(484) – OS DOIS ADÕES – I

 OS  DOIS  ADÕES    I

A Bíblia revela que existem dois Adões. É Paulo quem o diz: “Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em espírito vivificante” (I Co.15:45).Qual dos dois é o mais importante para nós hoje? Alguém pode dizer: É o primeiro, pois sem ele nós não existiríamos! Eu, porém, afirmo que o último, Jesus Cristo, é o mais importante, pois, se não existíssemos, não teríamos também consciência de nada, mas como temos consciência, se Cristo não ressuscitasse dos mortos, estaríamos condenados conscientemente. Diz Paulo: “Se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados; e os que dormiram em Cristo estão perdidos” (I Co.15:17-18). O primeiro Adão legou-nos como herança a morte; o último legou-nos como herança a ressurreição. Dessa forma todos morrem a partir do primeiro Adão, e assim também todos serão vivificados em Cristo, o último Adão (I Co.15:21-22). Não está claro que o último Adão é infinitamente mais importante que o primeiro?

O interessante a notar, é que ambos os Adões, tem forças iguais. Um para o bem, o outro para o mal; o primeiro para o mal; o último para o bem. O apóstolo Paulo retrata como muita precisão e sabedoria as duas forças, que parecem proceder de fontes diferentes. Leiamos o texto:

  1. “Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos” (Rm.5:15).
  2. E não foi assim o dom como a ofensa, por um só que pecou. Porque o juízo veio de uma só ofensa, na verdade, para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação(Rm.5:16).
  3. “Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo” (Rm.5:17).
  4. “Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida” (Rm.5:18).
  5. “Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um, muitos serão feitos justos” (Rm.5:19).
  6. “Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse. Mas onde o pecado abundou, superabundou a graça, para que, assim como o pecado reinou pela morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, mediante Jesus Cristo nosso Senhor” (Rm.5:20-21).

O primeiro Adão é tido por Paulo como o único responsável pela queda de toda a humanidade, e pela condenação de todos. Paulo é quem afirma isso, dizendo: “Como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (Rm.5:12). E disse mais o apóstolo: “Porque todos pecaram e destituídos foram da glória de Deus” (Rm.3:23). Analisemos o assunto cientificamente. Na escola o professor de física ensina que toda força exige uma outra de igual intensidade, porém contrária, para anulá-la. E Paulo diz:“Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo”           (I Co.15:22).

Quem mata ou tira a vida é Jeová, pois era o cabeça dos homens: “Jeová é o que tira a vida, e a dá; faz descer à sepultura, e faz subir. Jeová empobrece e enriquece; abaixa e também exalta” (I Sm.2:6-7). “De Jeová é a terra e a sua plenitude, o mundo e todos os que nele habitam” (Sl.24:1). “Jeová olha desde os céus, e está vendo todos os filhos dos homens; da sua morada contempla todos os moradores da terra. É ele que forma o coração de todos eles” (Sl.33:13-15).

Ora, Adão foi um instrumento na mão de Jeová, pois só Jeová podia levar toda a humanidade ao pecado e à morte. A lei que Jeová deu leva o homem ao conhecimento do pecado e ao afastamento de Deus(Rm.3:20). A lei que Jeová deu é a força do pecado (I Co.15:56). A lei que Jeová deu produz no homem paixões pecaminosas que o destroem. Jeová é o primeiro Adão!

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta