(141) – DEUS NÃO OUVE A PECADORES?

DEUS NÃO OUVE A PECADORES?

 

         Deus ouve as orações de todos os homens ou apenas de alguns? Se a Bíblia declara que são todos iguais, Deus deveria ouvir as orações de todos ou de nenhum. Vejamos: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm. 3:23)“Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos: Não há justo, nenhum sequer” (Rm. 3:10).

Mas em contrário, um homem que fora curado por Jesus de cegueira congênita, disse: “Nós sabemos que deus não ouve a pecadores; mas, se alguém é temente a deus, e faz a sua vontade, a esse ouve” (Jo. 9:31). Segundo esta declaração, a oração é ouvida por merecimento. Seria mais ou menos como um rei que só recebe em audiência altas personalidades. O povão e os párias são barrados pelos guardas. Só os graduados têm acesso a Deus? Analisemos algumas declarações proféticas do deus do Velho Testamento; “Quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue” (Is. 1:15). E continuando, o profeta Isaías diz: “Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer o mal, aprendei a fazer o bem, praticai o que é reto, ajudai o oprimido, fazei justiça ao órfão, tratai da causa das viúvas; vinde então e argüi-me, diz Jeová” (Is. 1:16-18). Por  este texto de Isaías, só os justos têm acesso a Jeová, o deus do velho concerto. Davi afirmou isso, dizendo: “Se eu atender a iniqüidade no meu coração, Jeová não me ouvirá” (Sl. 66:18). E Davi, o amado de Jeová, quando cometeu um abominável adultério, (pois enquanto o seu amigo Urias, o heteu, um dos trinta e sete valente seus, estava ocupado com as coisas do reino, seduziu Bate Seba, sua esposa) não foi ouvido por Jeová (II Sm. 12:9-19), Jeová declarou o seguinte pela boca de Salomão: “Convertei-vos pela minha repreensão, eis que abundantemente derramarei sobre vós o meu espírito e vos farei saber as minhas palavras. Mas, porque clamei, e vós recusastes; porque estendi a minha mão, e não houve quem desse atenção; antes rejeitastes todo o meu conselho, e não quisestes a minha repreensão, também eu me rirei da vossa perdição, e zombarei, vindo o vosso temor. Vindo como assolação o vosso temor, e vindo a vossa perdição como tormenta, sobrevindo-vos aperto e angústia, ENTÃO A MIM CLAMARÃO, MAS EU NÃO RESPONDEREI; DE MADRUGADA ME BUSCARÃO, E NÃO ME ACHARÃO” (Pv. 1:23-28). O Rei Saul caiu em desgraça por desobediência a Jeová, e não foi ouvido na hora da necessidade. “E vendo Saul o arraial dos filisteus, temeu, e estremeceu muito o seu coração. E perguntou Saul a Jeová, porém Jeová não lhe respondeu, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas” (I Sm. 28:5-6). Depois de quatrocentos e cinqüenta anos, a partir do rei Saul, no ano seiscentos antes de Jesus Cristo, o reino dos judeus estava corrompido, e Jeremias  era um dos profetas. Leiamos o que Jeová declarou pela sua boca: “Tu pois não ores por este povo, nem levantes por ele clamor ou oração, nem me importunes, porque eu não ouvirei” (Jr. 7:16). Mas Jeremias era homem de oração, e perseverava dia e noite intercedendo pelo seu povo. Então Jeová lhe diz: “Uma conjuração se achou entre os homens de Judá, entre os habitantes de Jerusalém. Tornaram as maldades de seus primeiros pais, que não quiseram ouvir as minhas palavras, e eles andaram após deuses estranhos para os servir; a casa de Israel e a casa de Judá quebrantaram o meu concerto, que tinha feito com seus pais. Portanto assim diz Jeová; eis que trarei mal sobre eles, de que não poderão escapar, E CLAMARÃO A MIM E EU NÃO OS OUVIREI” (Jr. 11:9-11). Então Jeová repreende Jeremias pela segunda vez, dizendo: “tu, pois, não ores por este povo, nem levantes clamor nem oração; porque não os ouvirei no tempo em que eles clamarem a mim, por causa do seu mal” (Jr. 11:14).

O estranho na justiça de Jeová, é que o bem é reversível, mas o mal é irreversível. “Se ela fizer o mal diante dos meus olhos, não dando ouvidos a minha voz, ENTÃO EU ME ARREPENDEREI DO BEM QUE TINHA DITO LHES FARIA. Fala agora aos homens de Judá, e aos moradores de Jerusalém, dizendo:  Assim diz Jeová: Eis que estou forjando mal contra vós, e projeto um plano contra vós (Jr. 18:10-11). Quando Jeová prescreve as maldições da lei, afirmou que as mandaria até destruir totalmente os transgressores (Dt. 28:20-28, 45, 48, 61, 63). No verso 63 (sessenta e três) Jeová confessa que se deleita em destruir. Como a oração dos ímpios e transgressores é abominação para Jeová, ele proíbe o justo de interceder pelos maus (Jr. 14:11). O furor de Jeová só se aplaca despedaçando uns contra os outros; os pais com os filhos (Jr. 13:14).

A oração dos pecadores maus é abominação diante de Jeová (Pv. 28:9).

Jesus desceu do Céu à Terra para revelar aos homens a verdadeira natureza de Deus. Quando Jesus diz: “EU E O PAI SOMOS UM” (Jo. 10:30), Jesus está revelando que Deus, o Pai, se descesse à Terra faria as obras que Jesus fez, e falaria o que Jesus falou (Jo. 12:49-50; 14:10-11).“Lhes dei as palavras que tu me deste” (Jo. 17:8). “Tenho-vos mostrado muitas obras boas procedentes de meu Pai; por qual destas obras me apedrejais?(Jo. 10:32). Jesus comia com publicanos e pecadores (Lc. 7:34). E afirmou que os publicanos e as meretrizes entrarão no reino dos céus antes dos religiosos do seu tempo (Mt. 21:31). É fantástico que, aqueles que Jeová odeia e destrói, são os que Jesus veio salvar. “Porque eu não vim chamar os justos, mas os pecadores ao arrependimento” (Mt. 9:13).

Jeová ordenou matar a todos os cananeus (Js. 11:20). E Jesus ouviu a oração de uma mulher cananéia, para libertar sua filha que estava endemoninhada. Os cananeus eram malditos de Jeová, mas Jesus, por compaixão, libertou-a (Mt. 15:21-28). Jesus entrou na casa de um fariseu, de nome Simão para comer. Estavam todos à mesa quando uma mulher entrou, e com lágrimas regava os pés do Senhor, e enxugava com os cabelos; e beijando-lhes os pés ungia-os com um precioso ungüento. Simão pensou: Se este fosse profeta, saberia que esta mulher é uma prostituta. Jesus, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhe: “Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos. Não me deste ósculo, mas esta, desde que entrou, beija-me os pés. Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com ungüento. Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou” (Lc. 7:36-48). Jesus atende os perdidos, e o Pai também, pois Jesus fez e faz as obras do Pai (Jo. 14:10-11). Jesus e o Pai ouvem a quem Jeová não ouvia. Temos no Novo Testamento um caso mais exuberante na parábola do fariseu e do publicano. Os dois entraram no templo para orar. O fariseu em pé, orava consigo mesmo silenciosamente, dizendo: “Ó Deus, graças te dou, porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes por semana, e dou os dízimos de tudo o que possuo. O publicano, porém, estando em pé, de longe, não ousava levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador.” O publicano pecador e humilde saiu do templo justificado, mas o soberbo fariseu não saiu justificado. Jeová não ouviria a do pecador, pois se sente ofendido por essa oração (Pv. 28:9; 15:8). E há quem diga que Jesus não quis desmascarar Jeová.

 

Autoria: Pastor Olavo S. Pereira

Deixe uma resposta