(262) – MISERICÓRDIA

 MISERICÓRDIA

 

Qual a definição de misericórdia? É perdão, concedido por bondade pura. É a virtude sublime, que leva a ter compaixão pela miséria de outrem. A melhor definição é: Virtude que impele a perdoar o que se tem o direito de punir. O apóstolo Paulo, referindo-se a Deus, assim se expressa: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda consolação” (II Co. 1:3).

Continuando Paulo diz: “Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus” (II Co. 1:4). Podemos tirar algumas conclusões deste verso.

1 – As tribulações não vêem de Deus, mas de outro todo poderoso neste mundo.

2 – Deus o Pai, não pode evitá-las.

3 – A única coisa que pode fazer por nós é consolar-nos.

4 – Estamos, nós os cristãos, no meio do inferno e o deus deste mundo quer nos massacrar por meio dos seus exércitos (II Co. 4:4).

Por que Deus é chamado de Pai das misericórdias? Porque quer salvar a todos os homens e mulheres, sem distinção de raça, cor, ou posição social, por isso Paulo declarou: “Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem. E venham ao conhecimento da verdade” (I Tm. 2:3-4). “Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus” (Gl. 3:27-28). Zaqueu era cobrador de impostos e ladrão, e foi salvo (Lc. 19:1-10). Pior do que Zaqueu foi um dos ladrões que foi crucificado com Cristo, que a tradição diz chamar-se Dimas. Este confessou suas culpas na cruz, creu em Jesus, e foi salvo (Lc. 23:39-43). Os inimigos de Deus foram reconciliados, para serem salvos, se cressem em Jesus (Rm. 5:8-10). Qualquer homem ou mulher, independentemente do crime ou pecado cometidos, crendo e confessando a Cristo, é salvo e regenerado pelo Espírito Santo. Paulo nos informa que muitos idólatras, e adúlteros, e efeminados, e sodomitas, e ladrões, e avarentos, e bêbados, e maldizentes, foram salvos e regenerados (I Co. 6:10-11). É por isso que Deus, o Pai de Jesus, é chamado de Pai das misericórdias (II Co. 1:3).

Vejamos se Jeová, que se revelou a si próprio como deus, tem o mesmo perfil do Pai. Ele se declara deus misericordioso e piedoso. “Passando pois Jeová perante a sua face, clamou: Jeová, deus misericordioso e piedoso, tardio em iras, e grande em beneficência e verdade, que guarda a beneficência em milhares, que perdoa a iniqüidade, e a transgressão, e o pecado” (Ex. 34:6-7). E Jeová afirma que guarda o concerto e a misericórdia até mil gerações para os que o amam e guardam seus mandamentos, porque é fiel (Dt. 7:9).

1 – Adão e Eva, no paraíso, foram proibidos de comer da árvore do bem e do mal (Gn. 2:16-17; 3:1-3). Incautos, mas abandonados por Jeová nas garras da serpente maligna e tentados, comeram do fruto proibido e pecaram. Sua condenação foi justa, mas Jeová não teve misericórdia da descendência. Toda a humanidade padece até hoje os efeitos terríveis do juízo fatal (Rm. 5:12).

2 – No ano de 1656, depois de Adão, a população da terra deveria de ser de bilhões de pessoas, pois um homem podia ter muitas mulheres e vivia de 500 a 1.000 anos. Como a corrupção foi muito grande, mas não tanto quanto hoje, Jeová destruiu toda a humanidade pelas águas do dilúvio. Havia bilhões de criancinhas inocentes, mas Jeová não usou de misericórdia com ninguém (Gn. 6:1-15).

3 – Os filhos de Arão, Nadabe e Abiú, tomaram os incensários, e puseram fogo estranho neles, diferente do que Jeová ordenara. Então saiu fogo de Jeová e os matou. Mas eles não queriam ofender. Pensaram agradar com uma idéia luminosa, mas Jeová não teve misericórdia dos filhos de Arão, o sumo sacerdote(Lv. 10:1-2). Ora, Arão estava dentro do concerto de Jeová, conforme Dt. 7:9.

4 – Acã pecou, tomando os despojos, uma capa babilônica, duzentos ciclos de prata, e uma cunha de ouro (Js. 7:20-21). Por ordem de Jeová, os filhos, as filhas, suas mulheres, seus bois, e tudo quanto tinha, foram levados ao vale de Acor, foram apedrejados e queimados. Jeová não usava de misericórdia com os filhos inocentes (Js. 7:24-26).

5 – A arca do concerto de Jeová estava na casa de Abinadabe por vinte anos. Davi resolveu levar a arca para Jerusalém. Puseram a arca num carro novo. Uzá e Aiô, filhos de Abinadabe guiavam o carro. No caminho, o carro inclinou, e Uzá segurou a arca para não cair. A ira de Jeová se acendeu contra Uzá, e ali mesmo o matou. Qual foi o pecado de Uzá? Zelo? Cuidado? Foi essa a paga de Jeová a Abinadabe por guardar a arca por vinte anos? Jeová não teve misericórdia de Uzá e de seu fiel e bondoso pai Abinadabe (II Sm. 6:1-7).

6  – Moisés foi o maior profeta do Velho Testamento (Dt. 34:10). Jeová testificou de Moisés quando Arão e Mirian, seus irmãos, se insurgiram contra ele, dizendo: “Vós três, sai à tenda da congregação. E saíram. Então Jeová desceu na coluna de nuvem, se pôs à porta da tenda, chamou os três e disse: Ouvi agora as minhas palavras; se entre vós houver profeta, eu, Jeová, em visão a ele me farei conhecer, ou em sonhos falarei com ele. Não é assim com o meu servo Moisés que é fiel em toda a minha casa. Boca a boca falo com ele, e de vista, e não por figuras, pois ele vê a semelhança de Jeová. Assim a ira de Jeová se acendeu contra eles; e foi-se. E Mirian ficou leprosa” (Nm. 12:1-10). Pois este gigante da fé e da humildade cometeu um só erro em quarenta anos de dedicação incomparável. Feriu a rocha duas vezes, quando devia ferir uma só (Nm. 20:7-13). Como castigo, Jeová o proibiu de entrar na terra prometida (Dt. 1:37). Jeová não teve misericórdia de Moisés, seu servo fiel. E Jeová, para que Moisés sofresse mais ainda, o levou ao monte Nebo, de fronte de Jericó, e mostrou-lhe toda a terra de Canaã, dizendo-lhe: “Vê a terra prometida, olha com os olhos, mas para lá não passarás. E ali morreu Moisés” (certamente de desgosto e desilusão) (Dt. 34:1-5). O pior é que Jeová sepultou Moisés, e entregou seu corpo a Satanás (Dt. 34:5-7; Jd. 9). Jeová não teve misericórdia do maior homem do Velho Testamento.

7 – O grande rei Davi, o homem com quem Jeová fez um concerto eterno: “Fiz um concerto com o meu escolhido; jurei ao meu servo Davi” (Sl. 89:3). “Achei a Davi, meu servo; com o meu santo óleo o ungi” (Sl. 89:20). “A minha fidelidade e a minha benignidade estarão com ele; e em meu nome será exaltado o seu poder” (Sl. 89:24). “Conservarei para sempre a sua descendência, e o seu trono como os dias do céu” (Sl. 89:29). “Não quebrarei o meu concerto, não alterarei o que saiu dos meus lábios. Uma vez jurei por minha santidade que não mentirei a Davi. A sua descendência durará para sempre, e o seu trono será como o sol perante mim. A testemunha do céu é fiel” (Sl. 89:34-37). Davi, que como homem, é pecador sujeito a cair, cometeu um adultério e um homicídio (II Sm. 11:1-17). Jeová não usou de misericórdia para com Davi como lemos no mesmo Salmo 89“Mas tu rejeitaste e aborreceste; tu te indignaste contra o teu ungido. Abominaste o concerto do teu servo; profanaste a sua coroa, lançando-a por terra” (Sl. 89:38-39). “Exaltaste a dextra dos seus adversários; fizeste com que todos os seus inimigos se regozijassem. Também embotaste o fio da sua espada, e não o sustentaste na peleja. Fizeste cessar o seu resplendor, e deitaste por terra o seu trono” (Sl. 89:42-44). Pobre Davi! Jeová não teve misericórdia também do filhinho recém-nascido de Bate-Seba, embora Davi orasse chorando sete dias, pois Jeová o matou (II Sm. 12:14-20). E teve mais, Jeová não teve misericórdia das dez concubinas de Davi, pois entregou-as a Absalão, seu filho. Leia-se em II Sm. 12:11-12 e 16:21-22. Jeová não teve misericórdia de Tamar, filha de Davi, que foi estuprada pelo primogênito de Davi, de nome Amnon (II Sm. 13:1-20). Jeová se vingava ferindo as pessoas mais íntimas e amadas do pecador; mas todas vítimas inocentes.

8 – Jeová mesmo declara não ter compaixão nem piedade dos culpados. “Fa-los-ei em pedaços uns contra os outros, e juntamente os pais com os filhos, diz Jeová; não perdoarei, nem terei deles compaixão, para que não os destrua” (Jr. 13:14). “Não te poupará o meu olho, nem terá piedade” (Ez. 7:9). E isto referindo-se a seu povo Israel. Não ter piedade é uma constante na linguagem de Jeová (Ez. 5:8-11; 8:18). Quem não tem piedade das criancinhas não conhece a misericórdia (Is. 14:21; Lm. 4:10).

O perfil de Jeová não é o mesmo do Pai de Jesus, nem de Jesus, pois Jesus não condena ninguém (Jo. 3:17; 5:45; 12:47; I Tm. 4:10; etc.).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta