhecimento da verdade” (I Tm. 2:3-4). O deus que fabricou os vasos da ira e da perdição não quer que todos os homens se salvem, logo não é o Pai de Jesus. E Paulo ainda afirma o seguinte: “Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no Deus vivo, que é
Salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis” (I Tm. 4:10).

 

Autoria: Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta